Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Ordenado o primeiro padre da história da tribo indígena brasileira baniwa

pe Baniwa
Diocese de São Gabriel da Cachoeira
Compartilhe este artigo para ter a chance de ganhar uma peregrinação a Roma
Compartilhar
Compartilhei
Total de Pontos

Feito inédito é celebrado pelo povo de um dos mais isolados e extensos municípios de todo o Brasil, no coração da selva amazônica

No último sábado, 17 de março, foi ordenado o primeiro sacerdote do povo indígena baniwa (ou baníua, em grafia aportuguesada). É o pe. Geraldo Trindade Montenegro, conhecido, conforme a tradição local, também pelo nome da tribo: pe. Geraldo Baniwa. O bispo ordenante foi dom Edson Damian, da diocese amazônica de São Gabriel da Cachoeira.

Formado no Seminário Interdiocesano de Manaus, o agora sacerdote fez as suas práticas pastorais na Paróquia Nossa Senhora da Assunção, que oferece acompanhamento às comunidades do Rio Içana e Rio Ayarí, perto da fronteira com a Colômbia. Trata-se da região de origem do pe. Geraldo, nascido na comunidade de Araripirá Cachoeira.

Enfatizando que um padre deve respeitar a comunidade e não ser “aquele que decide e manda”, o novo sacerdote afirma:

“Ser padre, receber o Sacramento da Ordem, é se tornar presença de Jesus no mundo cotidiano”.

O pe. Geraldo vai assumir a paróquia da sua comunidade de nascimento, em meio aos seus parentes, e quer ser ali “presença plena de Deus“, conforme declarou no final da sua ordenação.

São Gabriel da Cachoeira fica na fronteira entre Brasil, Colômbia e Venezuela. É a diocese com a maior porcentagem de população indígena em todo o país, superando 90%. O município é um dos maiores do Brasil em extensão territorial, com 293.000 quilômetros quadrados. Vivem nele 23 povos indígenas que falam 18 línguas diferentes – e as três principais dentre elas, em um caso inédito na federação brasileira, têm status de idiomas oficiais ao lado do português: as línguas baniwa, tukano e nheengatu (a título de curiosidade cultural, o nheengatu é a versão remanescente do tupi antigo, sendo por isso também chamado, ainda que imprecisamente, de tupi moderno).

Evangelho e culturas autóctones

O anúncio do Evangelho deve responder às realidades locais, como recorda o Magistério da Igreja, e, na Amazônia, a diversidade de povos, línguas, culturas e realidades sociais aumenta os desafios pastorais. Nesse contexto, o protagonismo dos agentes locais ganha importância singular.

Os leigos e leigas, religiosas e religiosos e os padres da região, que conhecem a realidade local, têm em tese maior facilidade para se adaptar à vida das comunidades. O povo baniwa está profundamente esperançoso diante do futuro, pois seu novo padre fala a sua língua, está identificado com a sua cultura e pretende inculturar o Evangelho numa realidade que sempre fez parte da sua vida. Muitos catequistas locais consideram que ter um pároco indígena é um aspecto que reforçará decisivamente o trabalho missionário, hoje e no futuro.

Com informações do REPAM-Brasil, via Vatican News

Selecione como você gostaria de compartilhar.

Compartilhar
* O crédito para artigos compartilhados será fornecido somente quando o destinatário do seu artigo compartilhado clicar no URL de referência exclusivo.
Clique aqui para mais informações sobre o Sorteio da Aleteia de uma Peregrinação a Roma

Para participar do Sorteio, você precisa aceitar os Termos a seguir


Ler os Termos e Condições