Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

You are hereBem-vindo Atualidade Dinamarquês é condenado por mutilar mulheres na África do Sul

Compartilhar

Um dinamarquês acusado de mutilar várias mulheres na África do Sul e de conservar seus órgãos genitais em um congelador foi condenado nesta quinta-feira (15) à prisão perpétua por estupro a menor e assassinato.

Em novembro, Peter Frederiksen, de 65 anos, foi considerado culpado de 36 acusações pelo tribunal de Bloemfontein (centro), entre elas posse de imagens de pornografia infantil, estupro a menor e assassinato com premeditação.

Nesta quinta-feira foi condenado a duas penas de prisão perpétua: a primeira por estupro e a segunda pelo assassinato de sua esposa.

A esposa de Peter Frederiksen, Anna Matseliso Molise, que ia ser testemunha no caso, foi abatida a tiros em outubro de 2015 em Lesoto.

Após a sentença, Frederiksen, que tinha se declarado não culpado, pediu perdão à família de sua esposa em Lesoto, assim como à sua família na Dinamarca e na África do Sul.

Ele foi detido em sua casa de Bloemfontein em setembro de 2015 após uma denúncia de sua mulher.

A polícia encontrou então em sua casa pedaços de clitóris conservados em um congelador. Outros restos de órgão genitais femininos estavam secando em um gancho, e havia carne humana de molho em garrafas.

O tribunal abandonou 20 acusações ligadas à mutilação por considerar que a lei não definia especificamente as sanções aplicáveis para tais delitos.

(AFP)