Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Aleteia

Veja quem são os dissidentes que mataram equipe de jornal do Equador

COLOMBIA
Compartilhar
Comentar

Os dissidentes colombianos que, segundo as autoridades, sequestraram e mataram dois jornalistas e um motorista do jornal El Comercio, do Equador, se rebelaram contra o processo de paz com as Farc e agora são 1.200 combatentes espalhados em vários grupos.

Sem um comando unificado, os dissidentes foram considerados desertores pelas já dissolvidas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

A divisão ocorreu meses antes de o agora partido de esquerda assinar, em novembro de 2016, o acordo que levou ao desarmamento de 7.000 combatentes.

“Algumas destas dissidências se mantiveram hostis não só ao acordo de paz, mas aos líderes da antiga guerrilha. Foram catalogados como traidores e em alguns casos declararam objetivo militar”, destacou à AFP o senador Iván Cepeda, que assessorou as negociações de paz de Havana.

Liderados por comandos medianos da antiga guerrilha, os dissidentes eram neste momento de 500 a 700 homens e mulheres bem armados operando principalmente em oito dos 32 departamentos (estados) da Colômbia.

Mas em um ano e meio, este exército disperso que lucra com o narcotráfico e a mineração ilegal passou a ter 1.200 combatentes, segundo o general Alberto Mejía, comandante das Forças Militares.

Na opinião de Ariel Ávila, analista da Fundação Paz e Reconciliação, os dissidentes estão distribuídos em 15 grupos, “três deles muito grandes” nos departamentos de Guaviare (sul), Meta (leste) e Nariño (fronteiriço com o Equador)”.

Por trás do sequestro e do assassinato da equipe do jornal El Comercio estão precisamente os dissidentes dirigidos por Walter Patricio Artízala Vernaza, conhecido como Guacho, de origem equatoriana, segundo a Inteligência colombiana.

“Não nos amparamos no processo de paz não porque não estivéssemos de acordo, mas porque houve uma desigualdade nos guerrilheiros médios e na tropa”, disse Guacho em entrevista à emissora de televisão RCN.

– O terror da fronteira –

Negro e magro, Guacho militou por 15 anos nas Farc.

Durante este tempo, este homem que não passa dos 35 anos se especializou em explosivos, narcotráfico e finanças, e agora se movimenta entre os dois lados da fronteira com seu grupo de 70 a 80 homens denominado “Oliver Sinisterra”.

“O grupo de Guacho é de 80 pessoas no máximo, mas conhecem o território, move-se muito na fronteira e levou com ele a base social que era das Farc, camponeses cocaleros [plantadores de coca], então é um grupo que pode crescer rapidamente”, disse Ávila à AFP.

As autoridades também o responsabilizam por vários ataques com explosivos que deixaram às escuras Tumaco, um povoado fronteiriço com 200.000 habitantes, que concentra o maior número de narcocultivos do mundo.

Do lado equatoriano seria o autor de uma ofensiva incomum contra a força pública, que deixou quatro mortos e dezenas de feridos desde o começo do ano.

Hoje, Guacho é o homem mais procurado tanto na Colômbia quanto no Equador.

Após anunciar ao seu país o assassinato da equipe de jornalistas, o presidente Lenin Moreno anunciou uma recompensa milionária para detê-lo.

“Incluímos o narcoterrorista conhecido como Guacho na lista dos mais procurados do Equador e oferecemos uma recompensa de cem mil dólares por informação que leve à sua captura no Equador ou na Colômbia”, afirmou.

Enquanto é perseguido, Guacho se financia com a droga que envia para os Estados Unidos em aliança com as máfias mexicanas através da rota do Pacífico.

O governo de Juan Manuel Santos mobilizou no começo do ano 9.000 efetivos militares para tentar recuperar Tumaco, uma zona de domicílio da antiga guerrilha e que agora é disputada por vários grupos armados.

A Colômbia é o principal plantador mundial de folha de coca, matéria-prima da cocaína, e também o maior produtor desta droga, segundo a ONU.

(AFP)