Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Aleteia

Vaping e cigarro eletrônico: a nova ameaça aos seus filhos na escola

VAPE PEN
Shutterstock
Compartilhar
Comentar

O "vaping", a nova maneira de fumar, chegou às escolas, e os pais precisam agir

Você já ouviu falar de vaping?

Bem, você deveria… especialmente se você tem um filho no ensino médio. Essa é a melhor idade para começar a construir suas defesas contra esse novo e difuso hábito prejudicial que é tão popular entre os adolescentes de hoje. E para você que pensa que falou o discurso do “não use drogas” tantas vezes que seus filhos estão imunes às suas influências, pense novamente.

Vaping, a “nova maneira de fumar”, onde as crianças usam um dispositivo alimentado por bateria que vaporiza produtos químicos com sabor de doces, nicotina, ou THC (o principal componente psicoativo da maconha) – ou uma mistura de todos os três – para que possa ser inalado, está em todos os lugares. E é fácil de usar… o que faz com que pareça ainda mais inofensivo para as crianças e os adolescentes. Isso está no banheiro onde seus filhos frequentam várias vezes por dia entre as aulas. Está no vestiário antes de um jogo. Está no cinema, nas casas de amigos e em passeios da escola, e pode até ser colocado no bolso da mochila do seu filho ou no estojo deles.

Os produtos de cigarro eletrônico comercializados para crianças são pequenos e muitas vezes disfarçados como uma caneta ou USB. A fabricante de cigarros eletrônicos Juul é extremamente popular entre os menores de idade por seu design elegante e discreto (tanto que sua marca se tornou sinônimo de vapingJuuling). O vapor é geralmente indetectável, sendo que ao abrir rapidamente a janela pode eliminar qualquer vestígio dos fumos tóxicos. Fabricantes de produtos e profissionais de marketing sabiam exatamente o que estavam fazendo quando projetaram esses produtos para tentar laçar a próxima geração de crianças para a nicotina e outras substâncias, apesar de suas declarações oficiais e condenação do uso de seus produtos por qualquer pessoa com menos de 18 anos.

Mas não acredite que seu filho não consiga colocar as mãos nessas coisas. Eles conseguem – e muito facilmente. Muitas vezes através de outras crianças na escola; todos na turma sabem o que são. Seus filhos provavelmente já foram apresentados a isso, na esperança de que eles possam querer comprar seus próprios aparelhos, que podem custar de US$ 30 a US$ 50 no “mercado escolar”. Os recipientes de recarga custam apenas US$ 5.

Ana Rule, professora de saúde ambiental e engenharia na Universidade Johns Hopkins e autora de um estudo sobre e-cigs e adolescentes, disse ao Business Insider:

“As pessoas que estão comercializando esses novos dispositivos alegam que seu foco principal é reduzir o risco de fumantes, e nisso eu posso concordar, pois vaping provavelmente representa uma redução no risco de fumar”.

“Mas eles não conseguem lidar com o aumento do risco para este enorme mercado que estão criando entre adolescentes e jovens adultos que nunca fumaram e nunca consideraram fumar”, acrescentou.

Enquanto algumas crianças se viciam com a injeção de nicotina ou óleo de THC (que é cerca de quatro vezes mais potente que o normal), não é apenas o aspecto de dependência com o qual você precisa se preocupar.

Há toda uma cultura perturbadora em torno do estilo “vaping”, incluindo maneiras para otimizar seu dispositivo e truques, incluindo soprar as maiores “nuvens” de vapor possíveis – há até mesmo algo chamado Vape Cloud Championship. Basta pesquisar no Google e você encontrará inúmeros vídeos com milhões e milhões de visualizações. A pressão dos colegas para usar essas coisas é enorme, e as crianças são atraídas pela “diversão” que foi criada em torno de um hábito com tantos perigos potenciais. “Todo mundo está fazendo isso”, é a mensagem que as crianças estão recebendo, “não tem problema…”.

Os fabricantes de Vape são rápidos em dizer que o vaping é uma alternativa segura ao fumo, porque não há fumaça de verdade (mas substâncias cancerígenas podem estar presentes em alguns dos cartuchos, dependendo da marca). O que eles deixam de reconhecer é que nossos pulmões foram projetados para inalar uma coisa: o ar. Qualquer outra coisa – água, produtos químicos, drogas – obviamente não é natural e é, portanto, potencialmente perigosa. Muitas receitas de vape contêm produtos químicos que foram proibidos pelo FDA (Food and Drug Administration) em produtos alimentícios, como o diaceytl, ingrediente que desde então foi proibido na pipoca de micro-ondas porque deu aos operários uma doença respiratória incurável conhecida como “pulmão de pipoca”.

Infelizmente, o vaping é novo demais para ter estudos de longo prazo mostrando os efeitos do uso. Vai levar anos até que os médicos possam produzir os dados que serão mais persuasivos do que um pai e uma mãe preocupados lendo uma lista de considerações.

Então converse com seus filhos constantemente, reze e observe-os (uma busca aleatória na mochila de vez em quando também não faz mal). Esses recursos podem ajudá-lo a se familiarizar com esse novo cenário assustador, para que você possa tomar providências se precisar:

Hidden in Plain Site (Escondido em um Local Simples). Este link mostra fotos de itens comuns do dia a dia usados ​​para o uso de drogas e vaping para você verificar no quarto do seu filho.

Surgeon General’s Tip Sheet. Este PDF para impressão é um ótimo recurso para iniciar a conversa com seus filhos se você suspeitar que eles estão usando ou pensando em experimentar.

CDC E-Cigarette Fact Sheet (Informativo sobre o E-Cigarro). O que é, o que faz, como funciona, os riscos gerais à saúde de usar esse dispositivo – que é considerado uma “preocupação de saúde pública”.

Se você está preocupado que seu filho possa estar usando vaping, um bom primeiro passo é entrar em contato com o conselheiro de abuso de substâncias da sua escola, se a escola tiver um (se não tiver, converse com a coordenação pedagógica). A menos que seu filho, ou outra criança, esteja em perigo iminente, sua conversa provavelmente será mantida em sigilo, e você poderá discutir os próximos passos para dar em relação aos seus filhos, incluindo aconselhamento e intervenção. Como o próprio ato de fumar, o vaping pode ser uma porta de entrada que leva a comportamentos e substâncias mais perigosas.