Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa: doda ofensa ou ferida ou violência ao corpo do nosso próximo é uma ofensa a Deus

PAPIEŻ FRANCISZEK
AP/EAST NEWS
Compartilhar

A sacralidade do corpo e da alma foi o tema da alocução do Papa Francisco ao rezar com os fiéis na Praça S. Pedro a oração mariana do Regina Coeli.

No Evangelho do terceiro domingo de Páscoa, está a experiência do Ressuscitado feita pelos seus discípulos. “O episódio narrado pelo evangelista Lucas insiste muito no realismo da Ressurreição. De fato, não de trata de uma aparição da alma de Jesus, mas da sua real presença com o corpo ressuscitado”, disse o Pontífice.

Os Apóstolos ficam turbados com a presença de Jesus, a ponto de pensarem se tratar de um fantasma. Cristo decido comer o peixe assado para convencê-los de que é Ele. Para Francisco, a insistência de Jesus sobre a realidade da sua Ressurreição ilumina a perspectiva cristã sobre o corpo, que não é um obstáculo ou uma prisão da alma.

“O corpo foi criado por Deus e o homem não é completo se não for união de corpo e alma. Jesus, que venceu a morte e ressuscitou em corpo e alma, nos faz entender que devemos ter uma ideia positiva do nosso corpo”, explicou o Papa.

O corpo pode se tornar ocasião ou instrumento de pecado, mas o pecado não é provocado pelo corpo, mas pela fraqueza moral.

“Toda ofensa ou ferida ou violência ao corpo do nosso próximo é uma ofensa a Deus criador! O meu pensamento vai, em especial, às crianças, às mulheres e aos idosos maltratados no corpo. Na carne dessas pessoas nós encontramos o corpo de Cristo. ”

Jesus nos ensinou o amor, disse ainda Francisco, e que resgatar todos aqueles que experimentam no próprio as escravidões dos nossos tempos. O Papa então concluiu:

“Num mundo onde demasiadas vezes prevalecem a prepotência contra os mais fracos e o materialismo que sufoca o espírito, o Evangelho de hoje nos chama a ser pessoas capazes de olhar em profundidade, repletas de estupor e de grande alegria por ter encontrado o Senhor ressuscitado.”

Tags:
Papa