Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Polônia recorda o 75º aniversário do levante no gueto de Varsóvia

POWSTANIE W GETCIE WARSZAWSKIM
Wikipedia | Domena publiczna
Fotografia z Raportu Stroopa. Oryginalny niemiecki podpis: „Ci bandyci stawiali zbrojny opór”.
Compartilhar

As sirenes de alarme serão ouvidas ao meio-dia e os moradores exibirão milhares de narcisos de papel pelas ruas de Varsóvia nesta quinta-feira, para recordar o aniversário de 75 anos do início do levante desesperado de judeus contra os nazistas alemães no gueto da capital polonesa ocupada.

Em 19 de abril de 1943, centenas de judeus atacaram os nazistas, preferindo a morte em combate do que nas câmaras de gás do campo de extermínio de Treblinka, leste da Polônia, para onde as forças de ocupação da Alemanha haviam enviado mais de 300.000 judeus de Varsóvia, que viviam no gueto em condições desumanas.

O presidente Andrzej Duda vai comparecer à cerimônia oficial diante do monumento em homenagem aos Heróis do Gueto, depois de visitar o grande cemitério judeu da cidade.

AFP/Arquivos / Janek SKARZYNSKINarcisos diante do monumento aos Heróis do Gueto em 19 abril de 2016

Várias associações antifascistas decidiram organizar cerimônias no antigo bairro judeu de Varsóvia, no mesmo horário do evento oficial, para expressar sua oposição ao que consideram uma “usurpação das cerimônias de aniversário pelos políticos”.

Os simpatizantes das organizações devem caminhar até o memorial de Umschlagplatz, local de saída dos trens que seguiam para o campo de Treblinka.

Durante a tarde, em uma praça do bairro, a Fundação Shalom deve inaugurar “a árvore das lágrimas”, um salgueiro cujas folhas simbolizam o choro das mães judias que foram obrigadas a separar-se de seus filhos para salvar as crianças durante o Holocausto.

Mas o símbolo mais visível para os moradores da capital polonesa serão os narcisos amarelos usados nas roupas, uma tradição recente que ganha mais adeptos a cada ano.

“Quase 2.000 voluntários distribuem este ano os narcisos de papel em Varsóvia, o dobro do ano passado”, disse à AFP Maria Mossakowska, coordenadora da iniciativa no Museu da História dos Judeus Poloneses, que teve a ideia há cinco anos.

Mais de 120.000 flores serão distribuídas durante o dia na capital polonesa.

Mais de mil instituições culturais, bibliotecas e escolas se uniram ao projeto em todo o país. As flores são distribuídas em várias cidades e algumas organizam aulas sobre a história dos judeus na Polônia.

“Escolhemos o narciso como símbolo deste acontecimento porque, durante anos, no dia do aniversário da insurreição do gueto, Marek Edelman (um dos comandantes do levante, falecido em 2009) recebia um ramo de flores enviado por uma pessoa anônima e o depositava no monumento aos Heróis do Gueto”, explica Mossakowska.

Edelman, que era cardiologista, fazia isto sozinho, à margem das cerimônias oficiais.

Por sua cor e sua forma, os narcisos amarelos recordam a estrela que os nazistas obrigavam os judeus a usar durante a Segunda Guerra Mundial.

(AFP)