Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O que deve morrer aí dentro para que você renasça?

© Virginia CASTRO / CIRIC
Compartilhar

A vida eterna é muito melhor que esta minha vida cheia de morte...

Há algo dentro de mim que tem que morrer para que brote a vida nova. Ou para deixar espaço à vida de que nasce aqui dentro.

Ou, talvez, haja algo já morto no meu interior que tenha que ressuscitar para me dar vida nova. Não sei. Penso nisso. Faço a lista de coisas mortas que levo dentro de mim. E de cadeias que quero que se rompam, para que eu seja mais livre.

Sei que a vida que Jesus me promete custa muito mais que minha morte escura. Gosto mais da confiança cega em um Deus oculto do que dos meus medos que me atam à vida caduca. Gosto muito mais da alegria de uma promessa do que do sabor amargo da derrota que eu bebo.

Quero a vida, não a morte, Mas sei é preciso morrer para voltar a nascer. Meus medos, meus egoísmos e minhas idolatrias precisam morrer para que eu viva com liberdade, cheio de amor.

Vejo a vida que brota do peito aberto de Jesus. Ele me amou até o extremo. Vejo a fonte de vida.

 “A vida do homem não se esgota nesta terra. E, já que a alma do homem é imortal, o fim último do homem transcende esta vida terrestre e se dirige à contemplação de Deus” (Jesús Sánchez Adalid, Y de repente, Teresa).

Miro o céu, cheio de confiança. O final é um “para sempre”. Mas entre a minha morte de hoje e a vida plena ao final do caminho transcorre o meu hoje, que se abre a um futuro cheio de esperança.

Dizia Søren Kierkegaard: “A vida só pode ser compreendida olhando para trás, mas há de ser vivida olhando adiante”.

Às vezes, eu me pego olhando para trás. Ancorado no passado. Sim, isso é necessário. Mas somente para compreender a ação de Deus em minha vida. Seus desejos ocultos em minhas pegadas.

Não fico no passado, justificando minha preguiça. Não quero pensar que me meu tempo passou e não ficou nada por fazer. Não é verdade.

Não importam os anos que eu tenha. Viverei tudo o que Deus quiser. Tenho toda a minha vida pela frente para mudar o mundo.

Quero viver com a alegria pascal, olhando os anos que me faltam. Sorrindo para o futuro. Não quero me agoniar, pensando na morte. Não quero viver ancorado no que já foi ou poderia ter sido.

Vivo o presente, aberto a um futuro melhor. A vida eterna é muito melhor que esta minha vida cheia de morte.

Vivo hoje com o coração preenchido pela Páscoa, cheio de luz. Divido sorrisos e esperança. Falo da vida, não da morte. Tenho a alegria desenhada nos lábios.

O que me falta para ser feliz? Eu já tenho tudo. Jesus me dá tudo. E o que eu não tenho, não invejo. Posso ser feliz com muito pouco. Quando deixo de olhar para um horizonte que não existe. Ou para coisas que não me dão a alegria plena.

Hoje, chego ao sepulcro vazio, ao meu coração vazio. E lá já não está mais o corpo da morte. O que ressuscitou de dentro de mim?

Quero deixar lá os meus medos, meus apegos doentios, minha morte. Jesus está comigo, em meu caminho, em minha vida. Ele vive. Não me deixa sozinho, pois Ele quer que eu viva uma vida plena, com sentido.

Assim quero viver: ressuscitado. Com sua vida em meu coração. Com sua ressurreição impossível em minha morte. O reino começa a brotar em minha alma. Entre minhas mãos, sua vida.