Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 27 Janeiro |
Santa Angela de Mérici
home iconReligião
line break icon

Que é exigido do ministro para um sacramento ser válido?

Mercy McNab Photography

Padre Bruno Roberto Rossi - publicado em 04/04/18

Hoje pretendo, com a graça de Deus, terminar a introdução aos Sacramentos. Sei que é tema difícil, mas deve ser estudado. Só amamos a Igreja, Esposa de Cristo (cf. Ef 5,25), quando melhor a conhecemos. Por isso, a importância destes artigos. Aproveite!

Sobre os ministros dos sacramentos temos a seguinte verdade de fé: Cristo é o ministro principal dos sacramentos. O ser humano (o sacerdote, na grande maioria dos casos, e o (a) leigo(a) no Matrimônio ou, de modo extraordinário, no Batismo) é secundário, pois não age por poder próprio, mas faz às vezes de Cristo.

Ora, se é o próprio Deus quem age, o sacramento não depende – por lógica – da santidade (estado de graça) nem da reta fé (ortodoxia) do ministro, que é apenas o administrador, não o dono do sacramento. Em linguagem popular, o ouro (eficácia de um sacramento), ainda que passando por mãos sujas (do ministro), chega com o mesmo valor àquele que deve recebê-lo (o fiel devidamente preparado).

No entanto, é preciso cuidado com os extremos. Os sacramentos são válidos por si, de modo a não necessitarem da fé ou da santidade do ministro, mas nem por isso o sacerdote pode ser indiferente ou levar uma vida no pecado. Ao contrário, a Igreja, mãe carinhosa, o chama – apesar das fraquezas humanas que todos temos – a viver em estado de graça a fim de também ele receber os bens espirituais decorrentes dos sacramentos que, dignamente, ministra.

Aqui surge uma pergunta básica: que é, então, exigido do ministro para um sacramento ser válido? – É preciso que ele tenha a intenção de fazer o que faz a Igreja. Por meio dessa intenção o ministro (causa instrumental nas mãos do Senhor) se une a Cristo e à Igreja. Sua ação, então, se torna sacramental, confere graça sobrenatural.

O Pe. Leo Trese, no livro A fé explicada (Quadrante), página 229-230, fala que “as disposições de quem administra o sacramento não influem no seu efeito. É uma grande desordem que um sacerdote administre um sacramento com sua alma em pecado mortal; mas isso não diminui a graça que o sacramento confere. Quem receber esse sacramento obterá a mesma quantidade de graça, independentemente de que o sacerdote seja pecador ou santo. O essencial na administração de um sacramento é ter o poder de administrá-lo, ou seja, o poder sacerdotal (exceto no Batismo e no Matrimônio); ter a intenção de administrá-lo (a intenção de fazer o que a Igreja faz); realizar as cerimônias essenciais a esse sacramento (como derramar a água e pronunciar a fórmula no Batismo). Se aquele que o recebe não põe obstáculos à graça e aquele que o administra é um sacerdote com faculdades para isso, o sacramento confere a graça sempre e infalivelmente”.

A Igreja ensina que: a) só o ser humano vivo (jamais um defunto, um anjo ou criaturas irracionais) pode receber os sacramentos; b) nem todos os seres humanos podem receber todos os sacramentos (uma mulher, por exemplo, não recebe o sacramento da Ordem); c) é preciso ter a intenção de receber os sacramentos (no caso do Batismo de crianças essa intenção é geral, não especial; daí os pais, padrinhos e/ou comunidade responderem por ela); d) para receber de modo válido um sacramento não é preciso fé nem disposições morais (a pessoa adulta, por exemplo, é validamente batizada, mas só receberá a graça correspondente ao Batismo quando eliminar os obstáculos subjetivos que o impedem, por ora, de agir); e) recebe, dignamente, os sacramentos quem tem as devidas disposições ou está moralmente bem; ou seja, no sacramento dos vivos, possui a graça santificante e no dos mortos, a verdadeira contrição e f) quem recebe os sacramentos com obstáculos morais só poderá ter, em si, a ação da graça com a remoção dos impedimentos. Tal remoção faz reviver (ou atualiza) a graça recebida, mas que estava inoperante no fiel.

No próximo artigo, começo a tratar do sacramento do Batismo. Até lá!

Padre Bruno Roberto Rossi, Paróquia São Francisco de Assis

Tags:
ReligiãoSacramentos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
2
Pe. Robson de Oliveira
Reportagem local
Processo contra pe. Robson está arquivado definitivamente, notici...
3
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
4
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da missa
5
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
6
ROSARY
Reportagem local
Exorcista alerta sobre os perigos de "falar" com os mortos
7
Jérôme Lejeune
Francisco Vêneto
Descobridor da Síndrome de Down está em processo de beatificação
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia