Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Aleteia

5 prós e 10 contras da televisão para as crianças

TV
Andrey_popov - Shutterstock
Compartilhar
Comentar

A premissa fundamental que é preciso entender de uma bendita vez: crianças são imitadoras

Segundo a teoria da socialização comunitária de Erickson, é entre os 2 e os 6 anos de idade que se consolidam as preferências da criança por essa ou aquela pessoa. Além disso, a partir dos 4 a 5 anos, são estabelecidos hábitos e características emocionais mediante a imitação e a identificação, num processo em que as atitudes das pessoas ao redor são a referência, inclusive inconsciente. Mas não são só as pessoas fisicamente próximas que exercem influência sobre uma criança: a TV, observavelmente, também influencia a criação e a formação de atitudes nos pequenos desde os poucos meses de vida – e essa influência cresce com o tempo.

Crianças são imitadoras. Elas aprendem a comer, a se vestir, a usar o banheiro e a interagir com os outros mediante exemplos. A imitação não é o único mecanismo de aprendizagem, mas é o primeiro de todos e assenta as bases da aprendizagem futura.

Sabendo disso, os adultos devem discernir com responsabilidade os efeitos positivos e negativos que a televisão exerce sobre as crianças.

Efeitos negativos da TV para as crianças

É percepção comum, confirmada por estatísticas que podem ser medidas até mesmo em casa, que o conteúdo das mensagens da televisão é, no geral, marcado por uma alta quantidade de cenas de violência, competitividade agressiva, erotismo explícito ou velado, exaltação do individualismo, ênfase no materialismo e um longo etcétera de valores questionáveis. A televisão ainda ajuda a formar imagens estereotipadas a respeito de profissões e grupos étnicos, religiosos e ideológicos.

Além do mau conteúdo como tal, que é o primeiro e provavelmente o pior dos efeitos negativos, também existem outros muitos aspectos ruins na televisão que nem sempre são percebidos com suficiente clareza. Citamos a seguir 9 deles:

  1. A TV limita os estilos ativos de recreação;
  2. Diminui o tempo dedicado a brincar com outras crianças;
  3. Reduz o tempo disponível para pensar e usar a imaginação criativa;
  4. Deixa menos tempo para os esportes, a música, a arte, o lazer ao ar livre;
  5. Reduz o tempo disponível para conversar e interagir com a família e os amigos;
  6. Reprime a inclinação à leitura;
  7. Diminui o rendimento escolar quando se passa mais de 4 horas por dia diante da TV;
  8. Reduz a disposição de fazer exercícios físicos;
  9. Fomenta o desejo das posses materiais supérfluas através da publicidade.

Efeitos positivos da TV para as crianças (e para os pais)

Para que haja equilíbrio na gestão do tempo de televisão proporcionado às crianças, também é preciso considerar os benefícios que a televisão pode oferecer aos filhos, apesar da escassez de programas de qualidade:

  1. Há (alguns) programas que favorecem o aprendizado, desde que se ajude a criança a interpretar adequadamente a informação recebida;
  2. A televisão proporciona, mediante programas culturais, o conhecimento do mundo, dos diferentes países e das suas culturas;
  3. Ver TV com os filhos e comentar os conteúdos é uma oportunidade de ouro para fomentar o diálogo e a confiança das crianças para perguntarem quaisquer coisas aos pais;
  4. A consciência da necessidade de moderar e orientar os filhos no consumo de TV ajuda os pais a crescerem na própria responsabilidade e nas habilidades de comunicação e interação;
  5. Os próprios conteúdos danosos veiculados pela televisão podem (e devem) ser abordados pelos pais de modo a alertar os filhos sobre perigos que eles enfrentarão cedo ou tarde na convivência social.

_______

Adaptado deste artigo original