Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 18 Outubro |
São Lucas
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Guerras e desastres naturais deixam 124 milhões em quadro de fome aguda

POVERTY

ANAKTnk - Twitter

Agências de Notícias - publicado em 22/03/18 - atualizado em 22/03/18

As guerras e os desastres naturais provocaram o aumento dos níveis de “fome aguda” no mundo, onde 124 milhões de pessoas em 51 países precisam de ajuda urgente para não morrer – alerta um relatório elaborado pelas Nações Unidas, pela União Europeia e por outras organizações.

Trata-se de um grave aumento em relação a 2016 (com 108 milhões em 48 países), segundo o último Informe Mundial sobre crises alimentares.

O estudo adverte que a situação tende a se agravar, sobretudo, pelos conflitos em Mianmar, na Nigéria, no Iêmen e no Sudão do Sul, além da seca que castiga boa parte do continente africano.

Elaborado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), pela União Europeia e por outras organizações internacionais especializadas, o relatório define “a insegurança alimentar aguda como fome de uma severidade tal que represente uma ameaça imediata para a vida das pessoas”.

O estudo considera que as crises alimentares estão cada vez mais determinadas por causas complexas como são os conflitos, os fenômenos meteorológicos extremos e os elevados preços dos alimentos básicos – fatores estes que, com frequência, coincidem.

Assim, o documento faz um apelo aos países e organizações para que ajam “de forma simultânea para salvar vidas, meios de subsistência e abordar ao mesmo tempo as causas profundas das crises alimentares”.

– Conflitos e mudança climática –

Para os especialistas das Nações Unidas, os conflitos continuam sendo a causa principal da fome que castiga 18 países – 15 deles na África, ou no Oriente Médio -, afetando 74 milhões de pessoas.

Os desastres climáticos, em particular a seca, causaram crises alimentares em 23 países, dois terços deles da África, acrescenta o informe.

“Trata-se de crises complexas que têm consequências devastadoras e duradouras”, reforça a FAO em uma nota.

De mais de 200 páginas, o informe calcula que cerca de três milhões de latino-americanos sofrem de insegurança alimentar. A maioria reside em países como Haiti, Honduras, Nicarágua, El Salvador e algumas regiões da Venezuela.

Crianças e mulheres são os mais afetados pela falta de alimentos, e é necessário “encontrar soluções permanentes para reverter a tendência”, reconhece a FAO, cuja sede central se encontra em Roma.

– Coordenação global –

Com o objetivo de conseguir uma maior coordenação na luta contra a fome e os conflitos, as agências das Nações Unidas, assim como a União Europeia, consideram fundamental ajuda humanitária urgente e que se estabeleçam antecipadamente “iniciativas para o desenvolvimento”.

Para isso, em 2016, foi criada a “Rede Mundial contra as Crises Alimentares” com o apoio da União Europeia, da FAO e do Programa Mundial de Alimentos (PMA).

“Frente aos desastres naturais e àqueles provocados pelo homem, deveríamos dar uma resposta global mais robusta e estratégica às crises alimentares”, reconheceu o comissário europeu de Ajuda Humanitária e Gestão de Crise, Christos Stylianides.

“Devemos reconhecer e abordar o vínculo entre a fome e os conflitos, se quisermos alcançar a fome zero. Investir em segurança alimentar e meios de subsistência em situações de conflito salva vidas, fortalece a resiliência e também pode contribuir para a manutenção da paz”, afirmou o diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva.

“O informe mundial sobre crises alimentares revela a magnitude das crises atuais, mas também nos mostra que, se juntarmos a vontade política e a tecnologia de hoje em dia, podemos alcançar um mundo mais pacífico e estável e onde a fome se torne algo do passado”, comentou o diretor-executivo do PMA, David Beasley.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
2
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
3
Milagre do Sol em Fátima
Reportagem local
13 de outubro: o dia em que o mundo presenciou o Milagre do Sol e...
4
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
5
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
6
PRIEST-EUCHARIST-ELEVATION-HOST
Philip Kosloski
O que devemos rezar quando o padre eleva a hóstia e o cálice?
7
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia