Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconEm foco
line break icon

A doutrina do pecado original

Morburre CC

Padre Bruno Roberto Rossi - publicado em 27/04/18

Na Igreja, o sacramento do Batismo apaga o pecado original

A Congregação para a Doutrina da Fé publicou, em 22 de fevereiro de 2018, a Carta Placuit Deo (Aprouve Deus). Nela, afirma que a salvação eterna só é possível, por meio de Cristo, em Sua Igreja, cuja porta de entrada é o Batismo (cf. n. 1 e n. 12). Para bem valorizar esse sacramento, é preciso entender o pecado original (= da origem).

O Credo Niceno-Constantinopolitano – aquele mais longo que, algumas vezes, rezamos, nas Missas, e que leva esse nome por ter sido formulado nos Concílios de Niceia (325) e de Constantinopla (381) – professa: “Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso, criador do céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis”. Isso quer dizer que tudo é obra de Deus.

Pois bem, no relato bíblico, em sua linguagem própria feita catequese (cf. Gn 2-3), o que se vê, em resumo, é o seguinte: Deus criou o homem e a mulher, ou seja, seres dotados de corpo material e alma espiritual – síntese do visível e do invisível – e os colocou em um estado de harmonia e felicidade grandiosas: o paraíso.

Naquela condição, o Senhor lhes deu o dom sobrenatural (que ultrapassa as exigências da natureza humana, por isso é pura doação) da filiação divina, graça santificante que elevou nossos primeiros pais à condição de filhos muito amados Seus. Presenteou-lhes também com os dons preternaturais (que ampliam as capacidades da natureza humana) da imortalidade (cf. Gn 2,17;3,3-4.19) – nunca morreriam, mas passariam, como quê em um sono, para a eternidade –, da impassibilidade (cf. Gn 3,16) – não sofreriam mal algum –, da integridade (cf. Gn 2,25; 3,7-11) – não padeciam da concupiscência ou da tentação ao pecado – e da ciência moral infusa – que os levava a viver, sempre, segundo a vontade de Deus.

Foi, contudo, solicitada dos primeiros pais uma prova: poderiam dizer “Sim” ou “Não” àqueles grandes dons de Deus (cf. Gn 2,16-17). Ele nos fez livres e, por isso só nos salva com o nosso pleno consentimento. Ora, o ser humano, refém da tentação, representada na sugestão da serpente, disse “Não” a Deus, julgando, em sua soberba, raiz de todos os pecados (cf. Eclo 10,15), que desobedecendo ao Criador seria igual a Ele (cf. Gn 3,5). Foi um pecado singular (não uma falta qualquer) que trouxe consequências muito sérias. Adão e Eva perderam – estavam nus (cf. Gn 3,7) – todos os dons sobrenaturais e preternaturais dados por Deus. Eis o pecado original originante.

Distingue-se do pecado original originante o pecado original originado, aquele que herdamos, por transmissão, dos primeiros pais. Embora se chame pecado original (está na origem), não é uma culpa pessoal ou falha cometida livremente, mas a falta da graça santificante e dos dons preternaturais já mencionados.

Alguém poderia, aqui, acusar a Deus de injusto por nos ter privado desses dons. Tal acusação é falsa, pois os dons que não recebemos não eram da essência humana, mas como quê importantes anexos dados pelo Senhor. De modo oportuno, o Pe. Leo Treze, em sua obra A fé explicada (Quadrante), p. 40, diz o seguinte: “Se antes de eu nascer, um homem rico tivesse oferecido a meu pai um milhão de dólares em troca de um pequeno trabalho, e meu pai tivesse recusado a oferta, na verdade eu não poderia culpar o milionário pela minha pobreza. A culpa seria de meu pai, não do milionário”.

Apesar de tudo, o Pai celeste enviou Seu Filho para nos redimir (cf. Rm 5,12-21; 1Cor 15,45-49). Na Igreja, o sacramento do Batismo apaga o pecado original (e atuais, se houver, no caso de adultos) elevando-nos, de novo, pela graça santificante, à dignidade de filhos(as) de Deus. Não recebemos os dons preternaturais reforçadores da nossa natureza, mas recuperamos o mais importante: o dom da vida eterna. Daí a necessidade de se batizar, o quanto antes, as criancinhas.

– Ver: Catecismo da Igreja Católica, n. 396-403; 415-420.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
DoutrinaPecado
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia