Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Por favor, ajude-nos a manter este importante serviço. APOIE AGORA
Aleteia

Sobre o aquilo que o amor nos ensina

MAINS TENANT UN COEUR
© Shutterstock
Compartilhar

Será que a experiência do amor te ensinou a confiar ou a ter medo?

Hoje resolvi escrever sobre o amor e sobre tudo o que ele é capaz de nos proporcionar.

Muitos de nós já tivemos a oportunidade de amar alguém com todas as forças em algum momento de nossas vidas. Todos nós já fizemos o papel daquele que ama e daquele que é amado.

Vivemos ansiando pela experiência do amor. Pela experiência de amar e de ser amado. Mas o que fazer quando essa ânsia se torna prejudicial? O que fazer quando deixamos com que o outro tenha tanto efeito sobre nós?

Realizei estes questionamentos com base em experiências de pessoas que atendo e de relatos que escuto sobre o amor. Logo, comecei a perceber que o amor é capaz de nos proporcionar um pouco de tudo. Ele pode nos proporcionar a paz, mas também pode nos proporcionar um verdadeiro caos.

Ouço e vejo muitas pessoas com medo do amor, com medo da experiência incerta que ele nos proporciona quase sempre. Mas a questão é: temos medo do amor ou da experiência que ele pode nos proporcionar?

Amar exige que abramos mão de todas as nossas defesas para nos entregarmos a alguém por inteiro. Amar é despir-se de si mesmo, e confiar o que temos de mais precioso ao outro.

Quando confiamos o que temos de mais precioso ao outro e o outro não demonstra um cuidado especial, isso muitas vezes é motivo de verdadeira devastação dentro de nós.

É aí, que temos a oportunidade de experienciar outra coisa que o amor pode nos proporcionar: a dor. Um coração partido é capaz de nos fazer compreender que devemos estar totalmente dispostos a bancar com qualquer custo, pela decisão de amar.

Nunca sabemos quais serão os custos que virão pela decisão que tomamos. Talvez banquemos com coisas boas, e talvez não banquemos com coisas que, segundo nós mesmos, não são aquilo que esperávamos. O custo que vamos bancar por amar depende daquilo que o amor, naquele momento, nos proporcionar.

Quando criamos consciência disso, e nos abrimos verdadeiramente para o amor, aprendemos, crescemos e nos tornamos muito melhores do que éramos antes. Porque somente o fato de amar, por si só, já vale a pena.

Banque com a decisão – e com a dor – de amar, e o amor te proporcionará grandes aprendizados!

Tags:
Amor

Milhões de leitores em todo o mundo – incluindo milhares do Oriente Médio – contam com a Aleteia para se informar, buscar inspiração e conteúdos cristãos. Por favor, considere a possibilidade de ajudar a Edição em Árabe com um pequeno donativo.