Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
São Sálvio
home iconReligião
line break icon

Festas Juninas e a Teologia da Festa

SIERVAS

Youtube - Fair Use

A12 - publicado em 15/06/18

A festa nos abre para a transcendência, para a eternidade

Ser cristão não significa ser triste nem ser estranho ao lazer, à festa, à hilaridade. Um velho adágio lembra que “um santo triste é um triste santo”. A beleza, a estética, a arte são manifestações do Absoluto. Nelas o mistério escondido se faz tocável. Vamos hoje refletir sobre a teologia da festa.

1A festa e a comunidade. Uma das melhores maneiras de se reunir a comunidade é a festa. Ela tem a função de fomentar a comunhão, possibilitar a partilha, unir a comunidade. A festa facilita o encontro, o estar juntos, o diálogo e a reciprocidade.

2. A festa e a criatividade. Por ocasião da festa, a criatividade humana tem uma ocasião propícia para se exercitar. As pessoas desenvolvem seus dons, oferecem suas qualidades, despertam suas potencialidades. A festa ativa a fantasia e nos torna criativos.

3. A festa e a cultura. Nos festejos populares, encontramos as grandes expressões culturais dos povos. Por meio das festas, a cultura se perpetua no tempo, nascem novos incentivos culturais, e o povo se expressa mais espontaneamente.

4. A festa e os novos relacionamentos. A festa propicia comunicação, relacionamentos novos, início de grandes amizades. Festejar é, antes de tudo, encontrar- -se. A festa aproxima as pessoas, congrega as famílias, movimenta as cidades.

5. A festa e a reconciliação. Quantos inimigos voltam a se abraçar e quantos adversários dão-se as mãos por ocasião de uma festa. As mágoas são desfeitas, e a paz volta aos corações, pois a festa tem “um poder nidificador”, um poder de reconciliação.

6. A festa e a saúde. Muita gente é doente porque não usufrui de seu direito ao lazer, porque não sabe se alegrar, não gosta da festa. Ser cristão não é ser sisudo, nem estranho. A festa é terapêutica, porque ela descontrai, anima, consola, faz esquecer os negativismos. Quantas pessoas se curam depois que se abrem ao humor, à hilaridade, à festa. Precisamos lutar para que todos os brasileiros possam gozar de seu direito a ter férias e lazer.

7. A festa e o cotidiano. Um dos maiores inimigos do ser humano é a rotina. Ela é o cupim das belezas essenciais. Tem o poder de bagatelizar as mais altas experiências e profundezas da vida. A festa vem quebrar a rotina, romper com a chatice da monotonia. Ela renova o entusiasmo pelas coisas comuns, restaura o gosto de viver, inspira vibração ao cotidiano.

8. A festa e o pecado. Festa não é bagunça. Requer ordem, respeito, dignidade. Festa sem ética é anarquia e, às vezes, pecado. Quantas festas são pura exploração do dinheiro do povo, contribuindo para a alienação da consciência social. Os romanos enganavam o povo com “pão e circo”. Outra sombra da festa é viver um contínuo balanço de “sombra e água fresca”, relegando o trabalho para o segundo plano. “Certos lazeres só estimulam o desejo de dinheiro, de agressão e de erotismo” (R. Clair). Quanto mau gosto em certos esportes atrevidos. Um futebolismo sem limites é ótimo ópio para a consciência crítica dos brasileiros. Enfim, festa sem ética degenera em corrupção e permissivismo.

9. A festa e Deus. Nem a técnica, nem o progresso conseguem preencher o coração humano. Na experiência da festa, decretamos a ineficácia da máquina e do progresso material. “Só Deus basta”, dizia Santa Teresa. Construir o mundo sem Deus é construí-lo contra o homem. O materialismo mutila a pessoa humana fazendo dela “um excepcional de corpo robusto e alma franzina” (T. L. Penido). A festa rompe com o materialismo e encaminha o homem na direção de Deus, que é a suprema alegria e plenitude. A sociedade atual, dilacerada pelo materialismo, corre loucamente atrás das seitas, dos orientalismos e das mistificações. “O homem moderno é mágico.” Sem Deus, andamos desenfreadamente em busca de magias, astrologia, macumba, horóscopos e outras mistificações.

10. A festa e a eternidade. Quando festejamos, suspendemos o relógio, rompemos com o cotidiano e com a fragilidade das coisas. A festa nos abre para a transcendência, para a eternidade; livra-nos da prisão do mundo e das coisas e nos impulsiona à direção do além, do eterno. Festejar é gritar que as coisas são insuficientes e que tendemos para o infinito.

Por Dom Orlando Brandes, Arcebispo de Aparecida, via A12

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
ReligiãoSantos
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia