Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Outubro |
Beato Domingos Collins
home iconAtualidade
line break icon

Cronologia da ofensiva turca contra os curdos no norte da Síria

SYRIA AFRIN

Ahmad Shafie BILAL I AFP

Agências de Notícias - publicado em 18/03/18

O Exército turco conduz desde 20 de janeiro uma ofensiva no norte da Síria contra uma milícia curda, as Unidades de Proteção do Povo (YPG), consideradas como “terroristas” pela Turquia, mas aliadas dos Estados Unidos na luta contra os extremistas islâmicos.

A ofensiva foi lançada depois que a coalizão internacional liderada por Washington anunciou a criação de uma “força da fronteira” composta principalmente de combatentes curdos, um projeto que irritou Ancara.

Veja a cronologia da operação turca:

– Ramo de oliveira –

Em 20 de janeiro, a Turquia lança uma ofensiva terrestre e aérea chamada ‘Ramo de Oliveira’ contra as YPG na região de Afrin.

Ancara considera essa milícia como sendo a facção síria do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), contra quem trava uma guerra no sudeste da Turquia há mais de 30 anos.

Damasco condena “a brutal agressão da Turquia”, enquanto a Rússia se declara “preocupada”.

A milícia curda declara que “considerará a Rússia responsável por esses ataques no mesmo nível que a Turquia”.

– “Legítimas” –

Em 21 de janeiro, tanques e militares turcos entram na região de Afrin. O primeiro-ministro turco diz que o objetivo é estabelecer uma “zona de segurança” de 30 km a partir da fronteira.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos solicita “moderação” da Turquia. Mas o secretário de Defesa, Jim Mattis, diz que Ancara alertou Washington antes de iniciar sua operação e acredita que as preocupações da Turquia com sua segurança são “legítimas”.

– Acordo com a Rússia –

“A questão de Afrin será resolvida, não haverá volta […] Falamos com nossos amigos russos, temos um acordo”, declara o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

As Forças Democráticas Sírias (FDS), uma coalizão curdo-árabe composta principalmente de membros das YPG, pede à coalizão internacional que “assuma suas responsabilidades”.

Em 23 de janeiro, as autoridades curdas pedem uma “mobilização geral”.

Há confrontos entre as forças turcas e combatentes curdos, com ataques aéreos de Ancara.

– Rusgas entre Washington e Ancara –

O presidente dos EUA, Donald Trump, “exorta a Turquia a reduzir e limitar as ações militares” e pede ao seu homólogo turco para evitar “ações que possam gerar conflitos entre forças turcas e americanas”, de acordo com a Casa Branca.

Em 25 de janeiro, fontes oficiais turcas contestam esta versão: “O presidente Trump não expressou preocupação com uma escalada de violência” em Afrin.

No dia 26, Erdogan ameaça expandir a ofensiva: “Vamos limpar Manbij dos terroristas […]”. Um dia depois, a Turquia pede aos Estados Unidos que retirem seus militares implantados em Manbij, outra cidade no norte da Síria.

Em 16 de fevereiro, os Estados Unidos e a Turquia concordam em trabalhar “juntos” na busca de uma solução para Manbij “como uma prioridade”.

– Exército turco entra em Afrin –

Nos dias 20 e 21 de fevereiro, as forças leais ao regime sírio são implantadas no enclave curdo.

A Turquia afirma que qualquer grupo que ajudar as YPG será considerado um “alvo legítimo”.

No dia 26, mobiliza unidades das forças especiais da polícia.

Em 8 de março, as forças turcas e os grupos rebeldes pró-Ancara assumem o controle da cidade de Khandairis.

Uma vez Afrin “limpa dos terroristas, também limparemos Manbij, Ain al Arab [nome árabe de Kobane], Tal Abyad, Ras al Ain e Qamichli”, declara o presidente turco.

Afrin é cercada, exceto por um corredor usado por civis para fugir.

De acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), mais de 200 mil civis fugiram da cidade entre 14 e 17 de março.

Neste domingo, 18 de março, as forças turcas e seus aliados sírios entram em Afrin.

Mais de 1.500 combatentes curdos foram mortos em dois meses de ofensiva, de acordo com o OSDH.

O presidente turco afirma que os combatentes sírios apoiados por Ankcra têm controle “total” da cidade de Afrin.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Brasileira Simone Barreto Silva é vítima de ataque terrorista na catedral de Nice
Reportagem local
Brasileira é vítima no ataque terrorista na c...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Pe. Robson de Oliveira
Francisco Vêneto
Defesa desmente Fantástico, da TV Globo, em n...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia