Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Aleteia

“Deus colocou no meu coração o desejo de contar a história de São Paulo”

Hyatt em Paulo Apóstolo de Cristo
Sony Pictures / Divulgação
Compartilhar
Comentar

Uma conversa com o diretor de “Paulo, Apóstolo de Cristo”, filme que estreia nesta sexta, 23 de março, nos EUA (e em maio no Brasil)

Nesta sexta-feira, 23 de março, estreia nos Estados Unidos o filme “Paulo, Apóstolo de Cristo”, protagonizado por James Faulkner, que interpreta São Paulo, e Jim Caviezel, como São Lucas. No Brasil, a previsão de lançamento é 3 de maio.

O jovem diretor da produção é Andrew Hyatt, que, em 2014, já tinha levado às telas a vida de Nossa Senhora no filme “Cheia de Graça”.

Em entrevista à agência católica ACI Digital, Hyatt explicou o porquê de contar no cinema a vida de São Paulo e das primeiras comunidades cristãs, brutalmente perseguidas:

“Deus colocou no meu coração o desejo de contar a história de São Paulo. Ele é alguém muito próximo de mim”.

Andrew Hyatt se converteu depois de vários anos longe da fé e da Igreja. Quem serviu como canal da graça para a sua volta a Deus foi a atriz Johanna Repsold, a mulher que, mais tarde, se tornou sua esposa.

Da admiração pelo Apóstolo Paulo e pela sua conversão, surgiu este filme que mostra os últimos momentos da vida dele, preso na prisão Mamertina de Roma à espera da execução ordenada por Nero, o imperador algoz dos cristãos.

Apresentar a história de São Paulo pela primeira vez no cinema foi para ele uma “enorme responsabilidade” pelo desafio de fazer um roteiro fiel à Bíblia, o que exigiu profunda pesquisa histórica e abertas conversas com “vários bispos católicos, pastores protestantes e rabinos judeus”. A esse respeito, Andrew Hyatt declarou ao Grupo ACI:

“Sempre confiei que Deus me ajudaria. Queríamos ter a certeza de que era um filme que contasse uma história verdadeira e confiável ao mundo. Às vezes o público fica decepcionado com os filmes sobre a Bíblia feitos em Hollywood, porque não refletem o significado da fé”.

O filme também mostra as cruéis perseguições sofridas pelas primeiras comunidades cristãs sob o império de Nero em Roma:

“Estávamos conscientes das grandes dificuldades que os cristãos dos primeiros séculos tiveram que enfrentar e, em alguns lugares do mundo, há pessoas que ainda vivem assim”.

Por decisão da equipe de direção, aliás, o filme é sensivelmente dedicado a todos os cristãos perseguidos no mundo, ontem e hoje.

Depois de “Paulo, Apóstolo de Cristo” e “Cheia de Graça”, Andrew Hyatt afirma que “Deus colocará o próximo filme diante dele”:

“Neste momento, seria muito difícil para mim fazer um filme que não tivesse um impacto emocional e humano tão grande, que não tivesse uma mensagem para contar. Eu espero que quem assista encontre um bom filme, que o encoraje e inspire. E para quem não acredita, que [o filme] o ajude a se fazer perguntas profundas, que, talvez, ele nunca teria cogitado”.

A propósito: Andrew Hyatt considera que “Paulo, Apóstolo de Cristo” não é um filme apenas para os cristãos. A mensagem é para todos.

NÃO PERCA:

Assista ao trailer do novo filme “Paulo, Apóstolo de Cristo”

filme Paulo Apóstolo de Cristo
Paulo, Apóstolo de Cristo - Divulgação

_____

A partir de matéria da ACI Digital