Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Religião

Quando um Papa admite que errou: cadê a infalibilidade?

Papa Francisco exercicios espirituais 2018

Vatican News

Reportagem local - publicado em 13/04/18

Francisco, nesta semana: "Cometi graves equívocos de avaliação". Mas, afinal, o que é (e o que não é) a infalibilidade papal?

Nesta semana, o Papa Francisco enviou uma carta aos bispos chilenos afirmando que errou no caso do padre pedófilo Fernando Karadima, cujas vítimas também acusaram um bispo, dom Juan Barros, de acobertar o criminoso. Por não ter recebido informações completas sobre o caso no tocante ao bispo, o Papa não tinha em mãos as objetivas evidências sobre a conivência de dom Barros. O Vaticano já tinha condenado inapelavelmente o padre pedófilo, mas não se sabia, com a real clareza, até que ponto eram verdadeiras as acusações de acobertamento por parte do bispo de Osorno. Até que o Papa nomeou um emissário para ouvir as vítimas pessoalmente. Saiba mais sobre o caso neste artigo.

Após receber o relatório de seu emissário, Francisco declarou:

“No que diz respeito a mim, reconheço e quero que vocês transmitam com fidelidade que cometi graves equívocos de avaliação e percepção da situação, especialmente devido a uma falta de informação verdadeira e equilibrada. Por isso, peço perdão a todas as pessoas que ofendi e espero poder fazê-lo pessoalmente, nas próximas semanas, nas reuniões que terei com representantes das pessoas entrevistadas”.
Papa Francisco caso Barros
Sobreposição em foto de FERNANDO LAVOZ / NurPhoto

Mas o Papa não é infalível?

A infalibilidade papal é um dos conceitos que com mais frequência são mal compreendidos por muita gente – inclusive por católicos. Afinal, em que ela consiste e quando se aplica?

O que diz o Catecismo

A infalibilidade exerce-se quando o Romano Pontífice, em virtude da sua autoridade de supremo Pastor da Igreja, ou o Colégio Episcopal, em comunhão com o Papa, sobretudo reunido num Concílio Ecumênico, proclamam com um ato definitivo uma doutrina respeitante à fé ou à moral, e também quando o Papa e os Bispos, no seu Magistério ordinário, concordam ao propor uma doutrina como definitiva. A tais ensinamentos cada fiel deve aderir com o obséquio da fé” (Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, 185).
Para manter a Igreja na pureza da fé transmitida pelos Apóstolos, Cristo quis conferir à sua Igreja uma participação na sua própria infalibilidade, Ele que é a Verdade. Pelo «sentido sobrenatural da fé», o povo de Deus «adere de modo indefectível à fé», sob a conduta do Magistério vivo da Igreja” (Catecismo da Igreja Católica, 889).
«Desta infalibilidade goza o pontífice romano, chefe do colégio episcopal, por força do seu ofício, quando, na qualidade de pastor e doutor supremo de todos os fiéis, e encarregado de confirmar na fé os seus irmãos, proclama, por um ato definitivo, um ponto de doutrina respeitante à fé ou aos costumes […]. A infalibilidade prometida à Igreja reside também no corpo dos bispos, quando exerce o seu Magistério supremo em união com o sucessor de Pedro», sobretudo num concílio ecumênico (425) Quando, pelo seu Magistério supremo, a Igreja propõe alguma coisa «para crer como sendo revelada por Deus» (426) como doutrina de Cristo, «deve-se aderir na obediência da fé a tais definições» (427). Esta infalibilidade abarca tudo quanto abarca o depósito da Revelação divina” (Catecismo da Igreja Católica, 891).

Comentários de um especialista

O pe. Ramiro Pellitero, professor de teologia na Universidade de Navarra, Espanha, é especialista em eclesiologia e teologia pastoral e membro da Catholic Theological Society of America. Em 2017, ele conversou com Aleteia precisamente sobre o conceito da infalibilidade papal:

Aleteia: Tudo o que um papa diz é infalível?Pe. Ramiro: É claro que não. Primeiramente, infalível, em termos absolutos, só Deus é. A Igreja participa da infalibilidade divina em algumas condições, que são, segundo a tradição da própria Igreja:
  • as declarações de um concílio ecumênico presidido pelo Papa;
  • a definição “ex cathedra” de um Papa, quando proclama um novo dogma;
  • os ensinamentos dos bispos em comunhão com o Papa;
  • o que pertence à fé do povo de Deus (chamado de “senso fidei”), em comunhão com os seus pastores.
Aleteia: Passamos de uma tradição milenar de comunicação eclesial pausada e medida a uma superexposição midiática dos Papas, o que os torna cada vez mais próximos, mais “humanos” e menos “sacralizados” que em épocas passadas. No entanto, isso não significa que o Papa seja menos infalível nos seus pronunciamentos. Como podemos entender esta nova situação?Pe. Ramiro: Fora das condições de infalibilidade anteriormente comentadas, o Papa continua sendo o Bispo de Roma, sucessor de São Pedro, e todos os seus ensinamentos devem ser escutados pelos católicos com muito respeito e consideração. As afirmações papais contidas em documentos como encíclicas, exortações etc., terão maior ou menor valor doutrinal segundo a sua relação com as verdades da fé cristã. Um valor ainda diferente é o das suas afirmações em livros ou entrevistas, segundo a sua relação com doutrinas já proclamadas pela Igreja como tais. Mas, nestes casos, como já aconteceu com João Paulo II e Bento XVI, o Papa se submete à crítica, sobretudo a uma crítica saudável e construtiva, dos especialistas nas diversas matérias e inclusive de qualquer pessoa. (…) Os limites [da opinião particular] estão na revelação cristã: se algo pertence claramente à revelação e foi declarado como tal pela Igreja, cabe continuar aprofundando e desenvolvendo os seus conteúdos, mas sempre na mesma linha. (…) [O Papa propõe] um falar combinado com uma escuta, e o Papa escuta muito, para dar testemunho da tradição cristã. Dessa maneira, também aprendemos o valor do testemunho, da vida e da palavra que precisamos dar sobre a nossa fé, como cristãos; tudo isso junto com uma atenção efetiva pelos outros.
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CatecismoDoutrinaPapa Franciscopapas
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia