Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Cynthia Dermody / Redação da Aleteia
Quaresma: 5 desafios para casais

China: empresas controlam as emoções dos empregados

ARTIFICIAL INTELLIGENCE
By Production Perig | Shutterstock
Compartilhar

De olho na produtividade, algumas empresas estão usando sensores cerebrais para monitorar os sentimentos dos funcionários em tempo real

Bem-vindos ao mundo da transparência total, muito além da visão de George Orwell!

A partir de agora, na China, todas as emoções que os funcionários sentem são detectadas em tempo real por seus patrões. Isso inclui: depressão, tristeza, raiva, estresse, fadiga, excitação…

Doze empresas como companhias de transportes, logística e empresas do setor energético já instalaram o inédito sistema de vigilância. Os equipamentos com sensores cerebrais conectados diretamente a um sistema de inteligência artificial de computadores são capazes de detectar as emoções dos empregados.

Do “espaço aberto” ao “cérebro aberto”

Segundo os idealizadores do programa financiado pelo governo chinês, o controle das emoções deverá fomentar a produtividade dentro das empresas. “Um empregado muito sensível em um cargo chave pode afetar toda a cadeia de produção”, explica ao South China Morning Post o professor Jin Jia, responsável pelo desenvolvimento da novidade.

“Quando o sistema detecta um problema, o gestor pede ao empregado que tire um dia de folga ou trabalhe em uma função menos crítica. Algumas funções requerem uma concentração significativa e não admitem nenhuma margem de erro”, diz o professor.

A nova tecnologia revela cruelmente a ausência de uma lei que limite o uso deste tipo de sistema na China. Infelizmente, as questões de privacidade e exploração de dados pessoais foram absurdamente ignoradas.

 

 

Aleteia Top 10
  1. Lidos