Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Fátima: afinal, a Rússia foi ou não foi consagrada ao Imaculado Coração de Maria?

Consagração da Rússia
CC
Compartilhar

Existem controvérsias entre os que defendem que a consagração está feita e é válida e aqueles que afirmam que ela não foi feita explicitamente

Nossa Senhora pediu, em Fátima, que a Rússia fosse consagrada ao seu Imaculado Coração:

“Virei pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração e a Comunhão reparadora nos primeiros sábados. Se os meus pedidos forem ouvidos, a Rússia se converterá e haverá paz; se não, ela irá espalhar os seus erros pelo mundo, causando guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados; o Santo Padre vai ter muito que sofrer; várias nações serão destruídas. No fim, o meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre vai consagrar a Rússia a mim e ela se converterá, e um período de paz será concedido ao mundo”.

Controvérsias

Vários Papas já consagraram o mundo ao Coração Imaculado de Maria, mas existe um debate sobre até que ponto essas consagrações “do mundo” equivalem a uma consagração “da Rússia” especificamente.

Após as aparições de Fátima, houve ao menos 7 atos de consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria, realizados pelos Papas. São eles:

31 de outubro de 1942: Pio XII faz uma consagração do mundo inteiro ao Imaculado Coração de Maria.

7 de julho de 1952: Pio XII consagra os povos da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, em sua carta apostólica Sacro Vergente Anno:

“Tal como alguns anos atrás consagramos a humanidade inteira ao Imaculado Coração da Virgem Maria, Mãe de Deus, também hoje a consagramos e de forma especial confiamos todos os povos da Rússia a este Imaculado Coração”.

21 de novembro de 1964: Paulo VI renova a consagração da Rússia ao Imaculado Coração, na presença dos Padres do Concílio Vaticano, mas sem a participação deles.

13 de maio de 1982: São João Paulo II convida os bispos do mundo a se unirem a ele para consagrar o mundo e, com ele, a Rússia ao Imaculado Coração. Muitos não receberam o convite a tempo da viagem do Papa a Fátima, onde ele fez a consagração. A irmã Lúcia diz, mais tarde, que as condições não foram cumpridas.

Outubro de 1983: durante o Sínodo dos Bispos, São João Paulo II renova a consagração de 1982.

25 de março de 1984: São João Paulo II, “unido a todos os pastores da Igreja por um vínculo especial sob o qual eles constituem um corpo e um colégio“, consagra “o mundo inteiro, especialmente as pessoas cuja situação vos leva a ter por elas um amor e solicitude particulares“. Em correspondência de 29 de agosto de 1989, a Irmã Lúcia afirma que a consagração da Rússia “foi feita” e que “Deus manterá a Sua palavra“. De fato, subseguem-se eventos significativos, como a queda do Muro de Berlim (9 de novembro de 1989) e a dissolução da União Soviética (25 de dezembro de 1991).

13 de outubro de 2013: o Papa Francisco consagra o mundo ao Imaculado Coração de Maria.

Mesmo com essas consagrações, inclusive mencionando-se explicitamente a Rússia em algumas delas, muitas pessoas ainda divergem sobre a “validade” ou pelo menos a “liceidade” da consagração da Rússia, afirmando que não foram seguidas à risca as instruções de Nossa Senhora nas aparições em Fátima.

A tese de que a Rússia não foi adequadamente consagrada

Quem contesta que a Rússia tenha sido validamente consagrada enfatiza que:

  1. Os Papas consagraram o mundo, mas não especificamente a Rússia, e tampouco em união com todos os bispos.
  2. A Rússia não se converteu, o que Maria prometeu que aconteceria caso a consagração fosse feita.

A tese de que a Rússia foi adequadamente consagrada

Quem considera que a consagração está feita e é válida observa que:

  1. A própria Irmã Lúcia, que foi quem recebeu a mensagem de Maria, declarou que a consagração da Rússia foi feita pelo Papa João Paulo II em 25 de março de 1984, acrescentando que “Deus manterá a Sua palavra“.
  2. Em 26 de junho de 2000, a Santa Sé revelou o terceiro segredo de Fátima e afirmou que a consagração estava feita. A revelação foi feita pelos cardeais Bertone e Ratzinger – e Ratzinger viria a ser eleito Papa como Bento XVI.

Quanto à conversão da Rússia, é verdade que este fruto ainda é um fato amplamente questionável, mas também é verdade que existe por parte de todos os católicos a responsabilidade de rezar o terço todos os dias e manter a devoção dos 5 primeiros sábados. Ao fazerem parte de um mesmo pedido de Nossa Senhora, a consagração da Rússia e as nossas responsabilidades de oração, devoção e conversão pessoal parecem ter um vínculo direto com a promessa de conversão da Rússia e de um período de paz no mundo.

__________

Com informações do blog de Taylor Marshall