Aleteia
Terça-feira 20 Outubro |
São Cornélio
Atualidade

Paz, drogas e corrupção estão no centro das eleições na Colômbia

CARRETA LITERARIA

Martin Robert Murillo Gomez - Facebook

Agências de Notícias - publicado em 15/06/18

Os flagelos do narcotráfico, a corrupção e a desigualdade se somam à necessidade de consolidar uma paz ainda frágil, apesar do histórico acordo com as Farc.

A violência dos grupos armados que disputam o controle de antigos feudos da ex-guerrilha comunista, especialmente nas fronteiras do país, e a insegurança nas cidades também marcam o segundo turno das eleições neste domingo.

– Implementando a paz –

Prêmio Nobel da Paz em 2016, presidente Juan Manuel Santos idealizou o acordo assinado com as então Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Mas seus esforços para acabar com o último conflito armado na América não se refletem em sua pouca popularidade.

Nascido em 1964 de uma insurreição camponesa que exigia uma maior distribuição de terras, o grupo rebelde chegou a ser o mais poderoso do continente e se desarmou no ano passado, tornando-se um partido político.

A implementação do pacto – questionada por ex-guerrilheiros que acusam o Estado de violações – será uma das principais tarefas do próximo governo.

“O novo presidente da Colômbia enfrentará a decisão de implementar ou não o acordo”, disse à AFP Cristian Rojas, diretor do Programa de Ciência Política da Universidade de La Sabana.

Contudo, os pontos estruturais do pacto dificilmente poderão ser alterados.

O candidato Iván Duque, de 41 anos, do Centro Democrático (CD, direita) promete reformar o acordo de paz.

O CD considera que o acordo garante “impunidade” aos responsáveis por crimes graves. O grupo primeiro prometeu “rasgar” o pacto, mas depois sugeriu reformá-lo.

Um possível mandato de Duque “seria problemático” para promover as mudanças “estruturais” acordadas, que incluem reformas eleitorais e agrárias para combater a desigualdade, disse Yann Basset, diretor do Observatório de Representação Política da Universidade do Rosario.

– Desigualdade –

A Colômbia foi duramente abalada por uma guerra interna que, em meio século, confrontou guerrilheiros, paramilitares de direita e agentes do Estado, deixando mais de 8 milhões de vítimas entre mortos, desaparecidos e deslocados.

Rica em minerais, biodiversidade e pedras preciosas, a Colômbia é também um dos países mais desiguais do continente, superada apenas pelo Haiti e por Honduras.

A pobreza afeta 17% dos 49 milhões de habitantes, com picos de 36,6% nas regiões mais isoladas, particularmente nas áreas rurais, segundo dados oficiais.

A luta contra a desigualdade é uma das bandeiras do candidato e ex-prefeito de Bogotá, o ex-guerrilheiro Gustavo Petro, do movimento Colômbia Humana.

A possibilidade de a esquerda chegar ao poder é uma novidade em um país historicamente governado pela direita. Mas a tendência pode mudar.

Para o especialista Basset, a ascensão da esquerda, visível nas eleições legislativas de março, deve-se ao fato de que “a guerrilha hoje em dia não dá tanto medo”.

As Farc tiveram 0,5% do total dos votos parlamentares, embora o pacto lhes garanta dez assentos.

– Corrupção e narcotráfico –

A Colômbia ocupa o 96º lugar no ranking de percepção de corrupção da organização Transparência International, que avalia 180 países.

Além das irregularidades na entrega de licitações públicas, o país também foi abalado pelo esquema de corrupção da empreiteira brasileira Odebrecht.

A empresa reconheceu ter entregado 11,1 milhões de dólares em propinas na Colômbia. Já a Promotoria avalia esse valor em mais de 27,7 milhões.

Nas eleições, “também há um clima de descontentamento com a classe política, com muitos problemas de corrupção nos últimos dois anos”, disse Basset.

Mas a corrupção não está apenas ligada ao Estado. Desde os anos 80, a Colômbia está no radar mundial do narcotráfico.

Apesar dos grandes esforços contra o tráfico de drogas, o país continua a ser o maior produtor mundial de cocaína, um mercado arduamente disputado pelos dissidentes das Farc, por gangues criminosas e pelo Exército de Libertação Nacional (ELN), reconhecido pelo governo como o último grupo rebelde.

Para o analista Juan Cárdenas, o próximo presidente terá um “desafio muito forte” relacionado ao controle territorial.

Para isso, o Estado deve recuperar o monopólio da força e ter uma “presença institucional” em um país de geografia complexa, acrescentou.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Mundo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Ellen Mady
Para Jesus não existe novena melhor do que es...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
ícone São Lucas Nossa Senhora Jesus médico
Reportagem local
Oração a São Lucas, evangelista e médico, pel...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
JENNIFER CHRISTIE
Jennifer Christie
Fui estuprada numa viagem a trabalho - e meu ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia