Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 28 Fevereiro |
Beato Daniel Brottier
home iconReligião
line break icon

As grandes verdades de fé a respeito do sacramento do Batismo

CHRIST,BAPTISM

Waiting For the Word | CC BY 2.0

Padre Bruno Roberto Rossi - publicado em 19/04/18

Entro, com este artigo, nas grandes verdades de fé a respeito do sacramento do Batismo. É por ele que são gerados novos filhos para Deus em Sua Igreja.

O Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, n. 252, diz que o primeiro dos sacramentos “chama-se Batismo por causa do rito central com que é celebrado: batizar significa ‘imergir’ na água. O que é batizado é imerso na morte de Cristo e ressurge com Ele como ‘nova criatura’ (2Cor 5,17). Chama-se também ‘banho da regeneração e da renovação no Espírito Santo’ (Tt 3,5) e ‘iluminação’, porque o batizado se torna ‘filho da luz’ (Ef 5,8)”.

É de fé, como já vimos, que o Batismo – assim como os outros seis sacramentos – foi instituído por Nosso Senhor (cf. Jo 3,5; Mt 28,18-20; Mc 16,15-17; Lc 15,20) e a Igreja cumpre, fielmente, desde os tempos apostólicos até hoje, essa divina instituição (cf. At 2,37-38; 8,26-40; 9,18; 10,1-48; 16,14-15; 16,29-33; 18,8).

No Batismo, a matéria é a água natural (não pode ser nenhum outro líquido: leite, vinho, perfume etc.) e a forma são as palavras do ministro: “(Nome), eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”. O Batismo, hoje, como no princípio do Cristianismo, pode ser feito de dois modos: por imersão na água ou por infusão dela (modo mais comum) sobre a cabeça da pessoa que é batizada.

Com efeito, a Didaqué, catecismo dos primeiros cristãos, do final do século I, assim escreve: “No que diz respeito ao Batismo, batizai em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, em água corrente […] Derramai três vezes água sobre a cabeça em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (7,1.3).

Falamos também do ministro do sacramento. Quero lembrar que em todos os sacramentos, Cristo é o ministro principal, em lugar de quem o ministro humano age como alguém importante, mas secundário. E aqui já entra, uma vez mais, outra verdade de fé: o ministro ordinário do Batismo é o sacerdote – de modo muito especial o pároco – designado pelo Bispo. Em caso de grave necessidade, qualquer ser humano (mesmo ateu, desde que tenha a intenção de fazer o que a Igreja faz) pode, de modo válido e lícito, batizar. Esse ser humano é, no caso, um ministro extraordinário.

Faz-se oportuno tratar do aspecto do Batismo em caso de grave necessidade devido a sua importância. O Pe. Leo Treze, no livro A Fé explicada (Quadrante), p. 247, fala: “O que se tem a fazer é extremamente simples. Basta derramar água da torneira na fronte do batizando e, ao mesmo tempo, pronunciar audivelmente (enquanto a água escorre) as palavras: ‘Eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo’”.

O mesmo padre diz que se a mulher vai dar à luz em uma maternidade católica poderá ficar tranquila, pois sua criança será, certamente, batizada em perigo de vida. No entanto, se a futura mãe vai para um hospital não católico, poderá levar a fórmula do batismo escrita em um papel. Na hora do parto (ou antes), dará o impresso ao médico (ou à enfermeira) e pedirá: “Doutor, se a vida de meu filho correr perigo, por favor, derrame um pouco de água sobre a sua cabeça e diga ao mesmo tempo essas palavras em voz alta, com a intenção de fazer o que a Igreja Católica quer fazer no batismo”.

Uma vez feito o batizado, se a criança sobreviver, o padre da paróquia na qual mora a pessoa deve ser avisado a respeito do dia e de quem ministrou o sacramento a fim de registrá-lo no Livro de Batismo da paróquia, fornecer a certidão batismal e marcar uma data para, na igreja, proceder o restante do rito sacramental.

É preciso haver um padrinho e uma madrinha (ou ao menos um deles) na hora do batizado. Se os pais já escolheram alguém, mas eles não estão presentes no hospital, valham-se de um (a) suplente, que, no momento, aceite. O mesmo serve para adultos não batizados que, em perigo de morte, queiram receber o Batismo. Até a próxima!

Padre Bruno Roberto Rossi, Paróquia São Francisco de Assis, Serra Negra- SP

Tags:
BatismoDoutrina
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KOMUNIA NA RĘKĘ
Claudio de Castro
Padre chora copiosamente diante da falta de respeito com a Eucari...
2
PRAYER
Desde la Fe
Coisas que você não deve fazer na Missa e talvez não saiba
3
RECONSTRUCTED CHRIST
Lucandrea Massaro
Assim era Jesus: o misterioso Homem do Sudário, reconstruído em 3...
4
HOLY FAMILY
Philip Kosloski
A antiga oração a São José que é “conhecida por nunca ter falhado...
5
Eucaristia
Reportagem local
Diocese afasta padre que convidou pastor para “concelebrar&...
6
PADRE PIO
Bret Thoman, OFS
O Padre Pio diz que este é um pecado difícil de Deus perdoar
7
MEXICO
Pablo Cesio
México: homem chega à própria missa de corpo presente
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia