Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Outubro |
Beato Domingos Collins
home iconAtualidade
line break icon

A Argentina pode superar a crise?

VILLA 31

Aleposta-(CC BY-SA 4.0)

Agências de Notícias - publicado em 16/05/18

Há algumas semanas os argentinos observam angustiados a queda do peso frente ao dólar. A notícia de que o presidente liberal Mauricio Macri busca auxilio do Fundo Monetário Internacional (FMI) reavivou velhos fantasmas de crise e de ajustes dolorosos.

Contudo, o governo se empenha em enviar uma mensagem tranquilizadora e garante que a Argentina é um país solvente.

O que levou a Argentina à crise cambial e financeira, e o que será preciso para resolvê-la?

– Déficit crônico –

Analistas concordam que o principal problema da economia argentina é seu déficit fiscal (3,9% do PIB em 2017) e de balança comercial (8,47 bilhões de dólares em 2017).

Há dois anos e meio, Macri desenvolve um programa de ajustes considerado gradual, que tenta levar o país do modelo protecionista dos governos de Néstor e Cristina Kirchner (2003-2015) para um de abertura.

Entre suas primeiras medidas, eliminou o controle de câmbios e negociou com fundos especulativos para tirar o país da moratória. Isso lhe permitiu financiar o déficit com créditos do exterior por montantes e 30 bilhões de dólares anuais.

Ramiro Castiñeira, analista da Econométrica, garante que Macri “assumiu um país quebrado. Com muito esforço, fez avanços, como sair do default, sair das restrições e recuperar o crescimento econômico. Mas não conseguiu resolver o estrutural: o déficit”.

– Margem de manobra –

Muitos argentinos lembraram, nos últimos dias, da crise econômica e social de 2001, que provocou a queda de quatro presidentes em uma semana e levou o país a declarar a maior moratória da história.

Embora haja semelhanças entre os dois momentos, como a rápida desvalorização do peso e o pedido de auxílio ao FMI, especialistas destacam que há diferenças que concedem margem de manobra ao governo de Macri.

Em 2001 regia o “1 a 1”, como ficou conhecida a política cambial de taxa fixa de um peso igual a um dólar.

Hoje, a taxa de câmbio flutuante e a política econômica autônoma “devem facilitar um ajuste que evite que a crise cambial escale para uma crise bancária e acabe em depressão econômica”, de acordo com Edward Glossop, da Capital Economics.

“Uma política monetária autônoma permite ao Banco Central aumentar as taxas de juros para escorar os fluxos de capital. Ao mesmo tempo, uma debilidade da moeda ajudaria a estabilização, ao recuperar a competitividade e tornar os ativos locais mais atraentes”, opinou Glossop.

– Gradualismo –

O lema do governo de Macri foi o “gradualismo”. Ou seja, fazer os ajustes pouco a pouco, para não provocar nem um choque social, nem um nível de conflito que afetasse a governabilidade.

Assim, eliminou paulatinamente subsídios às tarifas dos serviços públicos, abriu o país às importações e reduziu o gasto, mas sem alcançar o equilíbrio.

O fim dos subsídios a serviços como os de gás, eletricidade e água encareceu, em alguns casos astronomicamente, o gasto dois cidadãos, cujo poder de compra foi mordido por uma inflação de mais de 20% ao ano.

Marcos Peña, chefe do Gabinete, afirmou: “Não podemos continuar pensando que a culpa é de outro. A culpa de gastarmos mais do que temos é dos argentinos”.

– É possível superar a crise? –

O governo afirma que recorreu ao FMI para prevenir uma crise maior. Embora ainda não tenha sido definido o montante do auxílio a ser recebido, é quase certo que o organismo multilateral vai criar algumas condições.

“O FMI vai repensar o gradualismo”, opina Castiñeira. “A Argentina tem que tomar consciência da situação na qual se encontra para poder fazer o ajuste necessário e não ter que se endividar no exterior”, alerta.

Para Marina dal Poggetto, da firma EcoGo, “não depender do crédito externo requer um ajuste muito violento, que é politicamente complicado”.

Na véspera de um 2019 marcado por eleições presidenciais e sem maioria parlamentar, a tarefa parece difícil.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Brasileira Simone Barreto Silva é vítima de ataque terrorista na catedral de Nice
Reportagem local
Brasileira é vítima no ataque terrorista na c...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Pe. Robson de Oliveira
Francisco Vêneto
Defesa desmente Fantástico, da TV Globo, em n...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia