Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Desvendado o “mistério” da morte do seminarista que acolitou o Papa na Páscoa

Anthony Freeman
Flickr Legionários de Cristo
Compartilhar

Antes do laudo das autoridades italianas, houve especulações "policialescas" em torno ao repentino e surpreendente falecimento do jovem religioso

O irmão Anthony Freeman, da congregação dos Legionários de Cristo, faleceu horas depois de ser acólito da Missa de Páscoa deste dia 1º de abril, presidida pelo Papa Francisco no Vaticano. Além da graça de acolitar o Papa, o religioso também se preparava para receber a ordenação diaconal no próximo dia 7 de julho, nos Estados Unidos, seu país de origem.

A história do surpreendente e repentino falecimento do religioso em meio a circunstâncias espiritualmente tão ricas provocou comoção internacional.

Mas não foi só a comoção o que se espalhou pela mídia: também houve espaço para especulações em torno à causa da morte, com matérias em diversos sites noticiosos questionando o fato de o corpo só ter sido encontrado várias horas depois do falecimento.

Falecimento repentino

O irmão Anthony havia participado da Celebração Eucarística de Páscoa, presidida pelo Papa Francisco, na função de cruciferário, ou seja, como o acólito que leva a cruz, ao lado de outros dois religiosos da mesma congregação, os irmãos Christopher Gronotte e Joseph Ory.

A imagem pode conter: 2 pessoas

Anthony faleceu na mesma noite, mas foi somente na tarde seguinte, por volta das 16h pelo horário italiano, que um superior foi até o seu quarto para verificar o motivo da sua ausência, encontrando-o morto, ainda de pijama.

Autoridades italianas foram acionadas pelos superiores da comunidade, o que chamou a atenção da mídia principalmente na Itália e nos Estados Unidos.

Por que a comunidade demorou tanto para perceber a ausência do religioso?

A resposta foi fornecida pela congregação. Em 2 de abril, a maior parte dos seminaristas e sacerdotes legionários do colégio de Roma havia se dirigido aos arredores de Sorrento, no sul da Itália, para um passeio especial por ocasião da Páscoa, conforme é tradição na congregação.

O irmão Anthony havia pedido permissão, previamente, para ir a Sorrento de trem a fim de visitar pessoas na cidade antes de se reunir com a comunidade. O combinado era que, de Sorrento, ele telefonaria ao superior responsável pela organização do passeio para confirmar se precisaria que alguém fosse buscá-lo.

Na manhã do dia 2, segunda-feira, a ausência de Anthony entre os religiosos que se preparavam para o passeio não despertou preocupações porque já era sabido que ele tomaria o trem à parte do grupo. A estranheza veio mais tarde, quando outro irmão telefonou para Anthony a fim de organizar de que forma ele se reuniria à comunidade: as ligações não estavam sendo atendidas. Foi então que o superior do seminário em Roma foi avisado sobre a falta de respostas do irmão Anthony. Era entre 16h e 16h30. Quando o superior do colégio foi até o quarto do religioso, encontrou-o morto.

O que provocou o falecimento do irmão Anthony?

Após aguardar o laudo emitido pelas autoridades italianas, a congregação dos Legionários de Cristo divulgou nota informando que Anthony Freeman

“morreu na noite do dia 1º de abril, aos 29 anos, no Colégio Internacional dos Legionários de Cristo, em Roma. Sua morte ocorreu devido a uma cardiomiopatia dilatada, segundo o resultado do exame médico informado à congregação na manhã de hoje” (sexta-feira, 6 de abril).

A cardiomiopatia dilatada se caracteriza pela hipertrofia e dilatação progressiva do coração, diminuindo a sua capacidade de bombear o sangue.

O texto dos legionários acrescenta:

“Assim que foi divulgada a notícia da sua morte, os superiores do irmão Anthony entraram em contato com os seus familiares para informá-los da triste notícia e acompanhá-los nesse momento doloroso. Alguns legionários visitaram os pais do irmão Anthony em sua casa, para acompanhá-los nessa hora difícil”.

Quem era o irmão Anthony

Anthony Freeman nasceu em Houma, no Estado norte-americano da Louisiana, em 1988, e entrou no noviciado dos legionários em Connecticut no ano de 2005. Fez a primeira profissão dos votos religiosos em 2 de setembro de 2007, passando a estudar humanidades clássicas em Salamanca, Espanha, e filosofia em Nova Iorque. Prosseguiu os estudos de teologia no Pontifício Ateneu Regina Apostolorum, em Roma, de propriedade dos legionários, e continuou desde então a viver no colégio da congregação nessa mesma cidade. Em 10 de agosto de 2013 fez a profissão perpétua dos votos de pobreza, castidade e obediência e, em 26 de fevereiro de 2017, recebeu o ministério do acolitado, já em preparação para a ordenação diaconal.

O religioso é autor do livro “One Step Closer: 40 Doses of Motivation, Hacks, and Experiences to Share with Millennial Catholics” (em livre tradução do título: “Um passo mais perto: 40 doses de motivação, dicas e experiências para compartilhar com os jovens católicos de hoje”).

Anthony também mantinha o site branthonyfreeman.com, que oferecia conteúdos e programas formativos que ele definia como “Catholic Life Coaching(“coaching” em vida católica). Esses mesmos conteúdos eram divulgados via Facebook e Instagram, redes sociais nas quais o religioso mantinha presença ativa.

A última mensagem

Foi por meio do Instagram, aliás, que, horas antes de falecer, o próprio irmão Anthony contou a experiência de ter sido acólito do Papa Francisco em pleno Domingo da Ressurreição:

Anthony Freeman
Anthony Freeman / Instagram

“Cristo ressuscitou, aleluia!

Depois de um retiro espiritual de 8 dias, eu tive a bênção de estar com o Papa Francisco e acolitá-lo na missa da Páscoa!

Muito obrigado pelas suas orações durante o meu retiro. Literalmente, esta última semana de intenso silêncio, sem falar nas últimas 48 horas, foi de momentos muito especiais com Deus e também com os outros. A alegria, a tristeza e a esperança da vida são às vezes condensadas em breves momentos; este foi um deles para mim, e, espiritualmente, este momento da Paixão e Ressurreição de nosso Senhor é o que dá a esses momentos o seu pleno significado e expressão. Bênçãos pascais!”

Descanse na paz de Cristo, irmão Anthony.