Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa pede perdão a fiéis chilenos afetados por escândalo sexual

CHILE
Compartilhar

O papa Francisco pediu perdão aos fiéis da cidade chilena de Osorno, em uma tentativa de reconciliar a comunidade profundamente dividida pela designação do bispo Juan Barros – acusado de encobrir atos de pedofilia -, em mensagem lida por seus enviados neste domingo (17).

O bispo Charles Scicluna e o monsenhor Jordi Bertomeu foram pela segunda vez a esta cidade este ano, a mais afetada pelo escândalo protagonizado por seu ex-bispo Barros, acusado de acobertar os abusos sexuais cometidos pelo influente sacerdote chileno Fernando Karadima. O caso provocou uma grave crise na Igreja chilena, à qual o pontífice tenta pôr fim.

“O papa Francisco me encarregou de pedir perdão a cada um dos fiéis da diocese de Osorno e a todos os habitantes deste território por terem sido profundamente feridos e ofendidos”, disse Scicluna, de joelhos junto a Bertomeu, durante uma missa neste domingo na Catedral San Mateo de Osorno, 930 km ao sul de Santiago.

A chegada de Barros a Osorno em março de 2015 gerou uma profunda divisão entre fiéis e membros do clero que o apoiavam e outros que rejeitavam sua designação, após as acusações de que acobertou os abusos cometidos por Karadima em 1980 e 1990. O sacerdote havia sido suspenso para o resto da vida pelo Vaticano em 2011, devido às denúncias.

A catedral foi abarrotada por dezenas de fiéis que aplaudiram as palavras de Scicluna e viveram momentos de emoção durante esta missa, o ponto alto da visita a esta cidade, mas que para os laicos de Osorno não é suficiente para fechar as feridas que dividiram sua comunidade.

“Hoje decidimos dar um passo, entrar no nosso templo e participar da santa missa no dia do Senhor, deixando a clareza absoluta de que esta não é uma missa de reparação, nem de reconciliação”, indicou um comunicado dos laicos, lido por Mario Vargas, um de seus representantes, minutos antes do início da cerimônia.

Após a missa, os laicos levantaram cartazes com frases como “A paz é fruto da verdade e da justiça” e “Sacerdote, rompa seu silêncio”.

Todos os bispos chilenos, incluindo Barros, renunciaram durante reunião no Vaticano com o papa em maio, em meio a duras críticas do pontífice pelo tratamento que o clero do país deu às dezenas de denúncias sobre pedofilia que afetaram a Igreja chilena.

Os enviados do papa viajaram para o Chile pela primeira vez em fevereiro para investigar as denúncias sobre abusos.

Esta segunda visita de Scicluna e Bertomeu a Osorno começou na quinta-feira com reuniões com o clero da cidade e com fiéis de diferentes paróquias, mas também receberam novas denúncias de abusos.

Scicluna agradeceu a “tantas pessoas que tiveram a generosidade de compartilhar suas feridas conosco, experiências dolorosas, assim como também suas esperanças e amor pela Igreja em Osorno”, em um comunicado que lido para a imprensa após a missa.

Os laicos agradeceram a missão de Scicluna e Bertomeu e manifestaram sua esperança de que seja o início de um “longo processo de cura que durará provavelmente muito tempo”.

(Com AFP)