Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
São Sálvio
home iconReligião
line break icon

“Fontes”: os místicos cristãos dos primeiros séculos

CHURCH FATHERS

Public Domain

Vanderlei de Lima - publicado em 10/05/18

Com o subtítulo “os místicos cristãos dos primeiros séculos: textos e comentários”, o livro Fontes, de 352 páginas (Ed. Subiaco), visa, como o próprio título indica, expor, por documentos e testemunhos, a primeira experiência cristã, ou seja, os ensinamentos dos Padres da Igreja.

Padres (= Pais) da Igreja são “essas testemunhas, cuja palavra recolhi. Uns foram mártires, os primeiros místicos, outros, monges das montanhas e nos desertos, outros, grandes inteligências iluminadas pelo Espírito, mesmo através de suas imprudências (que a Tradição soube equilibrar pelo consensus dos outros Padres). Muitos foram bispos, pastores de Igrejas locais, então fortemente autônomas no próprio seio da comunhão, eleitos pelo povo e pregadores da única ‘novidade’ capaz de atingir-nos hoje no maior desespero do nosso niilismo: a ‘descida’ do Deus feito homem, na morte e no inferno para triunfar de todas as formas da morte e do inferno” (p. 12).

Ora, é a obra desses autores dos primeiros séculos do Cristianismo – no qual se encontram, em fonte comum, católicos, ortodoxos e protestantes – que Oliver Clément, o autor, recolheu, selecionou e comentou longamente.

O trabalho se divide em três grandes partes: I) Para uma inteligência do mistério; II) A iniciação e os combates e III) Os enfoques da contemplação. No final (p. 281-352), a obra traz uma breve, mas elucidativa referência biobibliográfica de cada autor citado, em ordem alfabética.

De Macário se lê: “Um dos mestres espirituais do ‘deserto’ do Egito no século IV, organizador da vida monástica em Cétia, discípulo de Antão, mestre de Evágrio. Fora chamado de ‘o menino ancião’, talvez por causa do extraordinário dom de discernimento que manifestou muito cedo. Seu prestígio fez com que passassem por suas as Homilias Espirituais, mais tardias e de outra origem. O ciclo copta dos Apoftegmas referentes a ele reproduz, em grande parte, a coleção alfabética grega, mas contém igualmente alguns textos admiráveis, os mais antigos que conhecemos – se forem autênticos – sobre a invocação do nome de Jesus unida à respiração” (p. 336).

Ainda, silêncio e humildade caminham lado a lado. Com efeito, escreve Clément: “A humildade está ligada ao silêncio interior. É preciso fugir à obsessão da culpa, mas saber guardar silêncio, calar-se diante da injúria, como Jesus. Pensa-se no silêncio de Cristo diante de Pilatos, silêncio cuja força de amor foi mostrada por Dostoïvski na lenda do Grande Inquisidor”. Vem a propósito a sentença de um monge do deserto: “Um irmão perguntou ao abba Bessarião: ‘Que devo fazer?’ ‘Guarda o silêncio e não queiras avaliar a ti mesmo’” (p. 146).

Sobre a comunhão: sem amar a Deus, o centro de nossas vidas, não se ama, de modo íntegro, o próximo. Isso escreve Doroteu de Gaza: “Esta é a natureza do amor:  na mesma medida em que nos afastamos do centro (do círculo) e não amamos a Deus também nos afastamos do próximo. No entanto, se amamos a Deus, na mesma medida em que nos aproximamos dele pelo amor, estamos unidos ao próximo pelo amor “(p. 249).

Amor e oração: “O amor ao próximo é mais importante que a oração”. Sim, diz São João Clímaco: “Acontece que, quando estamos rezando, os irmãos vêm nos procurar. Devemos então escolher: ou interromper nossa oração ou entristecer o irmão recusando-nos a responder-lhe. No entanto, o amor é maior que a oração: a oração é uma virtude entre outras, enquanto o amor contém todas” (p. 255).

A observação final a ser feita é para que, em uma segunda edição da obra, venha a apresentação de Oliver Clément, autor desse importante trabalho, bem como uma melhor separação entre os textos patrísticos expostos e o seu comentário.

A linguagem do alentado livro exige certo conhecimento teológico, mas vale a pena se debruçar sobre ele. Rica fonte de Espiritualidade e Teologia.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
HistóriaIgrejaPadres
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia