Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Temer diz que ‘seria covardia’ não disputar eleição presidencial

Compartilhar

O presidente Michel Temer avalia que seria uma “covardia” não disputar a eleição para a presidência do Brasil em outubro próximo, diante da necessidade de se “mostrar o que está sendo feito” pelo governo.

Em entrevista à revista “IstoÉ” publicada nesta sexta-feira, Temer afirmou que tem “orgulho” da sua administração e estimou que “seria uma covardia não ser candidato, porque se eu tivesse feito um governo destrutivo para o país eu mesmo refletiria que não dá para continuar”.

Segundo Temer (MDB), que assumiu após o impeachment de Dilma Roussef, seu governo recuperou “um país que estava quebrado, literalmente quebrado, e me orgulho do que fiz”.

O presidente revelou que a ideia de se candidatar surgiu há “um mês e meio”, pelo medo de não haver candidatos que defendam seu governo.

“Esperávamos no início que alguém fosse o candidato do governo com essa missão de defender o governo. Mas se ninguém vai defender o governo, dar continuidade ao que fizemos no governo, eu mesmo faço”, declarou.

O presidente, que tem apenas 6% de aprovação (segundo pesquisa Datafolha), avalia que sua popularidade vai aumentar quando a população relacionar as realizações do governo à sua pessoa.

“É preciso divulgar mais o que tem sido feito. A população reconhece o que está sendo feito, mas ainda não há uma conexão com a minha figura. Preciso conectar o que foi feito, o que foi aplaudido, o que foi elogiado, à minha figura. Em todas as áreas, o que foi feito depende da minha atuação”.

(AFP)