Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Incrédulos, temerosos e indignados, argentinos enfrentam nova crise

PROLIFE
Marko Vombergar-ALETEIA
Compartilhe este artigo para ter a chance de ganhar uma peregrinação a Roma
Compartilhar
Compartilhei
Compartilhamentos

“Eu tenho 66 anos e vivi muitas crises financeiras neste país”, diz Mabel Chamatropulos, uma ex-bancária para quem o anúncio de que a Argentina buscará uma linha de crédito com o FMI é um “deja vu de tempos terríveis”.

Como ela, muitos argentinos foram surpreendidos pela decisão do presidente Mauricio Macri de recorrer ao Fundo Monetário Internacional para enfrentar a forte turbulência financeira que levou a uma depreciação do peso de mais de 7% em um único dia e elevar a taxa de juros para 40%.

Na Argentina, marcada por crises cíclicas com hiperinflação, desvalorização e bloqueio de contas, o nome do FMI é como um palavrão e mencioná-lo muda o humor.

“Seria muito triste nos transformarmos numa sociedade de classe baixa com poucos ricos. Espero que não seja como em 2001”, quando a Argentina entrou em uma crise econômica e social aguda e declarou inadimplente, afirma, no centro de Buenos Aires, Natacha, de 46 anos.

Ricardo Rouvier, psicólogo social e consultor de opinião pública, afirma que “a reação do governo de recorrer à ajuda do FMI revive velhos fantasmas. E o nome FMI também cria uma percepção de maior gravidade da crise”, explica.

Em 2006, a Argentina tinha pago sua dívida com o FMI, por 9,6 bilhões de dólares, e suspendeu por uma década as revisões periódicas do organismo.

– “Tipicamente argentino” –

Em 2015, com Macri, a Argentina retornou à livre flutuação do peso, após anos de controle cambial durante o governo peronista de centro-esquerda de Cristina Kirchner.

A compra de dólares em espécie nas ‘cuevas’ desenvolveu o mercado negro, e os argentinos começaram a abrir contas em moedas estrangeiras em suas próprias agências bancárias.

O mercado imobiliário, que historicamente operava em dólares, foi reativado. E embora os argentinos peçam empréstimos bancários em pesos para comprar casas, eles os usam para comprar dólares e fechar a transação.

“A Argentina, embora não seja um país legalmente bimonetário, é culturalmente bimonetário. Os argentinos fazem transações em pesos, mas estão pensando em dólar. O dólar é uma moeda de reserva, é uma moeda que serve para prevenir situações como a atual”, diz Rouvier.

Em sua oficina mecânica em Buenos Aires, Juan Carlos Lissa, de 64 anos, concorda.

“Este mês tivemos uma queda de clientela. Não é só no meu estabelecimento, outros colegas me dizem que com eles acontece a mesma coisa. É algo tipicamente argentino, quando o dólar começa a flutuar o argentino diminui os gastos”, diz Lissa.

“O dólar tem impacto na tranquilidade. Infelizmente, o argentino se baseia muito no dólar”, resume.

Por isso, não existe pior notícia que a desvalorização do peso, nem choque maior que um acordo com o FMI. “Sempre somos nós que pagamos a dívida”, afirma Lissa.

– Mau humor –

“A situação atual gera medo na população, incerteza e memória da crise de 2001. Isso provoca um mau humor social”, diz Rouvier.

Uma pesquisa da consultoria D’Alessio Irol – Berensztein realizada em todo o país antes do anúncio de Macri de recorrer ao FMI revelou que 75% das pesquisas considerou “inadequada” essa saída, 58% deles eleitores de Macri.

A confiança na perícia econômica do governo também está em xeque. Apenas 16% apoiam, enquanto 57% considera que não vai garantir o seu programa econômico, 37% deles eleitores oficialistas, de acordo com a pesquisa.

Além disso, outros 66% responsabiliza Macri pela crise cambial.

No governo há consciência do efeito da busca pelo FMI sobre as possibilidades de releição de Macri nas presidenciais de 2019.

“Não é verdade que a história sempre se repete”, afirmou o chefe de gabinete Marcos Peña, que garantiu que a assistência solicitada ao FMI é “uma tarefa preventiva para evitar que o impacto de uma crise forte chegue às famílias argentinas”.

Nicolás Dujovne, ministro da Economia, também tentou transmitir tranquilidade. “Estamos falando com um FMI muito diferente. O FMI aprendeu com as lições do passado, assim como todos nós fizemos”, disse pouco antes de viajar a Washington na terça-feira.

Mas isso não convence Chamatropulos. “Uma grande parte da equipe econômica tem suas poupanças no exterior, em contas no exterior”, diz ele.

“Infelizmente, isso também me leva a pensar na crise grega. Dizem que o FMI não é o mesmo de antes, mas o que aconteceu com a Grécia? Afogada nos últimos anos, juntamente com a troika?”, conclui.

(AFP)

Selecione como você gostaria de compartilhar.

Compartilhar
* O crédito para artigos compartilhados será fornecido somente quando o destinatário do seu artigo compartilhado clicar no URL de referência exclusivo.
Clique aqui para mais informações sobre o Sorteio da Aleteia de uma Peregrinação a Roma

Para participar do Sorteio, você precisa aceitar os Termos a seguir


Ler os Termos e Condições