Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Rio está entre as 8 capitais com menor proporção de homicídios do país

FAVELA
Compartilhar

O Rio de Janeiro costuma ocupar as manchetes pelos confrontos entre facções criminosas e pelas violentas operações policiais, mas aparece entre as oito capitais de estados com menor proporção de homicídios, segundo um relatório do Ipea divulgado nesta sexta-feira (15) com dados de 2016.

Este ano, o índice de mortes violentas na cidade do Rio de Janeiro foi de 34,9 a cada 100.000 habitantes.

O menor índice entre as 26 capitais mais o Distrito Federal é de São Paulo (14,9/100.000), e o maior é de Belém (77,0), detalha o estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

A média dos 309 municípios analisados (com mais de 100.000 habitantes) é de 38,67/100.000.

A metade dos casos se concentra em 123 cidades, 33 delas nos estados de Rio de Janeiro e Bahia. O triste recorde é de Queimados, no Rio, com 134,9 mortes violentas a cada 100.000 habitantes.

Em todo o país houve em 2016 um total de 62.517 mortes violentas (30,3/100.000), de acordo com a primeira parte do relatório divulgada na semana passada. Entre 2006 e 2016 o número de homicídios superou meio milhão (553.000).

A média brasileira fica acima do conjunto de países da América Latina e do Caribe (22/100.000), região mais violenta do mundo, segundo dados do Banco Mundial em 2015, que davam ao Brasil uma média de 27/100.000 (https://datos.bancomundial.org/indicador/vc.ihr.psrc.p5). Na União Europeia, a média era este ano de 1/100.000 e nos Estados Unidos de 5/100.000.

O estudo brasileiro assinala a correlação entre a violência e as condições de educação, oportunidade de trabalho e vulnerabilidade, pelo qual as cidades que apresentam as maiores taxas de mortes violentas são as que contam com a maior população em situação de pobreza.

(AFP)