Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 03 Agosto |
São Martinho, Eremita
home iconAtualidade
line break icon

“Lei da Batida do Coração”: um golpe à ideologia e à indústria do aborto nos EUA

ecografia 12 semanas

Dr. Wolfgang Moroder / Kim Reynolds

Jaime Septién - Reportagem local - publicado em 08/05/18

Corajosa, governadora do Estado de Iowa assina projeto de lei: "É imoral deter um coração inocente"

Kim Reynolds, a governadora republicana do Estado norte-americano de Iowa, assinou na última sexta-feira, 4 de maio, a Lei da Batida do Coração Fetal (Fetal Heartbeat Bill), que proíbe abortos tão logo se comprove o batimento cardíaco do bebê.

O reconhecimento desta obviedade responde às voluntariosas imposições pseudocientíficas que tentam dar a entender que um bebê em gestação não é um ser humano vivo.

Pela nova norma, as mulheres que procuram um médico para fazer aborto em Iowa devem passar por um ultrassom a fim de determinar as batidas do coração do bebê, que, geralmente, são detectáveis a partir da sexta semana de gestação. Uma vez detectado o batimento, o aborto fica proibido. A legislação prevê exceções para gravidezes por estupro ou incesto, assim como para anomalias fetais e comprovado risco de morte da mãe.

A nova lei também proíbe qualquer “uso” dos assim chamados “restos fetais” em Iowa, exceto no caso de amostras de diagnóstico médico, investigações forenses e doação para pesquisa médica após abortos espontâneos ou após partos em que o bebê tenha nascido morto.

Corações inocentes

Antes, o aborto era legal em Iowa até a vigésima semana de gestação, quaisquer que fossem as alegações da gestante. A nova lei é considerada a mais rígida dos Estados Unidos e enfrentou muitos protestos de grupos abortistas no país.

Em declaração publicada no site do governo de Iowa, a governadora Kim Reynolds declarou ter assinado o projeto de lei porque “é imoral deter um coração inocente”, além de visar combater a comercialização de partes de fetos abortados, um verdadeiro tráficodenunciado centenas de vezes nos Estados Unidos.

“Creio que toda vida inocente é preciosa e sagrada, e, como governadora, me comprometi a fazer tudo o que estiver ao meu alcance para protegê-la. É o que estou fazendo hoje”.

Kim atribuiu à sua a força que a leva a “proteger cada pessoa de Iowa, sem importar o quanto seja pequenina“.

Um marco para mudar a história

É praticamente certo que a lei sofrerá impugnação e há baixa probabilidade de que entre em vigor sem aprovação do Supremo Tribunal norte-americano. Consciente disto, Kim Reynolds afirmou que os seus esforços são “maiores que só uma lei” e que não desistirá de defender a vida.

Além disso, caso este projeto de lei chegue à Corte Suprema, pode obrigar os juízes a revisarem a famosa lei “Roe versus Wade, o caso de 1973 que estabeleceu o assim chamado “direito constitucional” ao aborto no país.

O nome da lei remete a Jane Roe, pseudônimo de Norma Mccorvey, a jovem que entrou na justiça em 1970 para pedir o “direito de abortar”. Não custa lembrar (até porque a “grande mídia” não gosta de recordar esses “comprometedores” fatos reais) que Norma abandonou o ativismo abortista da sua juventude, reconheceu em 1995 que o processo a que tinha dado início era um erro, passou a se declarar publicamente contrária ao aborto, se converteu ao catolicismo e foi batizada por um padre que liderava um grupo de defesa da vida. A mulher que tinha sido o estopim da aprovação do aborto em seu país trocava assim a cultura da morte e do descarte pelo movimento pró-vida. Norma morreu em 18 de fevereiro de 2017, aos 69 anos, no Texas.

Calcula-se que, desde 1973, houve nos Estados Unidos pouco mais de 60 milhões de abortos.

Não à toa, o filósofo espanhol Julián Marias declarou que a “aceitação social do aborto” foi a pior chacina do século XX – e, por enquanto, do XXI também.

Tags:
AbortomedicinaMundoVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
5
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia