Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que esta astrônoma católica espera que encontremos vida extraterrestre

KARIN OBERG;CATHOLIC;ASTRONOMER
Compartilhar

Karin Öberg: “Não seria muito legal falar com outra espécie que tenha um relacionamento com Deus...?”

Karin Öberg espera que haja vida inteligente em outros planetas.

Isso não é apenas porque seu trabalho como astrônoma é procurar sistemas solares que poderiam abrigar vida. É também por causa de sua fé católica. “Espero que sim”, disse Öberg em uma entrevista recente à Aleteia. “Seria tão emocionante conhecer animais racionais que não são humanos e o mesmo vale para a vida não-racional também. Mais uma vez, não sabemos, mas eu não estaria fazendo o que faço para ganhar a vida se não achasse que eles existiam”.

Öberg é um astroquímica na Universidade de Harvard, cuja pesquisa se concentra em discos protoplanetários em torno de outras estrelas e como sua composição química faz com que os planetas que se formam deles sejam hospitaleiros para a vida. Öberg falou com Aleteia depois de uma palestra sobre a ciência e teologia de outros mundos em 5 de março na Brown University, organizada pelo Thomistic Institute.

Quais são as chances de que haja outra terra com animais racionais como nós? Öberg não dirá quão provável é porque a probabilidade envolve um cálculo científico que ainda não pode ser feito. Mas seu instinto diz que sim. Sua esperança é motivada tanto por considerações profissionais quanto espirituais.

“Não seria muito legal falar com outra espécie que tenha um relacionamento com Deus, que tenha uma aparência diferente, porque ela não é influenciada por nossa história?”, disse Öberg à Aleteia. “Percebo que somos muito limitados no que podemos fazer, mas obter um segundo ponto de dados que eu acho que seria útil”.

Como cientista, Öberg pode não estar pronta para falar sobre a probabilidade de que haja vida inteligente, mas ela pode falar sobre se existem planetas que seriam propícios a isso. Aqui há mais dados. Planetas em torno de outras estrelas, tecnicamente conhecidos como exoplanetas, foram postulados em 1584 pelo monge e filósofo italiano Giordano Bruno, mas o primeiro não foi descoberto até 1995. Desde então, a existência de milhares foi verificada. Somente em 2016, os cientistas encontraram 1.284 novos exoplanetas.

Pelo menos três grandes critérios devem ser atendidos para que um exoplaneta seja hospitaleiro, segundo a Öberg. Primeiro deve ser pequeno e rochoso, como a terra. Em segundo lugar, deve ser a distância certa da estrela que está orbitando. Estar perto demais ou muito longe tornaria o planeta correspondentemente muito quente ou muito frio. Finalmente, porque é um bom solvente para os químicos orgânicos necessários, a água é essencial para a vida.

Com base nesses critérios, é certamente possível que existam mundos amigos da vida por aí. De um total de 4.034 exoplanetas, até o último verão, 50 eram semelhantes à terra e na “zona habitável” de suas estrelas, de acordo com o New Scientist. Quanto à água, embora seja única, é “uma das coisas mais comuns no espaço”, segundo Öberg.

E isso é até onde a ciência vai, deixando até agora sem resposta a grande questão sobre outra vida inteligente. “Ainda não sabemos se algum desses planetas extraterrestres é habitado ou não, mesmo pelas formas de vida mais simples. Estamos habitando um universo em parceria com a vida, que parece ter a transição de matéria não-viva para matéria viva construída em suas leis? Ou somos uma arca solitária, viajando pelo espaço e pelo tempo carregando todas as coisas vivas conosco?”, perguntou Öberg em sua palestra.

A questão é intrigante tanto do ponto de vista científico quanto teológico.

Em termos de teologia, Öberg, que se converteu ao catolicismo, disse que o cristianismo já acredita em outra vida inteligente. “Nós já conhecemos extraterrestres. Eles são chamados de anjos”, disse Öberg. Mas os anjos são seres intelectuais, não animais racionais. Os anjos não precisam de salvação, enquanto nós, seres humanos, somos animais racionais, observou Öberg. (Ela não mencionou a questão dos anjos caídos, mas São Tomás de Aquino ensinou que os demônios não são salvos porque suas livres escolhas uma vez feitas, ao contrário da nossa, são permanentes. Assim, eles persistem em sua rejeição a Deus).

Isso leva a uma grande questão teológica: “Se existem alienígenas racionais por aí, como eles são salvos? Eles são salvos?”, perguntou Öberg.

Para os cristãos, a salvação vem através da Encarnação da Segunda Pessoa da Trindade. “Parece claro ao ler o Novo Testamento que este foi um evento único para todos”, disse Öberg. Da mesma forma, Aquino argumentou que era apropriado que a Palavra assumisse a natureza humana sozinha. Mas as razões para isso – a dignidade de ter uma natureza racional e precisar de salvação – em teoria se aplicariam a outros seres racionais, observou Öberg. (Mas Öberg continua cética quanto à existência de outra encarnação).

Embora ela esteja esperando que haja animais racionais, Öberg diz que ficaria feliz com a descoberta de formas de vida muito mais humildes em outras partes do universo. “Eu ficaria empolgada com as menores bactérias”, disse Öberg à Aleteia. “Eu não preciso de muito mais do que isso”.

De qualquer forma, futuras descobertas estão destinadas a revelar mais sobre o tipo de universo em que vivemos e, indiretamente, revelam ainda mais seu Criador.