Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pesquisa revela os 3 segredos para sermos felizes no mundo louco de hoje

NATURE
Jacob Lund - Shutterstock
Compartilhar

Uma leitura importante e reveladora

Às vezes parece que o mundo está conspirando ativamente contra sua felicidade. Agora, antes de começar a dobrar seu chapéu de papel alumínio, deixe-me dizer que talvez você não esteja paranoico…

Neste momento há um número recorde de pessoas tomando antidepressivos. Tantos que, mesmo que você não esteja tomando antidepressivos, bem… você meio que está.

Muitas pessoas nas nações ocidentais consomem – e então excretam – os medicamentos que estão em níveis detectáveis no abastecimento de água.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

Cerca de um em cada cinco adultos dos EUA está tomando pelo menos um remédio para um problema psiquiátrico; quase uma em cada quatro mulheres de meia idade nos Estados Unidos toma antidepressivos em algum momento… Você não pode escapar: quando os cientistas testam o suprimento de água dos países ocidentais, eles sempre acham que tem antidepressivos, porque muitos de nós estamos tomando e excretando estes remédios, que simplesmente não podem ser filtrados da água que bebemos todos os dias.”

Nas últimas décadas, vivemos com a ideia de que a depressão é causada por um desequilíbrio químico em sua cabeça.

E enquanto isso é verdade para algumas pessoas, cada vez mais pesquisas estão mostrando que nossa insatisfação pode ser menos por causa de um cérebro problemático e mais por causa de uma vida problemática.

Você não vê um surto tão rápido em casos de depressão porque nossa genética ou massa cinzenta mudou da noite para o dia. O mundo mudou de maneiras que são prejudiciais às necessidades psicológicas do ser humano.

Esse sentimento persistente de insatisfação vaga pode ser uma resposta normal a circunstâncias anormais. O canário na mina de carvão.

Assim, o jornalista Johann Hari passou três anos em uma jornada de mais de sessenta mil quilômetros, conduzindo mais de 200 entrevistas com cientistas sociais e psicólogos para descobrir o que havia de errado com a maneira como vivemos hoje que estava causando uma explosão tão grande de infelicidade.

Seu excelente livro é o “Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions”.

O que ele descobriu foi que, enquanto nosso mundo se tornou tecnologicamente conectado, todas as fontes de infelicidade derivam de uma crescente desconexão em outras áreas de nossas vidas.

Vamos descobrir como se reconectar. E como viver vidas mais felizes…

Desconexão de outras pessoas

Como ser feliz no mundo louco de hoje

A solidão é o equivalente a levar um soco na cara. Literalmente.

Sua resposta ao estresse, para ambos – o aumento no nível de cortisol do seu corpo – é a mesma.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

Sentir-se solitário, ao que parece, faz com que seus níveis de cortisol subam absolutamente – tanto quanto algumas das coisas mais perturbadoras que podem acontecer com você. Tornar-se extremamente solitário, descobriu o experimento, foi tão estressante quanto experimentar um ataque físico. Vale a pena repetir. Estar profundamente solitário parecia causar tanto estresse quanto levar um soco de um estranho.

E não se engane, a solidão é uma epidemia no mundo moderno. Algumas décadas atrás, o cidadão americano médio relatou ter três amigos íntimos. Desde 2004, a resposta mais comum é…

Zero.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

…os cientistas sociais têm perguntado a uma seção transversal dos cidadãos dos EUA uma questão simples por anos: “Quantos confidentes você tem?” Eles queriam saber quantas pessoas você poderia recorrer em uma crise, ou quando algo realmente bom acontece com você. Quando começaram este estudo, há várias décadas, o número médio de amigos próximos que um americano tinha era três. Em 2004, a resposta mais comum era nenhum.”

Eu já posso ouvir algumas pessoas dizendo: “Eu posso estar insatisfeito, mas como pode ser devido à solidão? Estou sempre perto de pessoas.”

Acontece que há uma diferença entre estar sozinho e se sentir sozinho.

É por isso que alguém que trabalha em um emprego cercado de pessoas e depois vai para casa, para um cônjuge e filhos, pode passar muito pouco tempo sozinho – e ainda assim sentir-se profundamente solitário.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

Em seus estudos, descobriu-se que sentir-se solitário era diferente de simplesmente estar sozinho. Surpreendentemente, a sensação de solidão não teve muito a ver com quantas pessoas você falava todos os dias ou todas as semanas. Algumas das pessoas em seu estudo, que se sentiam mais sozinhas, conversavam com muitas pessoas todos os dias. “Há uma correlação relativamente baixa entre as conexões objetivas e as conexões percebidas”, diz ele.

Então o que precisamos fazer? Para evitar sentir-se solitário, devemos compartilhar algo com aqueles em nossa volta – algo significativo para você e para eles.

Uma crença. Uma causa. Uma atividade. Uma meta.

Precisamos estar “juntos nessa” – não apenas juntos no meio de uma multidão sem rosto.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

Enquanto ele pesquisava, John descobriu que havia um ingrediente ausente na solidão e na sua recuperação. Para acabar com a solidão, você precisa de outras pessoas e mais outra coisa. Você também precisa, ele me explicou, sentir que você está compartilhando algo com a outra pessoa, ou grupo, que é significativo para vocês dois. Vocês têm que estar juntos naquilo – e “aquilo” pode ser qualquer coisa que vocês dois achem que tenha significado e valor.”

Então, junte-se a um grupo. O pesquisador de Harvard, Robert Putnam, estudou atividades em grupo por décadas – desde ligas de boliche até grupos voluntários.

Entre 1985 e 1994, o envolvimento em organizações comunitárias caiu 45%.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

Hoje, as pessoas ainda jogam boliche, mas jogam sozinhas. Elas estão em sua própria pista, fazendo suas próprias coisas. A estrutura coletiva entrou em colapso. Pense em tudo o que fazemos para nos unir – como apoiar a escola dos seus filhos, por exemplo. “Nos dez curtos anos entre 1985 e 1994”, escreveu ele, “o envolvimento ativo em organizações comunitárias… caiu 45%”.

O famoso biólogo E. O. Wilson uma vez disse: “As pessoas devem pertencer a uma tribo”. Cada vez mais, não pertencemos. Mas você pode consertar isso.

Nós todos sabemos que os relacionamentos são críticos. Mas há mais uma coisa que falta no mundo moderno que é muito menos óbvio, mas não menos importante…

Desconexão dos Valores

Como ser feliz no mundo louco de hoje

Você busca “valores intrínsecos” quando faz algo apenas porque gosta. Você busca “valores extrínsecos” quando persegue dinheiro ou status.

Ser um soldado patriótico é intrínseco; ser um mercenário é extrínseco.

A lição da pesquisa é clara: quanto mais extrinsecamente motivado, quanto mais você se sente motivado por dinheiro ou status, mais deprimido e ansioso você é.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

Vinte e dois estudos diferentes, nos anos seguintes, descobriram que quanto mais materialista e extrinsecamente motivado você se torna, mais deprimido você será. Doze estudos diferentes descobriram que quanto mais materialista e extrinsecamente motivado você se torna, mais ansioso você ficará. Estudos semelhantes, inspirados pelo trabalho de Tim e usando técnicas semelhantes, foram realizados na Grã-Bretanha, Dinamarca, Alemanha, Índia, Coréia do Sul, Rússia, Romênia, Austrália e Canadá – e os resultados, em todo o mundo, continuam os mesmos.

Eu sei que algumas pessoas estão pulando para dizer: “Bem, eu não sou assim!” Mas, até certo ponto, todos nós nos tornamos mais extrinsecamente motivados.

Todos nós nos importamos, até certo ponto, com o que os outros pensam de nós e a tecnologia muitas vezes amplifica isso para níveis tóxicos.

Facebook e Instagram tornaram-se torneios de status de gladiadores para mostrar o quão legais nossas vidas são.

Mas quando contamos “curtidas” nas mídias sociais, deixamos que os outros controlem nossa autoestima. E isso coloca sua própria felicidade fora de seu controle.

Isso não é bom. E mesmo se você ganhar, você perde.

Estudos mostram que a realização de objetivos extrínsecos – o carro chique e a promoção impressionante – não traz felicidade duradoura. Nenhuma.

Enquanto isso, quando buscamos objetivos intrínsecos, como ser um pai melhor ou tentar melhorar nossas habilidades de escrita para que nossos posts não sejam ruins, nos sentimos muito mais felizes e menos ansiosos.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

As pessoas que alcançaram seus objetivos extrínsecos não tiveram nenhum aumento na felicidade do dia a dia – nenhuma. Elas gastaram uma enorme quantidade de energia perseguindo esses objetivos, mas quando os cumpriram, sentiram o mesmo que tinham no começo… Mas as pessoas que alcançaram seus objetivos intrínsecos se tornaram significativamente mais felizes e menos deprimidas e ansiosas. Você pode acompanhar o movimento. Enquanto trabalhavam nisso e sentiam que se tornavam (por exemplo) amigos melhores – não porque quisessem alguma coisa, mas porque achavam que era uma coisa boa a fazer – ficaram mais satisfeitos com a vida.”

Você experimenta o “fluxo” quando está tão envolvido em algo que perde a noção do tempo. Você conhece o velho ditado: “o tempo voa quando você está se divertindo.”

O fluxo é um grande contribuinte para a felicidade.

E quanto mais focados estamos em objetivos extrínsecos, como status, menos estados de fluxo nós experimentamos.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

Mas quando Tim estudou pessoas altamente materialistas, descobriu que eles experimentam significativamente menos estados de flow do que o resto de nós. Por que será? Ele parece ter encontrado uma explicação. Imagine se, quando Tim tocava piano todos os dias, ele ficava pensando: Eu sou o melhor pianista em Illinois? As pessoas vão aplaudir essa apresentação? Eu vou ser pago por isso? Quanto?

Então o que deveríamos fazer?

Sim, todos nós temos que pagar as contas e alcançar um nível decente de status é uma coisa boa, mas precisamos começar a escolher mais atividades que atendam a esses valores intrínsecos.

Passar mais tempo com aqueles que amamos do que com aqueles que podem nos ajudar a progredir.

Mais tempo tocando guitarra porque é divertido, em vez de aprimorar nossas habilidades em Excel para ganhar aquela promoção.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

A primeira coisa é que as pessoas se perguntem: estou preparando minha vida para ter uma chance de ter sucesso com meus valores intrínsecos? Estou convivendo com as pessoas certas, que vão me fazer sentir amada, ao invés de me fazer sentir como se eu tivesse conseguido algo?”

Passe um pouco mais de tempo com pessoas que fazem você sorrir e fazendo as coisas que fazem você sorrir – simplesmente porque elas fazem você sorrir.

Então você está se conectando com as pessoas e se conectando com seus valores intrínsecos. Ótimo. Qual é a outra conexão que estamos recebendo cada vez menos do que o ser humano precisa?

Assim como o mercado imobiliário, é tudo sobre localização, localização, localização…

Desconexão da natureza

Como ser feliz no mundo louco de hoje

Todas as outras coisas sendo iguais, aproxime-se da natureza e você será mais feliz. Afaste-se da natureza e você ficará mais deprimido.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

…as pessoas que se mudaram para áreas verdes tiveram uma grande redução na depressão, e as pessoas que se afastaram das áreas verdes tiveram um grande aumento na depressão.

Alguns podem dizer que é porque as áreas rurais têm menos crimes ou menos poluição ou… Errado.

Se você morar na parte de uma cidade grande com muitas árvores, ficará mais feliz. Vá para a parte da cidade que não é nada além de concreto e você ficará mais triste.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

Eles compararam áreas urbanas carentes que tinham algum espaço verde com áreas urbanas privadas muito semelhantes, sem espaços verdes. Todo o resto – como níveis de conexões sociais – era o mesmo. Mas descobriu-se que havia menos estresse e desespero no bairro mais verde.

Usamos tanto nossos grandes cérebros humanos que pensamos que somos máquinas e nos esquecemos de que somos animais. Mas nós somos animais.

Deixe o Panda na floresta com seu bambu e ele está feliz. Mude-o para um zoológico e ele fica amuado, sente-se estressado e perde todo o interesse em fazer pequenos pandas.

Humanos não são tão diferentes.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

“Temos sido animais que se movem por muito mais tempo do que animais que falam e transmitem conceitos”, ela me disse. “Mas ainda achamos que a depressão pode ser curada por essa camada conceitual. Eu acho [que a primeira resposta é mais] simples. Vamos corrigir a fisiologia primeiro. Saia. Mexa-se.

Então, o que fazemos? Nós simplesmente não fomos feitos para passar todo o tempo indo de um cubículo para outro.

Sentir-se mais feliz pode ser tão simples quanto passar mais tempo na natureza.

Todas as pesquisas dizem que o exercício nos deixa mais felizes. Adivinha? Quando você se exercita ao ar livre, o efeito é ainda mais forte.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

“Quando cientistas compararam pessoas que correm em esteiras na academia com pessoas que correm na natureza, eles descobriram que ambas vêem uma redução na depressão – mas é maior nas pessoas que correm na natureza.

Muito bem, aprendemos muito. Estamos obtendo mais do que nossa antiga fisiologia precisa do mundo moderno.

Hora de resumir tudo – e descobrir por que tantos de nossos esforços para ser mais felizes costumam falhar…

Resumo

Veja como ser feliz no mundo louco de hoje:

  1. Conecte-se com as pessoas: Apenas estar perto dos outros não é suficiente. Participe de grupos com os quais você tem algo em comum. Você precisa estar “junto naquilo” para reagir quando a solidão lhe dá um soco na cara.
  2. Conecte-se com seus valores intrínsecos: Mais “flow” e menos selfies. Mais de fazer o que você ama, porque você ama. Buscar status não leva a uma felicidade duradoura; coloca a felicidade fora de seu controle.
  3. Conecte-se com a natureza: Saia por um motivo diferente de pegar a correspondência.

Então, o que acontece quando você faz um esforço consistente e concentrado para ser mais feliz?

Você falha miseravelmente. Sem brincadeira. Esforços deliberados para ser mais feliz não funcionam… nos EUA, pelo menos.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

Eles rastrearam milhares de pessoas, algumas das quais decidiram buscar deliberadamente a felicidade e algumas delas não. Quando compararam os resultados, encontraram algo que não esperavam. Se você deliberadamente tentar se tornar feliz, não ficará mais feliz – se morar nos Estados Unidos. Mas se você mora na Rússia, no Japão ou em Taiwan, ficará mais feliz.”

O que está acontecendo? Não é que a felicidade seja inatingível ou que o trabalho duro não seja recompensado. A questão aqui é que os EUA têm a cultura mais individualista.

E assim, os esforços que as pessoas nesses países fazem são geralmente individualistas…

Mas a felicidade vem de nossas conexões com outras pessoas.

E quando trabalhamos apenas para nos tornarmos felizes como indivíduos, muitas vezes falhamos. Mas quando trabalhamos para a felicidade de um grupo, geralmente conseguimos.

Do livro Lost Connections: Uncovering the Real Causes of Depression – and the Unexpected Solutions:

Quanto mais você acha que a felicidade é uma coisa social, melhor para você”, Brett me explicou, resumindo suas descobertas e resmas de outras ciências sociais.

O mundo moderno promove uma cultura do “seja você mesmo”. Mas se você quer ser feliz, essa não é sempre a melhor ideia.

Para encontrar mais alegria, gaste um pouco menos de tempo sendo você e um pouco mais de tempo sendo nós.

(via Awebic)

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Barking Up the Wrong Tree.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Por um mundo mais feliz, compartilhe este conteúdo com seus amigos!