Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

Ordenado o primeiro padre da história da tribo indígena brasileira baniwa

pe Baniwa
Diocese de São Gabriel da Cachoeira
Compartilhar

Feito inédito é celebrado pelo povo de um dos mais isolados e extensos municípios de todo o Brasil, no coração da selva amazônica

No último sábado, 17 de março, foi ordenado o primeiro sacerdote do povo indígena baniwa (ou baníua, em grafia aportuguesada). É o pe. Geraldo Trindade Montenegro, conhecido, conforme a tradição local, também pelo nome da tribo: pe. Geraldo Baniwa. O bispo ordenante foi dom Edson Damian, da diocese amazônica de São Gabriel da Cachoeira.

Formado no Seminário Interdiocesano de Manaus, o agora sacerdote fez as suas práticas pastorais na Paróquia Nossa Senhora da Assunção, que oferece acompanhamento às comunidades do Rio Içana e Rio Ayarí, perto da fronteira com a Colômbia. Trata-se da região de origem do pe. Geraldo, nascido na comunidade de Araripirá Cachoeira.

Enfatizando que um padre deve respeitar a comunidade e não ser “aquele que decide e manda”, o novo sacerdote afirma:

“Ser padre, receber o Sacramento da Ordem, é se tornar presença de Jesus no mundo cotidiano”.

O pe. Geraldo vai assumir a paróquia da sua comunidade de nascimento, em meio aos seus parentes, e quer ser ali “presença plena de Deus“, conforme declarou no final da sua ordenação.

São Gabriel da Cachoeira fica na fronteira entre Brasil, Colômbia e Venezuela. É a diocese com a maior porcentagem de população indígena em todo o país, superando 90%. O município é um dos maiores do Brasil em extensão territorial, com 293.000 quilômetros quadrados. Vivem nele 23 povos indígenas que falam 18 línguas diferentes – e as três principais dentre elas, em um caso inédito na federação brasileira, têm status de idiomas oficiais ao lado do português: as línguas baniwa, tukano e nheengatu (a título de curiosidade cultural, o nheengatu é a versão remanescente do tupi antigo, sendo por isso também chamado, ainda que imprecisamente, de tupi moderno).

Evangelho e culturas autóctones

O anúncio do Evangelho deve responder às realidades locais, como recorda o Magistério da Igreja, e, na Amazônia, a diversidade de povos, línguas, culturas e realidades sociais aumenta os desafios pastorais. Nesse contexto, o protagonismo dos agentes locais ganha importância singular.

Os leigos e leigas, religiosas e religiosos e os padres da região, que conhecem a realidade local, têm em tese maior facilidade para se adaptar à vida das comunidades. O povo baniwa está profundamente esperançoso diante do futuro, pois seu novo padre fala a sua língua, está identificado com a sua cultura e pretende inculturar o Evangelho numa realidade que sempre fez parte da sua vida. Muitos catequistas locais consideram que ter um pároco indígena é um aspecto que reforçará decisivamente o trabalho missionário, hoje e no futuro.

Com informações do REPAM-Brasil, via Vatican News

Aleteia Top 10
  1. Lidos