Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Grupo EI começa a abandonar último reduto em Damasco

Marawi CONFLICT
SHERBIEN DACALANIO / CROWDSPARK / AFP
Compartilhar

O regime sírio parece mais perto do que nunca da reconquista total da capital e de seus arredores, com o início, neste domingo (20), da retirada dos extremistas do grupo Estado Islâmico (EI) de seu último reduto em Damasco, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Os meios de comunicação oficiais sírios, no entanto, negaram a existência de um acordo com grupo extremista, ou de transferências negociadas de seus membros do sul de Damasco, onde foram submetidos a uma dura ofensiva do regime de Bashar al-Assad há mais de um mês.

Em outra frente da guerra na Síria, na província oriental de Deir Ezzor, o grupo EI também perdeu terreno contra uma coalizão de árabes e curdos apoiada por tropas francesas e americanas em terra, segundo o OSDH.

Esta organização detalhou que as primeiras saídas de extremistas em Damasco ocorreram ao entrar em vigor, no sábado, um cessar-fogo com o regime, e envolvem o campo palestino de Yarmuk e o bairro de Tamadun.

“Seis ônibus entraram na madrugada de domingo na zona sob controle do EI para transportar os combatentes do grupo e suas famílias antes de partirem para o deserto sírio”, no leste do país, onde o grupo ainda mantém alguns territórios, indicou à AFP o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

– Campanhas de bombardeios –

Mais de 25 ônibus também chegaram ao campo de Yarmuk, mas a maioria das pessoas que embarcou é, no momento, de “civis”, acrescentou.

Yarmuk é o maior campo palestino na Síria e visto como um bairro da capital. Abrigava 160 mil pessoas antes do início do conflito, em 2011, incluindo sírios.

O líder da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Anwar Abdel Hadi, negou um processo de retirada, mas declarou que o EI parece se entregar.

“O Daesh se rende em Yarmuk, Hajar al-Aswad e Tadamun”, afirmou à AFP, usando o acrônimo árabe do EI.

As saídas negociadas de extremistas podem ser vistas como uma simples transferência do problema.

Se o regime conseguir conquistar essas regiões do sul de Damasco, controlará toda a capital e seus arredores pela primeira vez desde 2012.

Em outra frente, o grupo EI também retrocedeu neste domingo diante das Forças Democráticas Sírias (FDS), apoiadas por artilharia, cada vez mais ativa, das forças francesas e americanas no leste da província de Deir Ezzor, segundo o OSDH.

Os combatentes curdos e árabes anunciaram no fim de maio a fase “final” de sua ofensiva contra o EI.

O EI ainda controla três grandes cidades nesta zona: Hajin, Susa e Al-Shafa, segundo o OSDH.

O grupo extremista controla agora menos de 3% do território sírio, fundamentalmente em áreas desérticas do centro e do leste, de acordo com o Observatório.

(AFP)