Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa: “Liberdade cristã se contrapõe à pretensão totalitária do Estado marxista”

PAPIEŻ BENEDYKT XVI
FacetoFace/REPORTER
Compartilhar

O Papa Francisco volta a criticar o marxismo, agora no prefácio de um novo livro que reúne textos de Bento XVI sobre fé e política

O jornal italiano La Stampa divulgou neste domingo o prefácio do livro “Libertar a liberdade – Fé e política no terceiro milênio“. O livro reúne textos do Papa Emérito Bento XVI sobre fé e política. O prefácio é escrito pelo Papa Francisco, que destaca a respeito de Bento XVI: ele viveu “a experiência direta do totalitarismo nazista” e os “limites da obediência ao Estado em favor da liberdade da obediência a Deus”.

Francisco afirma:

“Ao lado de São João Paulo II, ele elabora e propõe uma visão cristã dos direitos humanos capaz de colocar em discussão, em nível prático e teórico, a pretensão totalitária do Estado marxista e da ideologia ateia sobre a qual ele se fundava”.

O Papa observa que o verdadeiro contraste entre o marxismo e o cristianismo não tem a ver com a “atenção preferencial aos pobres” ou com o “sentido de equidade e solidariedade“, mas sim com a “pretensão marxista de colocar o céu na terra“.

O texto critica os “aparentes” direitos humanos, mas que, na verdade, são “orientados para a autodestruição do homem”.

Prossegue o Papa Francisco:

“O seu denominador comum consiste numa única, grande negação: a negação da dependência do amor, a negação de que o homem seja criatura de Deus”.

O Papa declara que existe um “limite para a obediência ao Estado” como necessária defesa diante das “reduções ideológicas do poder”. Esse limite é a consciência perante Deus.

Francisco acrescenta, a respeito dos textos de seu predecessor:

[Que sejam] “fonte de inspiração para uma ação política que, ao colocar a família, a solidariedade e a equidade no centro da sua atenção e da sua programação, olhe verdadeiramente para o futuro com visão de longo prazo”.

Recentemente, o Papa Francisco foi enfático ao criticar uma das mais nefastas tentativas de “aplicar” o marxismo: o comunismo soviético, entre cujas consequências devastadoras esteve um episódio tão abominável quanto o Holocausto, porém bem menos divulgado pela mídia e pelos programas enviesados de ensino formal – o Holodomor:

Papa Francisco tocou em assunto quase proibido – e a mídia fingiu que nem ouviu