Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Quando você sofre de solidão sua fé tem duas opções

LONELINESS
Marjan Apostolovic - Shutterstock
Compartilhar

Estou preparado para sofrer o esquecimento e o ódio injusto?

No domingo, muitos apoiavam Jesus e o aclamavam com ramos e cantos. Mas, dias mais tardes, na Quinta-feira Santa, ao cair da noite, vão deixá-lo sozinho.

Jesus experimentará, então, a absoluta solidão: “Meus Deus, por que me abandonastes?”. Ele sofre o abandono, a aniquilação. Em meio à dor de tanta solidão, encontra-se a sós com seu Pai.

E em seu coração, sente o que o profeta explica: “O Senhor Deus abriu-me o ouvido e eu não relutei, não me esquivei. Aos que me feriam, apresentei as espáduas, e as faces àqueles que me arrancavam a barba; não desviei o rosto dos ultrajes e dos escarros. Mas o Senhor Deus vem em meu auxílio: eis por que não me senti desonrado; enrijeci meu rosto como uma pedra, convicto de não ser desapontado.”

Jesus foi submetido a uma morte ignominiosa. A uma cruz dolorosa. Ao desprezo, ao abandono, ao esquecimento.

Ele tinha falado palavras cheias de sabedoria. Tinha curado doenças incuráveis. Tinha negado a si mesmo por amor. E, em contrapartida, recebeu só o esquecimento e o desprezo. “Crucifica-o”.

E a solidão de uma noite na casa de Caifás? Sua última noite. Pedro o seguiu até a casa. Depois, o negou. Sua mãe e as mulheres mantiveram-se firmes. Estavam próximas, chorando.

Os que lhe prometeram fidelidade eterna não foram capazes de se manterem firmes. Não é simples. Em meio à cruz é quando comprovo a profundidade da minha fé, sua maturidade.

Quando tudo transcorre em um ritmo cadencioso, eu nada temo. Minha fé me sustenta. Quando não entendo nada, em meio a cruzes injustas e desumanas e naqueles momentos de solidão profunda, à minha fé só restam dois caminhos. Ou cresce e amadurece em meio à prova ou se quebra para sempre e eu deixo de crer nesse Deus que me abandonou e me deixou sozinho. Ele preferiu os outros a mim.

Penso nas aniquilações que sofri. Aniquilar-se é transformar-se em nada. Deixar de ser importante. Sofrer a humilhação e o esquecimento. O desprezo e a crítica.

Estou preparado para sofrer o esquecimento e o ódio injusto? Creio que não. Nunca estou preparado. Passar do Domingo de Ramos à Sexta-feira Santa é difícil. Faz falta uma graça especial na alma. Uma força que vem do alto.