Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Depressão entre jovens: preconceito e tratamento

Por Voyagerix/Shutterstock
Compartilhe este artigo para ter a chance de ganhar uma peregrinação a Roma
Compartilhar
Compartilhei
Total de Pontos

Alerta: a depressão é a segunda causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos

Segundo recente estudo* da Organização Mundial da Saúde (OMS),

– cerca de 15% dos brasileiros sofrem com distúrbios depressivos e de ansiedade;– cerca de 16% dos jovens no mundo, entre 15 e 29 anos, sofrem com distúrbios depressivos e de ansiedade;

– a depressão leva à morte: é a segunda principal causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos.

Conversamos com a psicóloga Kelly Cabrera que alertou sobre o perigo do preconceito e da confusão entre tristeza e a depressão:

Preconceito

O preconceito derivado da desinformação e do desconhecimento faz, muitas vezes, com que o diagnóstico da doença seja adiado, bem como o seu tratamento. Isso ocorre também porque a pessoa, geralmente, não se reconhece com esse quadro, ou seja, geralmente quem percebe o deprimido é um parente ou amigo próximo.

Outra questão muito forte é o preconceito difundido em relação a essa doença. Pessoas deprimidas escutam afirmações como: “Isso é frescura! Sua vida é ótima, você não tem problemas para estar assim!” Ou pior, qualificar silenciosamente a depressão como uma demonstração de fraqueza do deprimido.

E com todas essas questões, o indivíduo se inibe em buscar ajuda e muitas vezes nem sabe onde procurar auxílio profissional. A impotência diante dessa doença é tão grande que a pessoa não tem energia ou vontade sequer para realizar tarefas diárias simples como tomar banho, sair para o trabalho, quanto mais para buscar ajuda.

Tristeza é diferente de depressão!

A tristeza tem um motivo, por exemplo: uma perda, frustração, decepção amorosa, entre outros. E principalmente a tristeza com o tempo vai diminuindo e se dissipando, e o entristecido retoma as forças para seguir sua vida.

Já a depressão não tem motivo aparente, é um profundo sentimento de vazio e falta de sentido na vida. Na depressão, a pessoa tende a se isolar, e, perder o interesse por tudo. O que em uma tristeza não ocorre, pois são apenas momentos curtos não interferindo nos gostos pessoais, não gerando uma perda de interesse.

Exemplificando: se é só tristeza, geralmente um hobbie tende a animar a pessoa, e, tirá-la deste estado; na depressão, este hobbie perde totalmente a graça ou o sentido.

Portanto, fique atento se essa tristeza que você está sentindo, vai se intensificando e se prolongando cada vez mais conforme passa o tempo. Se esse for o caso, pode ser um quadro de depressão. Esse é o momento de procurar ajuda e o ideal é buscar o profissional adequado: o psiquiatra e o psicólogo.

*Depression and Other Common Mental Disorders, World Health Organization, 2017

(Jovens de Maria)

 

Selecione como você gostaria de compartilhar.

Compartilhar
* O crédito para artigos compartilhados será fornecido somente quando o destinatário do seu artigo compartilhado clicar no URL de referência exclusivo.
Clique aqui para mais informações sobre o Sorteio da Aleteia de uma Peregrinação a Roma

Para participar do Sorteio, você precisa aceitar os Termos a seguir


Ler os Termos e Condições