Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconAtualidade
line break icon

Presidente chinês promete abertura diante do risco de guerra comercial

CHINESE PRESIDENT XI JINPING

By Kaliva | Shutterstock

Agências de Notícias - publicado em 10/04/18

O presidente chinês Xi Jinping prometeu nesta terça-feira que reduzirá este ano as tarifas para os carros, entre outras medidas destinadas a abrir a economia do país, em uma resposta indireta a uma das principais críticas dos Estados Unidos na disputa comercial entre as duas potências.

“A China vai entrar em uma nova fase de abertura”, declarou Xi em discurso para altos dirigentes internacionais reunidos no Fórum de Boao para a Ásia, uma conferência conhecida como o “Davos chinês”.

“A China não está tentando obter um excedente comercial”, garantiu Xi, no momento em que os Estados Unidos acumulam um imenso déficit com o gigante asiático, que totalizou 375 bilhões de dólares em 2017, um dos principais motivos de queixa do presidente americano, Donald Trump, a respeito de Pequim.

Depois que Donald Trump ameaçou adotar tarifas de importação sobre produtos chineses no valor de 150 bilhões de dólares, Xi se comprometeu a abrir o mercado chinês, aumentar as importações e proteger os direitos de propriedade intelectual.

“A globalização econômica é uma tendência irreversível no momento”, declarou Xi no fórum.

“A porta da China está se abrindo e não se fechando, e se abrirá mais e mais”, acrescentou, antes de anunciar uma redução significativa das tarifas para os carros este ano e novas medidas para proteger a propriedade intelectual.

Xi anunciou as mudanças em uma das áreas mais citadas nas reivindicações do presidente americano.

“Quando um carro é enviado para os Estados Unidos a partir da China, há uma tarifa que deve ser paga de 2 1/2%. Quando um carro é enviado para a China a partir dos Estados Unidos, a tarifa a ser paga é de 25%”, escreveu Trump no Twitter na segunda-feira.

Trump também voltou a criticar os acordos comerciais dos Estados Unidos, que chamou de “horríveis”, e disse que o país “sairá mais forte” ao final das negociações.

O presidente americano acusa Pequim de práticas comerciais desleais, especialmente de “roubo de propriedade intelectual” e pela “transferência forçada de tecnologia”, que resultaram no colossal déficit comercial, acusações rejeitadas por Pequim.

Também nesta terça-feira, a China denunciou os Estados Unidos à Organização Mundial do Comércio (OMC) pela decisão do governo Trump de adotar tarifas às importações de aço e alumínio chineses, segundo um documento publicado pelo próprio organismo.

Na denúncia, apresentada em 5 de abril, as autoridades de Pequim solicitam de modo concreto “a abertura de consultas com o governo dos Estados Unidos sobre algumas medidas contra os produtos de aço e alumínio”.

As consultas são a primeira etapa no processo de resolução de divergências que OMC estabelece, algo que pode demorar anos.

– Flexibilizar as restrições –

Sem responder diretamente a Trump, Xi prometeu que a China reduziria as tarifas para os carros e outros bens, sem apresentar detalhas ou revelar uma data para a entrada em vigor da reforma.

As restrições de Pequim para os investimentos estrangeiros no setor automobilístico obrigam as empresas a formar associações com grupos locais e a compartilhar sua tecnologia.

Elon Musk, presidente da fabricante de carros elétricos Tesla, pediu a ajuda de Trump para resolver a questão ao citar os problemas que sua empresa enfrenta para produzir na China.

Xi prometeu “flexibilizar rapidamente as restrições para a participação estrangeira, especialmente as restrições para os investimentos estrangeiros na indústria do automóvel”.

O presidente chinês também prometeu medidas específicas para proteger a propriedade intelectual.

“Este ano, vamos reorganizar a Agência Estatal de Propriedade Intelectual para fortalecer a aplicação da lei”, afirmou.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia