Aleteia
Quinta-feira 01 Outubro |
São Bavão de Gand
Curiosidades

Quando o azul era para as meninas e o rosa para os meninos

BABY'S BOOTEES

By Christina_summer | Shutterstock

Isabelle Cousturié | Mai 28, 2018

Uma tradição cristã foi responsável por atribuir a cor azul às meninas

Já virou tradição: quando um bebê nasce, os pais o vestem de azul (se for menino) ou de rosa (no caso das meninas).

Desde muito tempo, as cores, segundo o que se acredita, representam estereótipos sexuais para identificar o masculino e o feminino.

Mas nem sempre foi assim. As cores também têm sua história e, para entendê-la, é preciso voltar ao século XII.

Na Idade Média, a roupa branca – imagem de pureza e inocência – era comum entre as meninas e meninos até os seis anos. Aos poucos, o azul foi sendo introduzido no mundo ocidental devido ao culto mariano.

A Virgem era vestida com uma cor formada por um pigmento azul claro, o lápis-lazúli, tão preciso que custava tão caro quanto o ouro. A tonalidade virou, então, a cor divina da Virgem Maria, a cor feminina por excelência. A cor rosa, por outro lado, era símbolo de força e poder.

O azul

Transformado em cor da Virgem, o azul brilhava em vitrais góticos e esculturas. A Virgem vive no céu. E, pela primeira vez no Ocidente, o céu era pintado de azul. A cor passou a representar a ideia de divindade, de calma, serenidade e paz. Você sabia, por exemplo, que os teólogos diferenciam a luz divina da luz terrena? A primeira é azul; a segunda, branca.

Então, a cor azul entrou na moda. O rei da França colocou-se sob a proteção da Virgem Maria com flores de lis ornamentadas sobre um fundo azul.

Depois, os senhores da aristocracia se apropriaram disso e foram seguidos pela burguesia. Assim, o azul “divino”, cada vez mais, deixava de ser “divino”.

Segundo Michel Pastoureaux, autor de Azul, historia de un color (“Azul, história de uma cor”), o azul, através de suas inúmeras variações de tom, foi ganhando os escudos das armas, as insígnias e as bandeiras dos uniformes militares. Com isso, a cor se transformou em símbolo do poder político e bélico. Portanto, próprio dos homens.

Em 1930, os enxovais para bebês começaram a se diferenciar e as famílias ricas começaram a adotar o azul para os meninos.

O rosa

Até o século XVIII, a cor rosa era associada exclusivamente aos homens. No entanto, era um “vermelho claro”, uma cor de carne e não um rosa propriamente dito.

Os gregos antigos já atribuíram a cor aos seus filhos, e consideravam os meninos mais produtivos que as meninas.

O rosa era muito usado na Idade Média e no Renascimento, como mostram as representações artísticas da época. É possível ver muitos cavalheiros com calças cor-de-rosa. Até o Cristo, em uma pintura de Bronzino (A Crucificação, 1545), também tem um toque de rosa.

A cor, depois, ganhou outra dimensão. A marquesa de Pompadour achava que o rosa era “de uma finura requintada” e o levou a Versalles, arrastando cortesãs, que começaram a imitá-la ao vestirem suas filhas de cor-de-rosa.

Com a chegada do movimento romântico, no século XIX, o rosa virou a encarnação da ternura, da suavidade, símbolo de feminilidade por excelência. E é assim até hoje.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
BebêsHistóriaSexualidade
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Com afastamento do pe. Robson, o Santuário de...
A12
3 armas fortes de São Miguel Arcanjo
Gelsomino Del Guercio
A misteriosa linha reta que une 7 santuários ...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Silvia Lucchetti
Gestante com câncer recusa aborto: ela e o be...
SAINT MICHAEL
Arcanjo Miguel
15 de agosto: começa a Quaresma de São Miguel...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia