Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

José de Anchieta: a devoção a Nossa Senhora em forma de versos

© Koppchen CC
Compartilhar

Nas areias de uma praia, ele escreveu mais de 5 mil versos dedicados à Mãe de Deus

Uma das imagens mais emblemáticas de José de Anchieta é aquela na qual ele aparece com escrevendo versos na areia da praia. Entre os poemas, estariam muitos textos dedicados à Virgem Maria.

ANCHIETA
Divulgação / Museu Anchieta, via ACI Digital

Foi sua devoção mariana e o fato de ter dedicado inúmeras obras a Nossa Senhora que o fizeram ficar conhecido como “o Poeta da Virgem Maria”. Ele também é chamado de “apóstolo do Brasil”, devido ao seu trabalho de evangelização (através da Companhia de Jesus) nas terras brasileiras logo após o Descobrimento.

Vida e obra

Nascido em 19 de março de 1534 em San Cristóbal de La Laguna (Canárias), José de Anchieta cultivou a devoção mariana desde jovem. Com apenas 16 anos, fez um voto de castidade diante da imagem de Nossa Senhora do Bom Conselho, consagrando sua virgindade à Maria.

Mais tarde, ingressou na Companhia de Jesus e viajou como missionário para o Brasil, onde colaborou na fundação de importantes cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro, além de seu trabalho incansável na catequese dos índios.

Autor de inúmeras obras, dedicou algumas delas a Nossa Senhora, como “Na aldeia de Guaraparim”, “Dia da Assunção em Reretiba” e “Na visitação de Santa Isabel”. Mas, de todas, a que se tornou mais conhecida é o “Poema à Virgem Maria”, o qual está ligado a um importante momento de sua vida em que ele renovou aquele voto feito ainda jovem diante da Virgem Maria.

Ao narrar a história deste santo, Padre Paulo Ricardo recorda em artigo publicado em seu site que, entre 1555 e 1560, franceses tentaram estabelecer uma colônia no Brasil e aproveitaram da rivalidade entre os índios para cooptar algumas tribos, que integraram a “Confederação dos Tamoios”.

“Para apaziguar o conflito eminente – que também se revestia de oposição religiosa, já que uma vitória dos franceses significaria um triunfo do protestantismo –, o padre [Manuel] da Nóbrega e o irmão Anchieta dirigiram-se à região de Iperoig – hoje, Ubatuba – e estabeleceram negociações com os indígenas”.

Embora as negociações não avançassem, “o impulso missionário de Anchieta não cessava de engendrar novos cristãos”. Até que Pe. Manuel da Nóbrega teve que deixar Anchieta sozinho entre os tupinambás.

“Ali, cercado por uma cultura completamente avessa à cristã e rodeado por índias que andavam nuas à beira do mar, São José de Anchieta fez resplandecer o brilho da castidade: em voto a Nossa Senhora, prometeu que contaria a Sua vida em versos, caso ela guardasse intacta a sua pureza”, narra o artigo de Pe. Paulo Ricardo.

Foi então que Anchieta escreveu, nas areias da praia 5786, versos em honra à Mãe de Deus e decorou-os antes de passá-los para o papel.

A seguir, confira um dos trechos do “Poema à Virgem Maria”, no qual São José de Anchieta recorda o sofrimento vivido pela Mãe de Deus ao viver os momentos da Paixão de seu Filho.

 

Ó doce chaga, que repara os corações feridos,
Abrindo larga estrada para o Coração de Cristo.
Prova do novo amor que nos conduz a união! (Amai uns aos outros como EU vos amo)
Porto do mar que protege o barco de afundar!

Em Ti todos se refugiam dos inimigos que ameaçam:
Tu, Senhor, és medicina presente a todo mal!
Quem se acabrunha em tristeza, em consolo se alegra:
A dor da tristeza coloca um fardo no coração!

Por Ti Mãe, o pecador está firme na esperança,
Caminhar para o Céu, lar da bem-aventurança!
Ó Morada de Paz! Canal de água sempre vivo,
Jorrando água para a vida eterna!

Esta ferida do peito, ó Mãe, é só Tua,
Somente Tu sofres com ela, só Tu a podes dar.
Dá-me acalentar neste peito aberto pela lança,
Para que possa viver no Coração do meu Senhor!

Entrando no âmago amoroso da piedade Divina,
Este será meu repouso, a minha casa preferida.
No sangue jorrado redimi meus delitos,
E purifique com água a sujeira espiritual!

Embaixo deste teto (Céu) que é morada de todos,
Viver e morrer com prazer, este é o meu grande desejo.