Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Quando eu não posso ir ver Jesus, peço que meu anjo da guarda vá por mim

Compartilhar

Um belíssimo testemunho

Eu costumo sair com minha esposa, Vida, em busca de Jesus em diferentes sacrários. Comentaram conosco sobre um lugar maravilhoso nas Províncias Centrais do Panamá e nós nos dirigimos até lá de carro. Eu adoro surpreender Jesus. E vocês sempre me ajudam.

Neste momento, milhares de pessoas estão saudando Jesus em lugares que nem imaginamos: na África, Itália, Terra Santa ou num povoado do Equador, aonde se chega somente por um caminho muito estreito.

Mas eu queria sair em busca de Jesus.

Quando chegamos à igreja, os portões estavam fechados. Era um povoado lindo, pequeno, com poucos habitantes. A igreja foi construída ao lado de um parque, onde os moradores se reúnem à tarde, depois do trabalho.

Sugeriram que tentássemos a porta lateral. E entramos. Eu me surpreendi, pois Jesus estava tão só… E decidi gravar um vídeo (em espanhol):

Naquele momento, estávamos somente nós três: Jesus, minha esposa e eu. Aproveitei para oferecer-lhe a minha vida, minha alma, as minhas mãos, os meus olhos, pensamentos, pés e minhas palavras.

Ultimamente, não sei por qual razão, tenho sentido uma dor tão profunda quando penso em meus pecados e tudo o que eu fiz que ofendeu Jesus.

E tenho me lembrado de outra história, que eu vou contar pra vocês.

Naqueles dias, uma senhora me telefonou. Ela vai à Missa todas as manhãs e depois faz companhia a Jesus Sacramentado por, pelo menos, uma hora.

“Eu sou muito indigna”, disse ela, acrescentando: “estou diante do Rei da Criação. E eu carregada de tantos pecados. Eu o ofendi tanto em minha juventude… Não sei se Ele poderia me perdoar. Pensar nestas coisas me faz compreender o pouco que fazemos por Ele e o pouco que o amamos. Por isso, sempre vou lá ficar com ele, para consolar seu amável coração”.

“Quanta fé”, pensei. “Sem dúvida. Aquela mulher sabe que Ele está lá, frente a frente com ela, todas as manhãs”.

Ela me contou que se confessou há algum tempo.

“Garanto ao senhor que Jesus não se lembra dessas ofensas. Só pensa no quanto nós o amamos”.

Ela fez um breve silêncio e, depois, disse:

 “Sabe, senhor Castro, quando amanheço doente, imagine o senhor na minha idade… Eu não tenho forças para ir ver Jesus, adorá-lo e ficar em sua presença. Então eu envio o meu anjo da guarda. Peço a ele que vá em meu nome e que peça desculpas ao Senhor por eu não poder ir”.

Quanto amor a Jesus Sacramentado!

“Senhor, que eu te ame assim, com esse grande amor”.