Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Do mosteiro para a sua mesa

CINNAMON
Sivaporin Suphomin - Shutterstock
Compartilhe este artigo para ter a chance de ganhar uma peregrinação a Roma
Compartilhar
Compartilhei
Compartilhamentos

Aprenda as deliciosas e tradicionais receitas das iguarias vendidas no Mosteiro de São Bento, em São Paulo

Na longa tradição da Igreja, muitos monges moldaram a humanidade em diversas áreas do conhecimento humano. Seja na agricultura, ciência, cultura, educação, música, artes, no campo teológico e filosófico, a vida monástica deixou marcas na evolução da civilização.

Também os hábitos alimentares foram grandemente influenciados pelos monges. Na vivência da oração e do trabalho diário, muitas cozinhas monásticas criaram receitas e bebidas. Um bom exemplo é do monge beneditino, Dom Pérignon que contribuiu para o desenvolvimento de uma bebida que rompeu séculos e agrada a muitos: a champanhe.

O monge beneditino do Mosteiro de São Bento de São Paulo, Dom João Baptista Barbosa Neto, em parceria com Sandra Marina Witkowski, oblata secular, acabam de lançar um livro com receitas do Mosteiro de São Bento. A publicação traz receitas tradicionais dos monges.

Simples e práticas, as receitas podem ser feitas por qualquer pessoa.

O mosteiro São Bento mantém ainda a Padaria do Mosteiro que já tem mais de 20 anos de história e vende bolos, pães, biscoitos, doces, chocolates e dois rótulos de cerveja.

A12 entrevistou Dom João Baptista que além de contar alguns detalhes da publicação, divulga uma das receitas do livro de forma exclusiva! Confira! 

A12 – A oração na vida de um monge é constante. Na hora de cozinhar ela também entra?

Dom João Baptista – Sim! A vida do monge deve ser entendida como uma constante oração. Embora seu dia a dia seja dividido entre momentos de oração e trabalho (ora et labora), ele pode exercer suas atividades também rezando. Aliás, nosso trabalho deve ser entendido também como um momento de louvor a Deus. Portanto, oração de ação de Graças.

A12 – Na longa tradição dos mosteiros, muitos monges criaram receitas e bebidas que mudaram a humanidade. Algum fato dessa trajetória te inspira?

Dom João Baptista – Na verdade, os monges tiveram um desempenho magistral nas várias áreas do conhecimento humano. O trabalho na cozinha é algo mais prático, que visa alimentar ao outro. Quem cozinha geralmente não cozinha apenas para si, mas para o outro também. No mosteiro, onde vive um grupo de pessoas, todos os trabalhos são exercidos em vista do bem da comunidade. Preocupar-se com o irmão é extremamente importante. Saber o que ele gosta, no caso da comida, também deve ser entendido como uma acolhida, desejar o seu bem. Também na recepção dos hóspedes que vêm ao mosteiro há o preceito da caridade cristã. O próprio São Bento escreve na regra que todo aquele que chega ao mosteiro seja acolhido como se fosse o próprio Cristo. Tudo isto, com toda a certeza, transformou a humanidade. Comer bem é acolhida.

COZINHANDO, MONGES
Divulgação

A12 – No livro que recentemente lançou com receitas do Mosteiro de São Bento, elas marcam também os hábitos dos próprios monges?

Dom João Baptista – É verdade. O livro não contém apenas receitas. É também um livro de história da comida. Tentamos elaborar um fio condutor histórico da comida monástica. Assim, o leitor poderá entender a causa do sucesso monástico ao longo de mais de 1500 anos, através das refeições dos monges. Começamos dos mosteiros em geral, dando grande ênfase na Idade Média e nos preceitos beneditinos, desde a Regra de São Bento, assim como a outros documentos; afunilamos o assunto abordando especificamente na história da comida no Brasil e, por fim, aprofundamos a história da comida em São Paulo, uma vez que o objetivo é informar o leitor sobre os costumes monásticos e alimentares do Mosteiro de São Bento de São Paulo. O livro traz ainda orações para antes e após as refeições do almoço e jantar para toda uma semana, podendo as pessoas utilizá-las para agradecer a Deus pelo alimento diário. Entre estas orações há sugestões de cardápio para quem desejar fazer em casa.

A12 – Cozinhar é uma forma de amar os outros? Você pode dar uma dica ou curiosidade que você traz no livro?

Dom João Baptista – Sim, cozinhar e desejar que o outro viva. Alimentar não é apenas para sustentar o corpo. Não é comer por comer. Aqui também entra o prazer. Alimentar-se bem, buscando uma alimentação saudável e de qualidade é importante. Mas a comida tem que ter sabor. Abordamos tudo isto no livro. Queremos lembrar que Deus é doce e que a vida, muitas vezes repleta de amarguras, pode ser transformada por esta doçura. Há quase que uma idolatria da sofisticação do alimento, dando grande importância a pratos extremamente técnicos e chefes de cozinhas renomados. Há até programas de televisão com competições sobre o tema. Muitas vezes, no entanto, tais pratos são frios, sem emoção, sem o tempero principal, que é o amor. Devemos lembrar que um prato simples, mas com o tempero do amor, pode ser mais saboroso que alguns em restaurantes caros e grã-finos. Devemos deixar que Deus transite entre nossas panelas. Devemos deixar que ele tempere nossa comida. Tenho certeza que tudo será mais gostoso.

Também falamos sobre os exageros alimentares, a gula. Este é um assunto complexo. O comer em excesso, pode até não ser gula, mas estar ligado a ansiedade e outros desvios psicológicos como uma forma de compensação. Lembramos também que de vez em quando, comer uma fatia daquela iguaria maravilhosa, desde que seja apenas mais um pedaço, não é pecado. Pois se desejamos comer apenas mais um pouco, é porque aquele primeiro pedaço estava mesmo divino.

O livro traz muitas curiosidades, como a importância de alimentar-se em silêncio, como fazemos no mosteiro. Toda a comunidade monástica já acomodada à mesa, alimentam-se não apenas dos pratos ali servidos. Está presente no ambiente um monge que faz uma leitura edificante, afim de que os monges possam alimentar também a sua alma.

 

Receita de pão de batata-doce ou mandioquinha 

INGREDIENTES

2 tabletes (30g) de fermento biológico fresco

1 colher (sopa) de açúcar

1 1/2 xícara de água morna

2 colheres (sopa) de óleo

1 colher (sopa) de sal

2 xícaras de batata-doce ou mandioquinha cozida e amassada

4 xícaras de farinha de trigo

Gema para pincelar

PREPARO

Em uma tigela grande, coloque o fermento e o açúcar e mexa até dissolver. Acrescente a água morna, o óleo, o sal e o purê de batata-doce ou mandioquinha e misture. Adicione metade da farinha e misture bem até incorporar tudo.

Transfira para uma superfície lisa e junte o restante da farinha. Misture bem e amasse por 10 minutos. Modele uma bola, coloque de volta na tigela e cubra com um pano. Deixe em local abrigado do vento (por exemplo, dentro do forno desligado) até a massa crescer e dobrar de volume.

Retire a massa da tigela e sove novamente por mais 5 minutos. Unte uma fôrma de pão (30 x 10 cm) com manteiga e polvilhe farinha de trigo. Coloque a massa, cubra com um pano e deixe crescer por 1 hora.

Pré-aqueça o forno por 180 °C.

Leve ao forno e asse por cerca de 1 hora.

Selecione como você gostaria de compartilhar.

Compartilhar
* O crédito para artigos compartilhados será fornecido somente quando o destinatário do seu artigo compartilhado clicar no URL de referência exclusivo.
Clique aqui para mais informações sobre o Sorteio da Aleteia de uma Peregrinação a Roma

Para participar do Sorteio, você precisa aceitar os Termos a seguir


Ler os Termos e Condições