Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A história de fé e improviso em torno da camisa azul da seleção brasileira

SOCCER,UNIFORM
Reprodução / Youtube
Compartilhar

Foi com a cor do manto de Nossa Senhora que o Brasil conquistou a sua primeira Copa do Mundo

A expressão “manto sagrado” é muito utilizada quando um torcedor se refere ao uniforme do seu time do coração. Mas a expressão é ainda mais carregada de sentido quando pensamos na história em torno da camisa azul da seleção brasileira de Futebol.

Até a Copa de 1950, o uniforme do Brasil era branco. Mas, com a derrota para o Uruguai em pleno Maracanã, a camisa foi abolida. Adotaram-se, então, a camisa amarela com detalhes em verde, calções azuis e meias brancas.

Em 1958, na  Copa da Suécia, o Brasil chegou à final justamente contra os anfitriões. Depois do sorteio, ficou decidido que a equipe sueca jogaria com camisas amarelas, cabendo ao Brasil optar pelo uniforme reserva. Só que o time brasileiro não tinha levado outra opção de camisa.

A solução encontrada pelos membros da delegação foi sair para comprar camisas azuis em Estocolmo. Depois, parte da equipe passou a noite inteira costurando os números e o brasão no uniforme reserva.

Entretanto, sobre os jogadores pairava o fantasma de 50, quando a “amarelinha” não foi usada e a taça não veio. Foi aí que entrou em cena a fé do então chefe da delegação brasileira, Paulo Machado de Carvalho. Ele pediu aos jogadores que não se preocupassem, pois eles entrariam em campo vestindo a cor do manto de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, cuja imagem acompanhara o time nos 5 jogos daquele Mundial.

Então, a seleção brasileira entrou em campo com a camisa azul e venceu a Suécia por 5 a 2, conquistando pela primeira vez o título de campeã da Copa do Mundo.

Em 1994, na Copa dos Estados Unidos, Romário, vestindo azul e contra a Suécia fez o gol que levou o Brasil para final contra a Itália.

E a “azulzinha”, obviamente remodelada, está até hoje na bagagem da seleção como plano B.

 

 

Com informações de ACI Digital e A12