Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A mulher que já cozinhou para 2 papas

LIDIA BASTIANICH
Lidia Bastianich cozinhou para Bento XVI e Francisco
Compartilhar

Poucos chefs tiveram este privilégio (e esta responsabilidade)

Lidia Bastianich é uma famosa chef italiana que teve a oportunidade de cozinhar para Bento XVI e o Papa Francisco nas suas visitas aos Estados Unidos em abril de 2008 e setembro de 2015, respectivamente.

Bastianich, que se declara católica e devota da Virgem Maria, indicou à CNA – agência em inglês do Grupo ACI – que as duas experiências foram “extraordinárias”.

Antes de cada viagem apostólica, são escolhidas as equipes de cozinheiros e camareiros no país anfitrião. Além disso, a Santa Sé deve aprovar a proposta do cardápio.

Bento XVI

“Quando me pediram para que cozinhasse para o Papa Bento XVI, não podia acreditar que isso estivesse acontecendo. Lembro que eu ri e disse: ‘Claro Monsenhor, eu adoraria, mas é sério?’

A também apresentadora de programas de culinária na televisão e autora de mais de dez livros de receitas, explicou que, enquanto decidia o cardápio para Bento XVI, ficou sabendo que a mãe do Papa alemão havia sido cozinheira. Por isso, quis evocar “algumas boas recordações culinárias”.

Pediram para que ela preparasse os jantares para dois dias: o primeiro jantar era para o Pontífice e 50 cardeais e bispos, e o segundo era mais íntimo, para celebrar os 80 anos de Bento XVI.

No primeiro jantar, a entrada era uma salada de feijão com queijo ricota preparado com leite de cabra, cebolas em conserva e amêndoas torradas; em seguida serviram ravióli com queijo pecorino e pêras, risoto com urtigas, feijão, peixe assado com batatas e salada de alface. A sobremesa era um strudel de maçã com sorvete de baunilha e mel.

Para o jantar de aniversário e o terceiro aniversário do pontificado de Bento XVI, Bastianich e a sua equipe preparam de sobremesa uma torta de damasco e queijo ricota, e uma torta de chocolate e avelãs com a frase “Tu es Petrus”.

Bento XVI disse a Bastianich que a comida “estava muito boa. São os sabores da minha mãe”. Estas palavras deixaram a chef feliz, pois ela “queria fazer com que ele se sentisse em casa”.

Outro momento especial foi o convite do Papa Ratzinger para que ela e a sua equipe o acompanhassem a escutar um dos diplomatas a tocar violino.

Papa Francisco

Em 2015, quando soube que iria cozinhar para o Papa Francisco, Bastianich propôs ao Vaticano um cardápio argentino com muita carne, mas foi rechaçado, pois a comida deveria ser leve, devido à saúde do Pontífice.

Deste modo, Bastianich propôs pratos que recordassem a ascendência italiana de Francisco. No primeiro jantar em Nova York, ela preparou tomates com queijo burrata artesanal e lagosta cozida no vapor; sopa de capão com ravióli ‘Grana Padano’, medalhões de carne com milho e tomate fresco. A sobremesa foi um sorvete de uva com um bolo chamado “bolo de anjo”.

Bastianich e a sua equipe também prepararam o café da manhã do Santo Padre, com suco de laranja, chá e torrada. Além disso, à noite tinham que deixar um copo d’água e uma banana na sua mesa de cabeceira.

Uma das lembranças mais valiosas de Bastianich foi a visita surpresa de Francisco depois do almoço na sexta-feira, 25 de setembro.

Ela e a sua equipe estavam na cozinha tomando café enquanto o Pontífice descansava. Então, ouviram que os responsáveis pela segurança do Santo Padre corriam e gritavam: “Papa, Papa!”.

“De repente, o vimos (o Papa Francisco) entrar na cozinha. Ele olhou para nós e disse: ‘Posso tomar um café, por favor?’. Tomou um pouco de café e conversou com cada um de nós. Ele permaneceu durante cerca de 20 minutos conosco, naquela cozinha simples, e nós estávamos vestidos com as nossas roupas de chef. Foi muito especial, maravilhoso”, contou.

Bastianich recordou que antes de ir embora, o Papa “colocou a mão no bolso e entregou um terço para cada um, e disse: ‘rezem por mim’. Foi extraordinário”.

(ACI Digital)