Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 01 Agosto |
home iconAtualidade
line break icon

Estratégia americana sobre a Síria segue confusa

US MEXICO MIGRATION BORDER

CAITLIN O'HARA / AFP

Agências de Notícias - publicado em 15/04/18 - atualizado em 15/04/18

Focada e militarmente restrita, a operação conduzida pelos Estados Unidos contra o regime de Damasco não ajuda a esclarecer a estratégia americana na Síria e não deve acabar com o impasse diplomático após sete anos de uma guerra cada vez mais complexa.

“Missão cumprida”, comemorou no sábado (14) o presidente americano Donald Trump, algumas horas depois de ter anunciado solenemente os ataques “de precisão” em resposta ao suposto ataque químico realizado em 7 de abril em Duma, na região de Ghuta Oriental.

Em Washington, destaca-se a “coalizão” que o presidente americano conseguiu formar com “dois outros membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU”, a França e o Reino Unido.

Tratou-se de “uma resposta aliada”, ressaltou uma autoridade americana que pediu para não ser identificada, “diferentemente dos Estados Unidos quem agiam sozinhos há um ano”, nos primeiros ataques ordenados por Trump depois de um precedente ataque químico.

Apesar do destaque na imprensa, a “missão” foi limitada ao máximo, após uma semana de ameaças e intensas negociações que provocaram especulações sobre a possibilidade de ataques de maior envergadura.

“Os alvos estavam estritamente relacionados à produção ou armazenamento de armas químicas”, enquanto “os meios para lançá-las não foram atingidos”, assegurou à AFP Faysal Itani, pesquisador do think tank Atlantic Council em Washington.

“Estes ataques podem enviar ao presidente sírio Bashar al-Assad a seguinte mensagem: ‘você não tem o direito de lançar ataques químicos, mas para todo resto está ok, continue'”, estima.

Os Estados Unidos disseram claramente que não têm a intenção de interferir, além desse objetivo, no conflito entre o poder sírio, apoiado pela Rússia e o Irã, e os rebeldes.

“Nossa estratégia síria não mudou”, ressaltou no sábado a embaixadora americana na ONU, Nikki Haley.

“Qual estratégia?”, pareceu questionar a maioria dos especialistas.

– Processo de paz “bloqueado” –

Ao julgar “legítimos” os ataques ocidentais, o presidente do Council Foreign Relations, Richard Haass, constatou no Twitter que “não há mudança visível na política americana em relação à Síria”.

“Os americanos não agiram para enfraquecer o regime”, assegura este respeitado ex-diplomata.

Outro ex-chefe do departamento de Estado, Nicholas Burns, defendeu “manter as forças americanas no norte da Síria” contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) e a criação de uma “coalizão diplomática americano-árabe-europeia” para “contrabalançar a influência negativa do trio Rússia-Irã-Síria”.

Oficialmente, a “estratégia” americana foi detalhada em janeiro por Rex Tillerson, então secretário de Estado de Donald Trump. Fazia menção a uma presença de longo prazo das forças americanas contra o EI, mas ressaltava dois outros objetivos colaterais: contribuir para a partida de Bashar al-Assad e contrabalançar a influência do Irã.

Funcionários do governo continuam a se referir a este discurso, mas o presidente Trump, que desde então demitiu Rex Tillerson, surpreendeu recentemente ao pedir um retorno rápido de seus militares, antes de finalmente desistir de estabelecer um cronograma de retirada sob a pressão de seus conselheiros e aliados.

Além disso, o governo americano garante que está determinado a impulsionar o processo de paz de Genebra, sob os auspícios da ONU. Embora reconheça que esteja “totalmente bloqueado”, nas palavras de uma autoridade, que culpa o regime sírio “que se recusa a participar nas discussões”, e os russos “que não querem fazer pressão suficiente” sobre Damasco.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
3
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
4
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
5
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
6
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
7
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia