Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

“Tu venceste, Galileu!”: a emblemática derrota do último imperador pagão

Creative Commons
Compartilhe este artigo para ter a chance de ganhar uma peregrinação a Roma
Compartilhar
Compartilhei
Compartilhamentos

Juliano, o Apóstata, renegou Jesus Cristo e quis até reconstruir o Templo de Jerusalém para desafiar a Sua profecia - mas apenas a reconfirmou

Por volta do ano 360, a Igreja enfrentava uma implacável perseguição não cruenta movida pelo imperador romano Juliano, denominado o Apóstata porque, embora tivesse sido batizado e educado na fé cristã, renegava Cristo e procurava denodadamente restabelecer as velhas crenças e cultos pagãos greco-romanos.

Ainda que não promovesse as carnificinas contra os cristãos que tinham ensanguentado os primeiros séculos da Igreja em Roma, Juliano apoiava cismáticos e hereges, despojava a Igreja de seus bens, proibia os cristãos de se defenderem nos tribunais e até vetava que eles dessem aulas nas escolas.

Muito culto e refinado, poderia ter feito grandes coisas pelo Império, mas dedicou suas forças a combater a fé a ponto de cometer insensatezes como a tentativa de reconstruir o Templo de Jerusalém, motivado pela intenção de afrontar Jesus Cristo e “desmascará-lo” como “falso profeta”, visto que Jesus tinha afirmado que, daquele templo, não restaria pedra sobre pedra.

Juliano Apostata
CC

Juliano chegou a orquestrar grandes movimentações de engenharia para levar adiante aquela grandiosa e custosa empreitada, mas, apenas colocadas as primeiras pedras, um terremoto avassalador voltou a derrubá-las. Em vez de “desmascarar” a profecia de Jesus, Juliano acabou assim ajudando a comprová-la. O templo de Jerusalém nunca mais voltou a ser reconstruído.

A este respeito, o contemporâneo São João Crisóstomo exclamou:

“Cristo edificou a sua Igreja sobre a pedra e nada pôde derrubá-la. Ele derrubou o templo e nada pôde reedificá-lo. Ninguém abate o que Deus eleva, nem eleva o que Deus abate”.

Partindo depois para uma guerra contras os persas, Juliano foi ferido mortalmente por uma flecha. Uma antiga tradição copta atribui a flechada a São Mercúrio. Segundo essa mesma tradição, Juliano era ex-colega de estudos de ninguém menos que São Basílio Magno. Aprisionado logo no início desse governo imperial, São Basílio teria invocado a ajuda de São Mercúrio e recebido uma visão na qual o santo lhe revelava ter atingido o imperador com a flecha. O ícone que aparece na imagem ilustrativa desta matéria representa essa tradição.

Tradições coptas à parte, o historiador Teodoreto relata que, uma vez atingido pela flecha, o imperador apóstata levou a mão à ferida, recolheu do próprio sangue que jorrava aos borbotões e o lançou ao céu, gritando para Jesus Cristo:

“Tu venceste, Galileu!”

Juliano foi, de fato, o último imperador pagão de Roma. Ele morreu aos 32 anos, sem filhos, depois de apenas 20 meses à frente do Império que tentara descristianizar.

Selecione como você gostaria de compartilhar.

Compartilhar
* O crédito para artigos compartilhados será fornecido somente quando o destinatário do seu artigo compartilhado clicar no URL de referência exclusivo.
Clique aqui para mais informações sobre o Sorteio da Aleteia de uma Peregrinação a Roma

Para participar do Sorteio, você precisa aceitar os Termos a seguir


Ler os Termos e Condições