Aleteia
Sábado 24 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Estilo de vida

A fé que renasceu ou nasceu com a maternidade

WOMAN PRAYING ON THE BED

By MIA Studio | Shutterstock

Blog Mamães da Vida Real - publicado em 28/05/18

Relato emocionante de uma mãe que redescobriu a fé depois de saber que estava gerando um bebê PIG (Pequeno para a Idade Gestacional)

Você tem fé? Sempre teve?

Pois preciso te contar que eu sempre tive… mas que a minha renasceu com a maternidade!

Desde que me descobri grávida, rezava a Deus para que, em primeiro lugar, me presenteasse com uma criança perfeita e saudável porque era naquele momento que se iniciavam as novas descobertas, exames e ultrassons.

Nos primeiros ultrassons e exames até a 12ª semana, tudo ótimo e tudo normal; inclusive é na 12ª semana em que se descarta, ou não, a vinda de uma criança sindrômica.

Pois bem, a partir de então, o próximo ultrassom viria com 16 ou 20 semanas (a critério do médico) para medidas, sexo e morfologia.

O meu veio na 16ª Semana com a descoberta do sexo: UMA MENINA! Meu sonho de infância sendo realizado e, nesse caso, o do marido também. Nada mais maravilhoso para coroar uma criança perfeita.

Porém, foi a partir dos seguintes que minha fé aumentou! Porque quem crê, seja em Deus, Oxalá ou qualquer outro nome que seja dado a algo que te eleve a um patamar de crença; acredita sem questionar… e eu, infelizmente, ainda não era assim…

Fazia ultrassons a cada 4 semanas e sempre ouvia do médico: ‘olha, está tudo bem, mas você está gerando um bebê PIG’. Bebê PIG? Como assim? É claro, o primeiro médico do ultrassom já me explicou que bebê PIG é aquele “Pequeno para Idade Gestacional”, o que quer dizer para a mãe que seu bebê é menor do que deveria ser e pesa menos do que deveria pesar.

E eu fazia o que diante disto? Chorava… da saída da sala do médico até chegar na minha casa! E chorava ao lembrar e rezava e chorava.

Nesse meio tempo até a 38ª. semana, minha ginecologista, excelente médica e muito humana, sempre me dizia: ‘criança que não cresce dentro vai crescer muito mais do lado de fora”.

Até que na noite das 37 semanas e 5 dias, o bebê parou de mexer, nem um chute, silêncio total. Liguei para a médica que imediatamente me pediu uma cardiotocografia – CTG – (é um método biofísico não invasivo de avaliação do bem estar fetal. Consiste no registro gráfico da frequência cardíaca fetal e das contrações uterinas) de urgência. Mas espera, eu já tinha feito uma com 32 semanas e o resultado estava bom. Outra agora?

Fui ao hospital realizar o tal exame. Feito! Aparentemente tudo normal. Peguei o resultado e, curiosa, comparei com o anterior: estava diferente! Apresentava umas quedas que não existiam no último. Tirei duas fotos e encaminhei para a médica (Santa Tecnologia) seguida de uma resposta virtual ressoante: venha ao meu consultório amanhã pela manhã, não se preocupe.

Minhas orações, como de costume, começaram conversando com minha filha e com Deus. Eu tinha fé que ele não me abandonaria.

No dia seguinte, no consultório, ela me diz que o exame estava ok, porém apresentava algumas quedas de respiração; indicativo de que o feto poderia estar começando a sofrer e então, faríamos a cesárea no dia seguinte.

Naquela hora eu pensei: “Meu Deus me ajude e ajude minha filha, pois nós já precisamos uma da outra. Não me abandone e eu não te abandonarei!” Acreditei Nele e na minha médica e, no dia seguinte às 13 horas estávamos lá, prontas para nos conhecer.

Minha menininha nasceu! Um pacotinho RUIVO (essa foi a maior surpresa), com 2,385 kg e 43 cm, linda, perfeita e saudável.

Desde então, eu rezo em pé na beirada de seu berço todas as noites pelo tempo que for necessário para a chegada do seu sono. Minhas orações se fortaleceram e se fortalecem a cada dia. Eu acredito em um Deus que me dá forças, me dá paz e me socorre. Eu confio sem questionar e aceito os desafios que me são impostos.

Acredito que Deus nos dá a oportunidade de sermos mães para aumentar a nossa fé em tudo. Mães são pessoas melhores. Eu me considero uma pessoa muito melhor hoje: sou mais humana, mais paciente e estou formando uma cidadã. Como não carregar muito mais amor por tudo?

E você, como anda a sua fé?

Por Fernanda Paganini (professora e mãe da Maria Luiza), via Mamães da Vida Real 

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
GravidezMaternidade
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Papa Pedro João Paulo II Bento XVI Francisco
Reportagem local
Pedro, João Paulo, Bento e Francisco: 4 Papas...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia