Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Jornada de solidariedade na Alemanha contra nova onda de antissemitismo

27. MIĘDZYNARODOWY MARSZ ŻYWYCH
EAST NEWS
Compartilhar

O debate foi estimulado pelo avanço da extrema direita e pelas preocupações com o aumento no fluxo de refugiados

A Alemanha foi palco nesta quarta-feira (25) de ações solidárias com a comunidade judaica, depois de uma série de incidentes que reforçaram o temor de um ressurgimento do antissemitismo no país, 70 anos depois do Holocausto.

Organizou-se uma concentração sob o lema “Berlim usa kipá”, convocada pela comunidade judaica. Outras cidades, como Colônia, Potsdã, Erfurt e Madeburgo, anunciaram sua adesão ao movimento.

Para aqueles que não têm um kipá, o solidéu usado pelos judeus, o jornal berlinense TAZ publica em sua edição de hoje instruções para fazer um em casa, com um modelo em papel.

Ontem, o presidente do Conselho Central de Judeus da Alemanha, Joseph Schsuter, causou polêmica ao aconselhar os judeus a não usarem o kipá nas grandes cidades alemãs por questão de segurança.

Para a ministra da Justiça, Katarina Barley (socialdemocrata), a manifestação é um sinal importante de solidariedade.

“Os judeus não devem ter medo de mostrar que são judeus na Alemanha”, declarou hoje.

Em entrevista ao “Tagesspiegel”, o ministro das Relações Exteriores, Heiko Maas, considerou que qualquer ataque contra um judeu é um ataque contra a sociedade alemã como um todo.

Essa mobilização acontece uma semana depois de um refugiado sírio ter agredido dois jovens que usavam kipá em um bairro nobre de Berlim. Gravado e postado nas redes sociais, o incidente causou comoção em um país atormentado por seu passado nazista.

A chanceler Angela Merkel denunciou um “incidente terrível” e prometeu “reagir”.

O episódio parece ter sido a gota d’água, depois que, alguns dias antes, os rappers Kollegah e Farid Bang, autores de letras bastante polêmicas, foram agraciados com o prestigioso prêmio musical alemão ECHO de álbum de hip hop mais vendido.

O antissemitismo tem várias facetas na Alemanha, diz o TAZ, em editorial publicado hoje.

“Pode se expressar de forma amável, teórica, ou às vezes grosseira. E, às vezes, brutalmente, como na semana passada”, acrescenta, considerando que “chegou o momento” de reagir.

O debate foi estimulado pelo avanço da extrema direita e pelas preocupações com o aumento no fluxo de refugiados, sobretudo, de árabes – mais de um milhão desde 2015 na Alemanha.

O centro Simon Wiesenthal alerta que é preciso ter cuidado, porém, para não atribuir o recente aumento do antissemitismo apenas à população muçulmana, ou árabe.

(AFP)