Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Religião

A verdade sobre o Papa Inocêncio III

VATICAN SECRET ARCHIVES

Fregonese Daniele | Vatican Secret Archives | AFP

Vanderlei de Lima - publicado em 20/06/18

A quem esse tema distorcido sobre Inocêncio III favorece?

Em 2015, saiu o livro de Olavo de Carvalho intitulado O Jardim das aflições. De Epicuro à ressurreição de César: ensaio sobre o materialismo e a religião civil. 3ª edição com posfácio inédito, de 464 páginas (Vide Editorial).

Interessa-nos, no presente artigo, a página 290, pois nela se lê que “César, afinal, era bisneto de Vênus, mas ninguém pôde recorrer a este exemplo porque a nova concepção era inexpressável no velho linguajar astrológico, onde a autoridade espiritual era o Sol, e o poder temporal a Lua” (sic!).

Na nota de rodapé 164, nessa mesma página, é que o autor se mostra um tanto desinformado ao escrever o seguinte: “Inocêncio III, numa bula cujo título não me ocorre, usara explicitamente essa imagem, consagrando-a como expressão por assim dizer oficializada da doutrina”.

Notemos, desde logo, que a astrologia é incompatível com a fé católica, conforme o Catecismo da Igreja Católica n. 2116. Constata ainda a propósito Dom Estêvão Bettencourt, OSB, que “a astrologia ou o horóscopo admite que se possa ter o destino de alguém a partir da posição que os astros ocupavam quando esta pessoa nasceu. Tal arte, como é praticada hoje, supõe um sistema cosmológico ultrapassado, de modo que é refutado não só pela fé católica, mas também pela ciência” (Curso de Teologia Moral. Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, 1986, p. 73).

Vê-se, assim, que nem Inocêncio III, nem outros Papas sequer se aproximaram da astrologia enquanto tal na doutrina da Igreja. Ele usa o sol e a lua como mera figura de linguagem, com os condicionamentos da época (pensava-se que a lua tinha luz própria e não a fornecida pelo sol), para mostrar que a luz mais forte simboliza o poder espiritual e a mais fraca, o temporal.

O autor do livro, portanto, se engana, pois o Papa Inocêncio III não escreveu a suposta Bula (do latim Bullae, documento que contem as leis pontifícias e são assim chamadas pelo sinete de chumbo que traz, mas é frequentemente substituído por um carimbo vermelho – cf. Giorgio Feliciani. As bases do direito na Igreja: comentários ao Código de Direito Canônico. São Paulo: Paulinas, 1994, p. 54) sobre o tema “Igreja e Estado” ou o poder temporal e espiritual, mas uma carta, a Solitas Benignitatis, em 1201, a Aleixo, Imperador do Oriente. Nela, sim, ele afirmava que a esfera espiritual (a da Igreja) é superior à temporal (do Estado), do mesmo modo como a alma é superior ao corpo. Depois, a título de ilustração, e não de doutrina – frisemos bem –, acrescentava que o âmbito espiritual é como o dia iluminado pelo sol (a Igreja) e a esfera temporal é como a noite iluminada pela lua (o Estado).

A doutrina sobre o temporal e o espiritual só foi tratada mais detalhadamente pelo Papa Bonifácio VIII na (aqui sim) Bula Unan Sanctam, de 18/11/1302, mas 100 anos depois da carta de Inocêncio III que o autor em foco confunde com Bula. Contudo, Bonifácio não fala de sol e lua (se fosse doutrina e não mera figura de linguagem, ele, obrigatoriamente, falaria, dado que trata do mesmo tema de Inocêncio III), mas ilustra a doutrina recorrendo a outro expediente literário, a imagem das duas espadas: “As palavras do Evangelho nos ensinam: esta potência comporta duas espadas, todas as duas estão em poder da Igreja: a espada espiritual e a espada temporal. Mas esta última deve ser usada para a Igreja enquanto que a primeira deve ser usada pela Igreja. O espiritual deve ser manuseado pela mão do padre; o temporal, pela mão dos reis e cavaleiros, com o consenso e segundo a vontade do padre. Uma espada deve estar subordinada à outra espada; a autoridade temporal deve ser submissa à autoridade espiritual”.

Note-se ainda um erro de português: a expressão “no velho linguajar astrológico, onde a autoridade espiritual…” (Destaque nosso), deveria ser reformulada assim: “no velho linguajar astrológico, em que a autoridade espiritual…”, pois o onde indica lugar físico, o que não é o caso de “linguajar astrológico”.

Eis uma brevíssima reflexão que leva toda pessoa de bom-senso a perguntar com seriedade decisiva: a quem esse tema distorcido sobre Inocêncio III favorece?

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
DoutrinaReligiãoSuperstição
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
SAINT JOSEPH SLEEPS
Philip Kosloski
Durma em paz com esta breve oração a São José
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia