Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Mãe-filha, o vínculo mais forte, segundo a ciência

GRATITUDE
Shutterstock
Compartilhar

Um estudo interessante explica por que uma filha naturalmente confia em sua mãe

Na raiz da psicologia de adultos e crianças está o estudo dos laços familiares. Um grupo de pesquisadores americanos decidiu estudar essas relações fundamentais analisando cada membro da família – e seus laços individuais com o restante – um por um. O objetivo do estudo foi demonstrar por que e como certas patologias foram passadas dentro da família. Verificou-se que a transmissão entre mãe e filha é particularmente forte, comprovando a força dos laços que as unem.

Detalhes do estudo 

Os pesquisadores pré-selecionaram 35 famílias com boa saúde: elas não apresentavam nenhum distúrbio neurológico ou psiquiátrico, nenhuma história de uso de medicamentos ou drogas fortes e nenhuma contraindicação à ressonância magnética (RM), onde cada participante passou para que um “mapa” do cérebro pudesse ser criado.

Os resultados, obtidos pela análise das diferentes zonas reativas, bem como pela realização de testes comportamentais, foram reveladores. As análises focaram nas relações pai-filha, pai-filho, mãe-filho e mãe-filha, praticamente na mesma quantidade. O objetivo do estudo foi entender por que, e como, os transtornos de depressão e de humor pareciam ser transmitidos dentro da família, particularmente entre mãe e filha.

Alguns resultados interessantes

A pesquisa surgiu com as seguintes descobertas: mães e filhas têm anatomia idêntica na parte do cérebro que governa as emoções. Embora algumas semelhanças possam ser encontradas, é claro, entre mãe e filho, pai e filha, e pai e filho, isso é muito mais forte entre mães e filhas. Como consequência, a transmissão de um padrão emocional será muito forte entre mãe e filha, a ponto de sentirem as coisas da mesma maneira e estarem igualmente propensas às mesmas patologias.

Uma compreensão mútua reforçada

A grande notícia é que, se você é uma filha, há pelo menos uma pessoa na Terra que provavelmente será capaz de compreendê-la, já que essa semelhança na matéria cinzenta entre mãe e filha favorece a compreensão mútua. As mães são mais capazes do que qualquer outra pessoa de identificar e apreciar as emoções da filha e vice-versa. Às vezes, é por essa razão que as relações mãe-filha nem sempre são fáceis – elas são muito próximas em um nível emocional.

Obviamente, esta pesquisa abre possibilidades para novas investigações, eventualmente incluindo nos estudos pessoas com diversas patologias; eles também podem trabalhar com uma amostra maior de famílias. Enquanto isso, as descobertas poderiam explicar por que, mesmo quando adultos, escolhemos confiar em nossas mães acima de qualquer outra pessoa.

 

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.