Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

“Estou fora de forma”: se você já pensou isso, tome muito cuidado

SIŁOWNIA
Pexels | CC0
Compartilhar

Se você vê seus amigos malhando e se considera fora de forma, preste atenção nesta descoberta surpreendente da ciência

Novas pesquisas revelaram uma conexão surpreendente entre as crenças das pessoas e sua saúde: por serem muito negativas sobre sua atividade física, algumas pessoas podem “se considerar fora de forma”.

Cientistas da Universidade de Stanford, nos EUA, analisaram dados de mortalidade de 61 mil adultos.

Por 21 anos, dezenas de medidas foram tomadas, incluindo o quanto as pessoas se exercitavam e, principalmente, quanto exercício elas pensavam que faziam em comparação com outras pessoas da mesma idade.

Durante esse tempo alguns participantes morreram de várias doenças.

Analisando os vários fatores que podem ter contribuído para a saúde dos participantes, os pesquisadores descobriram algo extraordinário.

As pessoas que achavam que não estavam fazendo tanto exercício quanto seus colegas morriam mais cedo do que aquelas que pensavam que faziam mais, mesmo quando a quantidade real de exercício que faziam era a mesma.

Esse efeito permaneceu o mesmo quando levaram em conta o estado de saúde dos participantes e fatores como o tabagismo.

Comparar nossa forma física com a dos nossos amigos pode levar a efeitos negativos.

Como sua mentalidade determina sua saúde

O exercício, é claro, aumenta sua expectativa de vida, mas este estudo sugere que as percepções do exercício também fazem diferença.

A autora do estudo, Octavia Zahrt, da Universidade de Stanford, contou que a experiência pessoal motivou a pesquisa.

Quando ela se mudou para a escola de pós-graduação na Califórnia, ela se viu cercada por pessoas vestidas em seu kit de ginástica, que sempre pareciam estar indo ou voltando da academia.

Tendo-se considerada uma pessoa em boa forma física quando vivia em Londres, pedalando com frequência e participando de exercícios, em comparação com seus novos colegas, de repente ela se sentiu distintamente fora de forma.

Ela se perguntou se sentir-se menos ativa do que os outros poderia afetar sua saúde – e ela estava certa.

Ela descobriu que o risco de mortalidade foi até 71% maior para as pessoas que se consideram menos ativas que seus pares, em comparação com aqueles que pensam que fazem mais exercícios do que todos os outros.

A alegação de Zahrt pode parecer extraordinária, mas existem pelo menos três razões possíveis pelas quais nossas percepções de exercício podem afetar nossa saúde.

A primeira é simplesmente que nos sentimos estressados se achamos que não somos suficientemente ativos.

Ser bombardeado por mensagens de saúde e ver todo mundo se exercitar o tempo todo pode nos causar muita preocupação, e esse tipo de estresse crônico pode prejudicar nossa saúde.

Ou é a motivação?

Talvez, se você já pensa que é ativo, sua imagem de pessoa atlética incentiva você a fazer ainda mais exercícios para se encaixar nessa imagem.

Essa ideia é respaldada por pesquisas de 2015 que mostraram que, se você acredita que está menos em forma do que seus amigos, é menos provável que faça algum exercício um ano depois.

Como sua mentalidade determina sua saúde

Podemos nos sentir estressados se pensarmos que não estamos fazendo exercícios suficientes

Considerando o que sabemos sobre as normas de grupo e como a maioria de nós gosta de fazer o que sabemos que outras pessoas estão fazendo, isso é surpreendente.

Mas talvez achemos muito desanimador se nossos amigos fazem mais do que nós e depois desistirmos.

Uma terceira explicação envolve o oposto do efeito placebo. Há muito se estabeleceu que as crenças sobre a força de um analgésico, por exemplo, podem influenciar sua eficácia no corpo.

O oposto é o nocebo, onde, se você tem expectativas negativas, o efeito fisiológico de um tratamento é reduzido. Então, talvez as pessoas fossem, de fato, tão ativas quanto seus amigos, mas não percebiam isso e, assim, perderam alguns dos benefícios.

Pegue como exemplo as camareiras de hotel.

Apenas fazendo seu trabalho diário, elas estão fazendo muito exercício, andando pelos corredores dos hotéis, empurrando pesados carrinhos de toalhas, lavando banheiros, limpando e trocando lençóis.

Mas um estudo em 2007 descobriu que elas não contavam isso como exercício.

Então, Alia Crum, também da Universidade de Stanford, disse à metade dessas empregadas do hotel o quanto de exercício elas estavam recebendo e por que isso as beneficiava.

Quatro semanas depois, esse grupo de camareiras havia perdido peso e tinha pressão arterial mais baixa.

Uma vez que elas viram o trabalho como uma oportunidade de se exercitar, isso teve mais impacto físico sobre elas. Talvez elas tenham começado a aspirar com mais energia ou talvez tenha sido o efeito placebo.

Tudo isso me lembra da descoberta, em 2003, de que nossas percepções sobre a idade se correlacionam com os resultados de saúde.

Como parte do estudo de Whitehall II, 7.000 funcionários públicos foram questionados sobre quando eles pensam que a meia idade termina e a velhice começa.

Quando Hannah Kuper e o professor Sir Michael Marmot analisaram os dados, descobriram que as pessoas que pensavam que a velhice começava com 60 anos ou menos tinham maior probabilidade de ter problemas cardíacos graves do que aquelas que responderam 70 anos ou mais.

A resposta a essa pergunta simples parece capturar algo sobre o status de saúde pessoal das pessoas.

Como sua mentalidade determina sua saúde

Talvez elas respondam que a velhice começa aos 60 anos porque elas próprias se sentem velhas devido a problemas de saúde.

Ou talvez elas tenham uma sensação de que não viverão por muito tempo e isso as impede de se exercitar, o que a longo prazo afeta sua saúde. Ou talvez elas se sintam mais estressadas e ansiosas com a velhice e isso tem um impacto sobre sua saúde.

Você deve ter notado que essas três explicações possíveis são paralelas aos possíveis mecanismos do primeiro estudo sobre quanto exercício você faz em comparação com seus amigos.

Ainda não temos todas as respostas, mas há algo interessante acontecendo aqui e está ficando cada vez mais claro que nossas percepções sobre nossa própria saúde e forma física são importantes.

Isso deixa as autoridades de saúde pública em uma posição complicada. Elas precisam que nós saibamos quanto exercício devemos fazer se quisermos nos manter saudáveis.

Por outro lado, pesquisas como essa sugerem que, se as metas forem muito altas, ficaremos ainda mais desanimados.

Até sabermos qual desses mecanismos está fazendo a maior diferença na expectativa de vida, não conseguimos saber o que funcionará.

Enquanto isso, vou me certificar de que aprecio a atividade que faço, evitando conversas que tirem a motivação do exercício com os amigos de ultramaratonas.

Por um mundo mais saudável, compartilhe este texto com seus amigos!

(via Awebic)

Aviso Legal

Todo o conteúdo desta coluna é fornecido apenas para informação geral e não deve ser tratado como um substituto para o aconselhamento médico do seu médico ou de qualquer outro profissional de saúde. Nós não somos responsáveis por nenhum diagnóstico feito por um usuário com base no conteúdo deste site. O Awebic não é responsável pelo conteúdo de quaisquer sites externos listados, nem endossa qualquer produto comercial ou serviço mencionado ou aconselhado em qualquer um dos sites. Sempre consulte seu próprio médico se estiver preocupado com sua saúde.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em BBCescrito por Claudia Hammond.

Imagens: pexels.com e pixabay.com