Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 19 Janeiro |
Santo Arsênio de Corfú
home iconAtualidade
line break icon

Psicóloga: mulheres e homens sofrem após aborto

trauma aborto

CC

ACI Digital - publicado em 19/04/18

Profissional desmascara traumas que atingem homens e mulheres depois de escolherem acabar com a vida do seu bebê

Durante o debate parlamentar sobre o aborto na Argentina, Mariana Kappelmayer, psicóloga que se dedica ao acompanhamento pós-aborto, denunciou alguns traumas que homens e mulheres vivem depois de escolher acabar com a vida do seu filho.

ABORTION
Thiago Skárnio-(CC BY-NC-ND 2.0)

“Quando eu me aproximei desta tarefa não podia imaginar o que significaria acompanhar a dor de uma mãe ou de um pai que decidiu abortar, é contemplar a fragilidade do ser humano”, assinalou Kappelmayer em uma coluna de opinião no jornal ‘El Clarín’.

Em seu trabalho de acompanhamento pós-aborto no Projeto Esperança, Kappelmayer disse que é “testemunha de histórias cheias de dor, solidão e silêncio. É comprovar o fracasso de uma sociedade que não consegue suportar as realidades mais difíceis”.

Afirmou que investigação a nível mundial confirmam que o aborto provoca “perturbações graves” no desenvolvimento pessoal e afetivo, e advertiu a respeito da grande desinformação sobre os efeitos nestas “segundas vítimas” porque o aborto “não tem apenas uma vítima, mas duas ou mais, considerando a mãe e o pai, que também ficam feridos”.

Kappelmayer assegurou que “no mais profundo de si, nenhuma mulher quer abortar”, entretanto, ao estar submetidas a grandes pressões “ignoraram esta voz interior e acabam com a vida do seu filho, machucando a si próprias”.

“O aborto é sempre uma experiência traumática que provoca a morte intencional do outro; neste caso, a morte de um filho, e transgrede os normas naturais de funcionamento humano”, disse ele.

Em relação ao trauma pós-aborto, a psicóloga explicou que se manifesta como um “conjunto de sintomas físicos, psicológicos e espirituais, que compõem um quadro de estresse pós-traumático com características específicas”.

Consequentemente pode causar “enxaquecas, alterações do biorritmo, irritabilidade, déficit de energia, instabilidade mental, obsessões, disfunções sexuais, depressão, baixa autoestima, abuso de substâncias, culpabilidade, tristeza, e em muitos casos as pessoas perdem a vontade de viver”.

O que acontece depois do aborto é um trauma, porque “para poder acabar com a vida de um filho, primeiro é necessário desumanizá-lo, reduzi-lo a um monte de células”.

“Negar a sua existência e a sua natureza, dificulta a elaboração do luto e causa o aparecimento de mecanismos de defesa que tentam impedir o sofrimento. O dano se intensifica, quando estes mecanismos se transladam a outros vínculos, prejudicando o casal, as relações com os outros filhos e com o meio ambiente”, explicou Kappelmayer.

Nesse sentido, no Projeto ‘Esperanza’, a tarefa dos acompanhantes é “ajudar os afetados a refazer este caminho de desumanização, através de um processo de cura e restauração de todas as relações”.

“Para isso será necessário libertar a raiva e a dor que estão reprimidas, e passar pelo luto desta ‘pessoa’, não desta ‘coisa’”, sublinhou.

No processo de cura, o primeiro passo será reconhecer que com o aborto “não se perdeu a gravidez”, mas se perdeu “um filho, um neto, um sobrinho… uma pessoa que estava se desenvolvendo, que por meio da sua existência, estabeleceu uma ligação biológica e afetiva com essa mãe”.

“Somente restabelecendo esta relação, ‘reumanizando este bebê’, os pais podem conseguirão recuperar a esperança, e renovar o seu projeto de vida”, assegurou a psicóloga do Projeto Esperança.

Kappelmayer advertiu que a nível legal, as pessoas que ignorarem esta realidade “estarão colaborando na instituição da desumanização, como um modo de resolver os problemas, enfraquecendo o papel da família, e adormecendo o mais próprio do ser humano”.

________

Publicado por ACI Digital

Tags:
AbortoCultura do descarteIdeologiaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pope Audience Wednesday
Vatican News
A importância de ir à Missa aos domingo, segundo o Papa Francisco
2
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias dos EUA
3
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
4
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo com o Padre Pio
5
BLESSED CHILD
Philip Kosloski
Cubra seus filhos com a proteção de Deus através desta oração bíb...
6
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
7
Aleteia Brasil
Foi com esta oração que um brasileiro obteve o milagre da Santa M...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia