Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconAtualidade
line break icon

Incrédulos, temerosos e indignados, argentinos enfrentam nova crise

PROLIFE

Marko Vombergar-ALETEIA

Agências de Notícias - publicado em 11/05/18

“Eu tenho 66 anos e vivi muitas crises financeiras neste país”, diz Mabel Chamatropulos, uma ex-bancária para quem o anúncio de que a Argentina buscará uma linha de crédito com o FMI é um “deja vu de tempos terríveis”.

Como ela, muitos argentinos foram surpreendidos pela decisão do presidente Mauricio Macri de recorrer ao Fundo Monetário Internacional para enfrentar a forte turbulência financeira que levou a uma depreciação do peso de mais de 7% em um único dia e elevar a taxa de juros para 40%.

Na Argentina, marcada por crises cíclicas com hiperinflação, desvalorização e bloqueio de contas, o nome do FMI é como um palavrão e mencioná-lo muda o humor.

“Seria muito triste nos transformarmos numa sociedade de classe baixa com poucos ricos. Espero que não seja como em 2001”, quando a Argentina entrou em uma crise econômica e social aguda e declarou inadimplente, afirma, no centro de Buenos Aires, Natacha, de 46 anos.

Ricardo Rouvier, psicólogo social e consultor de opinião pública, afirma que “a reação do governo de recorrer à ajuda do FMI revive velhos fantasmas. E o nome FMI também cria uma percepção de maior gravidade da crise”, explica.

Em 2006, a Argentina tinha pago sua dívida com o FMI, por 9,6 bilhões de dólares, e suspendeu por uma década as revisões periódicas do organismo.

– “Tipicamente argentino” –

Em 2015, com Macri, a Argentina retornou à livre flutuação do peso, após anos de controle cambial durante o governo peronista de centro-esquerda de Cristina Kirchner.

A compra de dólares em espécie nas ‘cuevas’ desenvolveu o mercado negro, e os argentinos começaram a abrir contas em moedas estrangeiras em suas próprias agências bancárias.

O mercado imobiliário, que historicamente operava em dólares, foi reativado. E embora os argentinos peçam empréstimos bancários em pesos para comprar casas, eles os usam para comprar dólares e fechar a transação.

“A Argentina, embora não seja um país legalmente bimonetário, é culturalmente bimonetário. Os argentinos fazem transações em pesos, mas estão pensando em dólar. O dólar é uma moeda de reserva, é uma moeda que serve para prevenir situações como a atual”, diz Rouvier.

Em sua oficina mecânica em Buenos Aires, Juan Carlos Lissa, de 64 anos, concorda.

“Este mês tivemos uma queda de clientela. Não é só no meu estabelecimento, outros colegas me dizem que com eles acontece a mesma coisa. É algo tipicamente argentino, quando o dólar começa a flutuar o argentino diminui os gastos”, diz Lissa.

“O dólar tem impacto na tranquilidade. Infelizmente, o argentino se baseia muito no dólar”, resume.

Por isso, não existe pior notícia que a desvalorização do peso, nem choque maior que um acordo com o FMI. “Sempre somos nós que pagamos a dívida”, afirma Lissa.

– Mau humor –

“A situação atual gera medo na população, incerteza e memória da crise de 2001. Isso provoca um mau humor social”, diz Rouvier.

Uma pesquisa da consultoria D’Alessio Irol – Berensztein realizada em todo o país antes do anúncio de Macri de recorrer ao FMI revelou que 75% das pesquisas considerou “inadequada” essa saída, 58% deles eleitores de Macri.

A confiança na perícia econômica do governo também está em xeque. Apenas 16% apoiam, enquanto 57% considera que não vai garantir o seu programa econômico, 37% deles eleitores oficialistas, de acordo com a pesquisa.

Além disso, outros 66% responsabiliza Macri pela crise cambial.

No governo há consciência do efeito da busca pelo FMI sobre as possibilidades de releição de Macri nas presidenciais de 2019.

“Não é verdade que a história sempre se repete”, afirmou o chefe de gabinete Marcos Peña, que garantiu que a assistência solicitada ao FMI é “uma tarefa preventiva para evitar que o impacto de uma crise forte chegue às famílias argentinas”.

Nicolás Dujovne, ministro da Economia, também tentou transmitir tranquilidade. “Estamos falando com um FMI muito diferente. O FMI aprendeu com as lições do passado, assim como todos nós fizemos”, disse pouco antes de viajar a Washington na terça-feira.

Mas isso não convence Chamatropulos. “Uma grande parte da equipe econômica tem suas poupanças no exterior, em contas no exterior”, diz ele.

“Infelizmente, isso também me leva a pensar na crise grega. Dizem que o FMI não é o mesmo de antes, mas o que aconteceu com a Grécia? Afogada nos últimos anos, juntamente com a troika?”, conclui.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia