Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

URGENTE: Aparelhos foram desligados, mas Alfie vive e respirou sozinho toda a noite

Alfie Evans
Alfie's Army Facebook
Compartilhar

A batalha pela vida prossegue hoje: se a entubação foi desconectada como a “justiça” havia decretado, o que mais impede a transferência para Roma?

A “justiça” britânica se reconfirmou chocantemente, irracionalmente e teimosamente incomovível diante de todas as argumentações lógicas a respeito dos legítimos direitos de Alfie Evans e dos seus pais, Tom e Kate, tanto no sentido de não os impedir de procurarem um diagnóstico mais objetivo em outra instituição hospitalar quanto no sentido de não atropelar a sua liberdade supostamente garantida de transferirem o próprio filho para o hospital que bem entendessem.

Negando todos os recursos e mostrando-se endurecida também diante dos extraordinários esforços diplomáticos do Vaticano e da Itália, a “justiça” britânica, revelando-se digna do totalitarismo soviético, decretou o imediato desligamento dos aparelhos que ajudavam a manter vivo o bebê de 2 anos em Liverpool.

Ontem à noite, às 22h30 de Londres (18h30 de Brasília), os aparelhos foram desconectados.

MAS…

Alfie Evans de olhos abertos
Alfie's Army

Profissionais do hospital pediátrico inglês, a cuja palavra a “justiça” do país havia praticamente atribuído caráter de revelação divina, tinham profetizado que Alfie muito provavelmente sobreviveria apenas minutos a partir do desligamento do suporte vital.

Alfie sobreviveu a noite inteira sem os aparelhos. Alfie continua vivo até agora!

Seu bravo pai, Thomas, demonstrando da altura dos seus 21 anos de idade um grau de maturidade, hombridade e firmeza com que a maioria dos médicos e juízes envolvidos nesta sanha assassina parecem jamais ter sonhado na vida, peitou mais uma vez a equipe do hospital e a proibiu de aplicar ao filho as drogas que deveriam sedá-lo. A respeito de uma delas, o Fentanyl, Tom trovejou:

“Usam isso para os condenados à morte!”

E deixou bem claro, com toda a bravura de um pai que já desafiou a tudo e a todos para defender o seu filho:

“Vocês não vão drogar o meu filho até a morte. Isto é ilegal no Reino Unido”.

Tom conseguiu. Alfie não foi drogado e, por isso mesmo, não foi morto.

Alfie está vivo e seus pais terão hoje uma enésima audiência com a “justiça” britânica às 15h30 de Londres (11h30 de Brasília). Eles vão voltar a repetir o óbvio até que aconteça o milagre do entendimento: o bebê está vivo, está respirando sem estar entubado e tem direito a pelo menos receber hidratação e oxigênio.

Será possível que até isto vai ser negado pela “justiça” britânica, esta sim doente gravíssima de ideologia do descarte?

Continuemos orando por Alfie e pelos seus pais incansáveis. Oremos pela mente e pelo coração das autoridades envolvidas. Continuemos suplicando o milagre.

*

SAIBA COMO FOI ESTA NOITE NO HOSPITAL:

Aleteia está em Liverpool para acompanhar a luta de Alfie em primeira mão

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.